campanhas / 14 de dezembro de 2012

Como você constrói a tradição de Natal da sua família?

Texto de Mirtes Aquino*

Sou a filha mais velha de um casal pouco comum. É que meu pai é padre católico casado (não é correto falar ex-padre, já que o sacerdócio para a igreja católica é vitalício – a não ser que o padre seja excomungado, mas aí é outra história). Ele pediu à Igreja permissão para afastar-se e casar. Casou, teve 4 filhos e juntou duas grandes famílias: são 8 tios e tias paternos, 13 maternos e um batalhão de primos. Assim, os natais da minha infância ficaram marcados pela religiosidade e por uma animada festa em família – para mim a mais esperada do ano.

Participávamos de todas as festividades religiosas da escola (católica), íamos à missa e meu pai reunia os filhos para refletir sobre o sentido religioso do Natal, montar um presépio enorme e um pinheirinho iluminado. Não me lembro de acreditar em Papai Noel – meus pais achavam isso uma bobagem, mas sempre nos presenteavam com brinquedos que seus bolsos podiam pagar. Além deste, acho que só ganhava o presente do amigo secreto. Eram tantos netos, sobrinhos e tal, nos dois lados da família, que o amigo-secreto era mesmo a forma oficial de presentear.

Na noite do dia 24 era um corre-corre de crianças, muitos sorrisos e uma comilança. Na minha família, o ápice da festa ocorre à meia-noite (afinal, o dia da comemoração do nascimento de Jesus é mesmo 25 de dezembro), quando todos se abraçam desejando feliz Natal e então a ceia é servida. Só descobri que não é assim em todas as famílias quando vim morar em Salvador.

Já em Salvador, casei com um filho único e tornei-me mãe de uma filha única que não tem tios nem primos por perto. Meu marido é agnóstico e eu não sigo o catolicismo com o empenho que meu pai esperava. Essas diferenças básicas já deixavam claro que os natais da minha filha não seriam iguais aos meus. Sua escola não é católica, não vamos à missa e nosso presépio, embora seja montado todo ano, é minúsculo se comparado ao de meus pais. Mas a maior diferença diz respeito à quantidade de presentes e à carga de consumismo que a festa ganhou. Nos 30 anos que nos separam, as famílias encolheram, a classe média engordou e proliferaram facilidades de preços e prazos, além de milionárias campanhas publicitárias. É presente de vô, vó, tios, dindos, primos, amigos… E na TV, no rádio, nos outdoors e na boca de crianças e adultos, um festival de novas opções de brinquedos. Não demorou e eu comecei a ouvir coisas como “vou pedir isso para vovô” ou “vou perguntar se minha dinda me dá isso”, além do clássico “mamãe, EU QUERO…”. Um alerta tocou para mim. Como eu queria que minha filha guardasse na lembrança os natais da sua infância?

A disputa é desleal. A cada dia, novos e supérfluos produtos chegam aos nossos filhos, sempre colocados pela publicidade como itens indispensáveis. Cada vez mais as pessoas querem demonstrar afeição com presentes materiais (afinal, não é isso que a mídia prega todos os dias?) e as tradições vão lentamente se perdendo no meio de montanhas de sacolas e embrulhos. Todos chegam e partem das ceias de Natal cheios de pacotes – e, no bolso, parcelas para pagar.

Mas não, não é uma festa de consumo que quero que fique impressa nas memórias de Natal da minha filha! Tenho hoje uma pequena família de três membros e a consciência de que somos nós quem construímos nossas tradições e lembranças. Assim, sempre passamos nossos natais em família, o que significa nunca estar em Salvador (minha família em outro estado, a de marido no interior), mas sempre estar cercados de familiares saudosos. Não somos uma família religiosa, mas faço questão que minha filha saiba que o Natal é a comemoração do nascimento de Jesus, comemorada em quase todos os cantos do mundo. Aos seis anos, ela acredita em Papai Noel, mas não criamos muita fantasia em torno disso e nunca usamos o Papai Noel para fazer chantagens do tipo “Só ganha presente quem é bom menino” – se não dá para aguentar um Deus que castiga, imagine um Papai Noel que castiga?

