destaque_home / maternidade / 11 de junho de 2013

Aniversário: quando presente e lembrancinha fazem a festa do consumo

Texto de Camila Goytacaz*

Antes de mais nada, deixe-me contextualizar. Sou Camila Goytacaz, jornalista, 35 anos, mãe de Pedro Luis, 4 anos, e Joana, 1 ano. Se antes da maternidade eu já era uma pessoa sociável, depois de ter o Pedro fiz ainda mais amigos. Nas sessões do CineMaterna, nos parques e praças da cidade, nas aulas de música, dança e outras atividades para bebês, Pedro e eu entramos para várias turmas enquanto desbravávamos São Paulo. Com tantos amiguinhos novos, não é de espantar que aparecessem muitos aniversários. Praticamente todos os finais de semana somos convidados para pelo menos uma (quando não coincidem quatro ou cinco na mesma data) festinha de criança. E, com esta intensidade de eventos, encaramos frequentemente duas rotinas delicadas em relação às festas: uma antes, a do presente, e uma depois, a da lembrancinha. É sobre estas duas pontas da festa que quero falar. Eu poderia escrever sobre a comida, a música, o local, os monitores, poderia contar coisas absurdas e inadequadas que já tive o desprazer de ver nos últimos anos, assim como coisas maravilhosas que me fizeram suspirar. Mas vou me ater a estes dois assuntos que já rendem bem.

O presente

O hábito mais frequente é que os presentes sejam depositados em uma caixa de papelão antes de o convidado entrar na festa. Nesta hora sempre me sinto agoniada, como quem despacha uma encomenda pelo correio: fico insegura se o presente chegará ao dono ou se será interceptado e fico triste por jamais ver a reação da criança (ou, ao menos, da mãe) ao abrir o que escolhi com tanto carinho. Muitas vezes a dúvida persiste para sempre. Em outras, a mãe tem o bom senso de enviar uma mensagem sinalizando que viu, recebeu, gostou. Entendo a praticidade envolvida (é confuso deixar a criança abrir cada um dos presentes durante a festa), mas lamento a frieza adotada. Já o costume menos frequente e mais bonito que conheço começou recentemente na turminha da escola. Junto com o convitinho, veio o recado: “não precisamos de presentes! Traga um brinquedo USADO que seu filho não brinca mais e ficaremos felizes”. Usado? Não preciso sair correndo para comprar? Não preciso quebrar a cabeça e esvaziar o bolso para escolher algo para uma criança que tem tudo? Não. A reciclagem de presentes é simples, divertida e muito prática. Em inglês, é o chamado Re-gift (algo como re-presentear). Eu e Pedro simplesmente vamos até o baú de brinquedos aqui de casa e escolhemos alguma coisa para dar. A embalagem surge da nossa imaginação. É divertido improvisar, fazendo embrulho de papelão pintado com giz de cera ou enfeitando com fitas coloridas. Não temos obrigação de ter a tal etiqueta com prazo de troca nem nada que indique que o produto é novo. Não é novo! A ideia é nova, e esse é o grande barato! Já fomos a duas ou três festinhas assim – porque mães legais copiam mães legais – e tem sido incrível. As crianças abrem os presentinhos que estão sendo repassados sem nenhuma ressalva ou constrangimento, às vezes brincam, às vezes doam para outras crianças, e tudo se movimenta sem que ninguém gaste nem um real. Dá para fazer o mesmo com roupas e até sugerindo aos convidados que tragam presentes feitos pelas própria criança, como desenhos e colagens. Ou fazer como uma amiga, mãe de duas meninas, que disse não ao mundo dos presentes-cor-de-rosa e pediu fraldas e leite para doar a uma creche. Festa assim é boa demais, com menos consumo e mais diversão!

A lembrancinha

Depois de curtir a festa e comer um monte de docinhos, tudo que meu filho não precisa é ganhar um saquinho cheio de balas, pirulitos, chicletes e outras porcarias, disfarçado sob o romântico nome de “lembrancinha”. Aqui em casa o apelido é bem menos atraente: chamo o saquinho de kit-cárie. Não temos pena de arremessar diretamente na lata do lixo, mas dá um trabalhão explicar para a criança que não é legal, faz mal, gruda nos dentes, é péssimo para a saúde, então aqui suplico, ó mãe que está a organizar a festa do seu filho: diga não ao kit-porcaria! Se você quer muito dar algo às crianças na saída, que tal simplesmente encher a embalagem fofa que idealizou com figurinhas coloridas? Ou atacar de mãe-retrô e usar a boa e velha dupla língua de sogra-chapeuzinho de papel? Bolinha de sabão? Confete? Apitos? Nariz de palhaço? Brinquedinhos inofensivos? São inúmeras as possibilidades! Seja criativa e dê algo que faça sentido dentro da ideia original: que a lembrancinha remeta a algo bom da sua festa. Neste quesito já ganhamos lindas mudinhas de plantas, chapéu de mágico e outras coisas lúdicas, porém baratas. Uma doce lembrança, mas sem doce, por favor!

Agora o pior: em algumas festas (as do povo que nunca ouviu falar em consumo consciente), além do famigerado saquinho de porcaria, a criança ainda leva um presente. Tudo bem, se você quiser dar uma coisa singela, que tenha a ver com o tema da festa, vá lá, mas aqui estou falando de utensílios de verdade. Aliás, não tenho vergonha em confessar: muitas vezes o “presente” que ganhamos é melhor do que o presente que demos! Há pouco tempo foi uma mochila, equipada com garrafa plástica, boné, lenço e várias outras coisas, caso o Pedro resolvesse repentinamente ir para a selva. Pelo menos foi o que entendi. Já ganhamos uma necessaire com shampoo, condicionador e sabonete. Sempre, claro, tudo devidamente adesivado com o nome do aniversariante e o tema da festa. Qual a razão de sugerir banho aos convidados? Não sei, até hoje não saquei. Em nossa coleção já temos sacolas, bolsas, cadernos, estojos e todo tipo de tranqueira utensílios temáticos que não precisávamos, mas, claro, aceitamos por educação. Fico me perguntando quantas mães não estão gastando o que não têm para presentear seus convidados com lembrancinhas valiosas e totalmente fora de propósito, como a tal mochila? Sem pensar sobre o assunto, as mães vão na onda, apenas retribuindo o que recebem quando são convidadas. E nessa roda de todos presentearem a todos, o consumismo faz a festa, o exagero rola solto, os fornecedores de porcaria itens lucram verdadeiras fortunas, mas, espere, e as crianças? Será que elas gostam destes presentinhos tão úteis? Necessaire? Sacolinha? Claro que não, né, gente, criança gosta é de brincadeira. Quem gosta de coisas “úteis” são adultos. Quer saber o que a criança faz questão de levar ao sair da festa? É fácil. Pare na porta dos buffets e observe. Elas saem pulando alegremente com uma bexiga nas mãos. Atrás, vêm mães e pais, carregando lembrancinha e presentinho e sentindo saudades das festas da nossa infância, que eram bem mais simples e felizes.

*Camila, 35 anos, jornalista e escritora, é mãe de Pedro Luis e Joana e vive em São Paulo. Desde o nascimento de seu filho passou a querer um mundo com mais brincadeiras e menos brinquedos, mais doçura e menos açúcar. Sobre as aventuras desta família e seus aprendizados, Camila Escreve.


Tags:  consumismo e aniversários festa lembrancinha presente reciclar saquinho surpresa

Bookmark and Share




Previous Post
Feiras de doação e de trocas: novas formas de se pensar o “ter” e o “ser”
Next Post
Educação alimentar, como lidar?



Mariana Sá




You might also like




46 Comments

Jun 11, 2013

Ótima reflexão. Inconformada com a forma como os presentes têm sido entregues e o que as crianças perdem com isto, escrevi sobre o tema. Para quem se interessar: http://ninguemcrescesozinho.com/2012/07/19/deixe-a-crianca-entregar-o-presente-em-maos/#comments. Abs, Patrícia.