Em relação aos presentes, resolvi criar minha própria tradição natalina: só dou livros, e apenas para as crianças. Além disso, conversei com os mais próximos sobre o quanto é desnecessário encher as crianças de presentes caros, que quase sempre serão rapidamente esquecidos. Tem dado certo: os presentes para a pequena, nesta e noutras festas, têm ficado mais divertidos e criativos (como uma tarde especial no cinema ou uma troca de brinquedos usados entre primos). Este ano combinei com meu marido de pedirmos um ao outro presentes não comerciais. O meu está escolhido: que ele reaprenda a tocar no violão uma música que tocava para mim quando namorávamos. Duvido que muita gente ganhe presente melhor e mais emocionante do que esse. J Além disso, nossa decoração de Natal este ano foi quase toda feita a mão, a muitas mãos: árvore de feltro com bolinhas de caixas de ovos e muitos desenhos natalinos, garantindo bons momentos juntos e muitas risadas. E você, como está construindo as lembranças de Natal dos seus filhos?

*Mirtes Aquino é economista, funcionária pública e mãe da Letícia, que há 6 anos a ensina que é possível construir um mundo melhor.

v


Tags:  Natal natal sem consumismo precisamos rever o Natal tradições

Bookmark and Share




Previous Post
Vamos salvar o Natal*
Next Post
Não vamos deixar o consumismo roubar o Natal



Mariana Sá




You might also like




7 Comments

Dec 14, 2012

Amei o texto… concordo em tudo. Inclusive já tinha escrito algo semelhante no meu blog. http://psicomaes.blogspot.com.br/2012/12/e-o-papai-noel.html

Parabéns pelas colocações.

Divulgarei com prazer. Feliz em saber que não estou sozinha neste assunto 🙂


Dec 14, 2012

Adorei!
Aqui Tb adotei o costume de dar livros infantis baratos pras crianças…digo baratos porque
Hj até nos livros tem merchandising e preços exorbitantes qdo os personagens são famosos, afe!!;


Dec 16, 2012

Mirtes, parabéns pela parceria do casal em oferecer valores a sua filha. Aqui nós também temos tentado inserir novas imagens de Natal, além do consumo, mas ainda não atingi o estágio de convencer os familiares ( avós e tios) da importância de oferecer valores ao invés de preços. Meu esforço tem sido em inserir através do presépio e da tradição da coroa do advento a história de Cristo e, de certo modo, a história da humanidade já que a cada semana relaciona-se a chegada de um reino para formar o presépio. Tenho aprendido muito com essa criação aqui em casa e obrigada por partilhar o seu aprendizado


Dec 17, 2012

Adorei!!!!
Aqui também estamos repensando a maneira de como comemoramos o Natal.


Jan 10, 2013

Mirtes,
cheguei ao blog hoje e fui lendo todos os textos disponíveis em minha tela…fui ficando pensativa e o seu foi o último deles…e me deixou feliz!

Ainda não sou mãe, casei tem pouco tempo, mas queremos ter filhos… Fora isso sua história é muito parecida com a minha.

Tive uma avó muito religiosa e meus natais foram muito felizes, em uma casa no interior de Minas com muitos primos, tios que trabalhavam no comércio (onde muitas vezes ajudei até quase meia-noite), uma ceia com comidas da região (nada de peru, chester, isso só conheci depois de adulta…), missa e uma árvore minúscula, mas que minha avó fazia questão de montar…

Hoje meu marido não é religioso e aos poucos fui me afastando também do catolicismo e me pergunto muito o que ensinaremos aos nossos filhos…bem, acho que você descreve um bom caminho…

Beijos! E feliz ano novo!


Jul 23, 2013

Grande parte da minha família é católica. Tenho pai e mãe agnósticos e nosso natal sempre foi com a familia do meu pai. Presentes e mais presentes. Apesar dos presentes, todos temos mais recordações das relações, das brincadeiras, dos choros,… do que qualquer presente. Agora está vindo a quarta geração.
Eu e meu marido somos ateus e vamos comemorar o Natal pelo respeito à nossa família (avós, tios, primos,…).
Minha filha tem apenas 3 meses e conforme for crescendo, vamos ver como trabalharemos com essa ideia de Natal e papai noel.
Belissimo texto!


Dec 16, 2014

Interessante reflexão e mais interessantes ainda o final quando fala de presentear somente livros e para as crianças, e escolher presentes não comerciais (essa então, achei ótima e vou copiar).
P.S.: Mas… Deus castiga é? Sei não… acho que precisa voltar a olhar sua [antiga] religião com outros olhos… 😉
Beijinho!



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Vamos salvar o Natal*
Texto de Tais Vinha* A primeira coisa seria minimizar o Papai Noel da Coca-Cola. Esse velhinho obeso, gastador, que nos estimula...