    Jun 24, 2013

    Patricia, verdade, os presentes carregam afeto e isso é tudo que as crianças precisam! E nós também, né? Obrigada pelo comentário! Um abraço


Jun 11, 2013

já nas primeiras linhas percebi que se tratava de uma mãe waldorf… tô errada???

amei o texto!!! reply all!!!


    Jun 24, 2013

    Thaty, estamos na Escola Arte de Ser, que tem pedagogia inspirada na Waldorf, mas segue os princípios da Educação pela Paz, do Yogananda! Apoiamos e acreditamos que a forma Waldorf de fazer – sempre com carinho e sentido para tudo – faz todo sentido. Um beijo, Camila


Jun 12, 2013

Meninas, ai no Brasil eu ja estava fazendo assim (porque adoro dar festas e nao queria abrir mao de da-las…): eu pedia para nao trazerem presentes, e sim latas de leite em po´ para doação. Depois eu comprava algo para as criancas que elas realmente gostavam. De modo geral, o acordo era que a Fesa ja´ era o presente. Aqui na Tailandia, eu fiz assim (porque as meninas pediram ´´mae, eu quero gnhar os presentes!´´ kkkkk): cada presente ganho, valor mais ou menos equivalente eu comprei alimentos para doação… e assim vamos fazendo…
Qto a lembrancinha do ´´final´´ tb sou contra aquele monte de balas kit-carie! O que faco e dar algo dentro do simbolismo da festa e que realmente seja util.
Como tb promovo festas aqui (moro na Tailandia) procuro unir essa questao com algo tb voltado para beneficiar os menos favorecidos, como por exemplo na ultima festa que promovi, a lembrancinha (solicitada pela mae da crianca) foi um estojinho de pano, feito por mulheres tailandesas, necessitadas, cuja renda da venda vai para ajudar a Comunidade delas.
E´ isso.
Bjs!


    Jun 24, 2013

    Renata, que coisa linda deve ser o estojinho de pano e que ideia fantástica que a renda seja revertida, parabéns! Obrigada pelo comentário!


Jun 12, 2013

A vida pede equilíbrio em tudo. Exageros são sempre ruins, mas celebrar é muito bom. Há poucos anos tínhamos a festa em casa, com uma decoração simples, mas sempre esperávamos pelos presentes. É legal pedir uma doação de presentes para crianças pequenas, mas para as maiores acho que é frustrante, porque já entendem. Se presenteiam o amigo, gostam de ser presenteadas. Prefiro eu mesma fazer uma doação dos brinquedos e roupas dos meus filhos logo após o aniversário. Eles participam da triagem e entendem bem melhor a intenção. Dividir!
Acho importante as crianças entenderem que existem outras formas de comemoração que não em buffet e quanto ao kit cárie, fico feliz quando meus filhos não ganham. Acho que na hora da festa vale aproveitar, mas levar pra casa não precisa.
Ótimo post! Uma boa reflexão! Só mudamos os hábitos e fugimos das “ondas” quando paramos para pensar. Abraços!


    Jun 24, 2013

    Gisa, também já fizemos assim, dividir os presentes depois da festa, e dá certo! Tudo depende da preferência e do hábito de cada família. Cada um encontra seu jeitinho, o importante é refletir! beijos e obrigada


Jun 12, 2013

Fantástico, amei o texto!! Eu sempre fujo do kit-cárie nas festas dos meninos e sempre escuto os piores comentários das mais variadas pessoas! Que tem que ter porque as crianças gostam, que os doces fazem parte da festa, que se não tiver os amiguinhos vão pensar mal dos meus filhos!!! Quando eles recebem esses saquinhos nas festas, a primeira coisa que faço é jogar fora a maior parte das coisas (e também sou muito criticada por isso!). Para lembrancinha eu sempre escolho algo que tem relação com o tema da festa, já oferecemos sementinhas com vaso e terra para plantar, bolinha de sabão, cornetinhas (que são menos barulhentas que apitos!), giz de cera e papel. A maioria das coisas, faço em casa e evito esses gastos absurdos!! Sei que as festas não vão voltar a ser como antes, mas quero proporcionar o mais próximo disso para meus filhos e seus amigos!


Jun 12, 2013

Achei de uma percepção incrível as sugestões……….já há dois anos (porque antes não fazia) nas festinhas do meu filho também chamado Pedro eu tento criar “lembrancinhas” diferentes!
Faço brincadeiras criativas em um campo de futebol a festa por ser no inverno eu só faço de dia…tipo:corrida do saco, mordida na maçã, picolés (o que agora irei trocar por espetinho de frutas – por causa da diabetes) , achar o objeto na farinha, claro a indispensável cama elástica entre outras
Em 2011 a lembrancinha foi uma caixinha ecológica com mudas de plantas e em 2012 foi uma caricatura de cada criança feita na hora….
E ano passado principalmente por ele ter se tornado Diabético fiquei pensando: se já antes nunca havia dado doces, agora então não teria lógica dar o que nem ele poderia comer!!!! Adorei a ideia da doação de brinquedos………este ano será esta!

Os pais gostam das lembrancinhas………..as crianças das brincadeiras!!!!!!!!


    Jun 24, 2013

    Simone, a caricatura é uma ideia linda mesmo, também temos uma aqui e está pendurada na parede, uma lembrança nota mil! Beijos e obrigada pelas contribuições


Jun 12, 2013

Vou fazer uma comemoração de dois anos do meu filho mês que vem e já vinha refletindo sobre tudo isso! Gostei muito da idéia da troca de brinquedos, me sinto assim até mais confortável de chamar os convidados, sem a obrigatoriedade de dar um presente, que eu particularmente acho péssimo!


Jun 12, 2013

Sem dúvida essa é uma das melhores matérias que já li sobre aniversários! Ótimas ideias, simplesmente fantásticas! Meu filho tem apenas 2 anos mas já não suporto mais aniversários e datas festivas. Não pelas datas em si pq adoro comemorações, mas pelos presentes. É um absurdo a quantidade de presentes que ele ganha dos parentes e amigos. Vai contra nossa filosofia. Não quero ensina-lo para que no futuro ele “espere” ganhar essa quantidade de brinquedos q ficam entulhados e acabamos doando ou trocando em feiras de troca. Sem nem comentar os aniversários que a gente vai e todo mundo fica olhando pq sempre faço questão de dar roupa de presente. Lembracinha de doce eu nem abro. Eu e meu marido nos sentimos remando contra a maré e sem dúvida essas idéias vão ajudar imensamente. Parabéns e muitíssimo obrigada!


    Jun 24, 2013

    Oi Juliana, no seu caso, como ele já ganha muitos presentes, vale ainda mais a pena negociar com amigos e familiares para fazerem doações ou mesmo vocês, após a festa, escolherem junto com a criança alguns itens para serem doados ou que possam servir de presente a outra criança, não é mesmo? Faz bem ao coração e ao planeta! Um beijo e obrigada pela leitura, Camila


Jun 12, 2013

Amei Camila! Esse negocio de entrar em buffet e entregar o presente na mai de um estranho me da uma agonia! Aqui festa de verdade é em casa (que agora eu tenho! Antes era apto e dificultava), com muito espaço para as crianças brincarem, comidinha gostosa feita com muito carinho e lembrancinha sem porcaria!


Jun 12, 2013

Oi, Camila.
Eu fiz intercambio no Canadá e pude participar da festa de aniversário de 5 anos dos filhos gêmeos da dona da casa. A festa tinha apenas 10 convidados – 1 amiguinho para cada ano que os meninos estavam completando – e no lugar de presente, a mãe pediu que os convidados levassem dinheiro em três envelopes. Cada um dos gêmeos tinha uma caixa de sapato, onde colocavam os cartões que recebiam com o “presente” e uma terceira caixa era para uma criança de uma ONG. No final da festa, cada um dos meninos pôde ir a uma loja e escolher um brinquedo bacana com o dinheiro que receberam, ao invés de ganhar várias coisas que talvez nem gostassem tanto assim. Na época achei meio estranho, mas agora faz todo o sentido. E olha que ainda nem sou mãe! 🙂
A ideia do brinquedo usado eu achei sensacional.


    Jun 24, 2013

    Olá Kelli, adorei esta ideia, obrigada por compartilhar, que festa legal do Canadá! Um beijo


Jun 13, 2013

Bem legal…. Mas as vezes esquecemos que já fomos crianças e que adorávamos ganhar o kit carie! E estranho você impor ao seu filho coisas assim. Eu deixo o meu comer sim, mas com o trato que logo após escove seus dentes…afinal, isso faz parte da infância de qualquer criança!


    Jun 24, 2013

    Sue Anne, obrigada pela leitura! Não é preciso mesmo proibir nada, apenas ponderar, mas às vezes negociar para que seja consumido em outro momento ou diminuir a quantidade, se é exagerada, vale a pena. Um beijo e obrigada


Jun 13, 2013

Faz tão bem encontrar gente que quer pensar diferente, que nos ajuda a pensar diferente. É igual a achar um namorado legal, só que não. Obrigada por partilhar seu pensamento, que é partilhar a si mesmo. Muitas coisas ditas por vc eu já concordava e praticava, outras já serão incorporadas! Valeu!


Jun 13, 2013

Eu faço no aniversário da minha varias coisas que vc descreve e não acho bobagem. Pois tudo que faço é planejado e faço com prazer. Quanto aos doces, cabe a cada mãe e pai fiscalizar o que o filho come e cuidar da higiene bucal deles, pois é difícil proibir radicalmente as crianças de comer doce. O niver da criança é uma vez no ano e creio que deixar de realizar uma festinha legal e o ano inteiro não olhar o exagero do dia dia é pior. Se ganhou muitos presentes, doa.Agora concordo que muitas mães fazem mega festas sem planejamento para se amostrarem e depois ficam endividadas, isso sim é besteira. E quando a criança é maiorzinha, um passeio e um bolo com os melhores amigos ta de bom tamanho.


    Jun 24, 2013

    oi Renata, não precisamos mesmo proibir nada e nem ser radical, mas como eu disse, aqui em casa, depois da festa, em que já comeram doces demais, as balas acabam sendo excesso, pelo menos para mim. Um beijo e obrigada


Jun 13, 2013

Camila, não há palavras suficientes para dizer o quanto eu amei e me identifiquei com o texto. Beijos.


    Jun 24, 2013

    puxa, que bom, obrigada! Um beijo grande


Jun 14, 2013

Gostei do texto mas discordo em vários aspectos… acho sim que existe um consumismo exagerado, não há dúvida!! Mas acho complicado você abrir mão, em nome do seu filho, de presentes… simmm, pq eu já fui criança e esperava frenéticamente pelo meu aniversário e pelos presentes que iria ganhar! Acho que isso tb eh simplesmente confiscar algo do seu filho que muito provavelmente você teve, para aderir a nova “modinha”. A satisfação fica por conta dos pais e não do filho…
Adoro idéias sustentáveis… minha filha não come doce (não pq não deixo mas pq ela não gosta mesmoooooooo) mas acho que aí a interferir na comemoção do seu filho já é demais..
E sobre abrir os presentes, falando a sinceridade, meus aniversários sempre foram na minha casa, eu recebia pessoalmente o presente mas em razão do número de convidados, nunca abri nenhum no momento. Sempre agradeci depois mas abrir um a um é como obrigar a criança a não curtit sua própria festa para ficar abrindo presentes…. e não acho isso frio.
Acho que sim, uma festa com número reduzido, por etiqueta você abre e demonstra sua gratidão… agora numa festa de criança, onde eles só querem brincar, correr, enfim, vc querer que a criança pare para abrir presentes, acho super exagero….
Bjossss


    Jun 24, 2013

    oi Renata, o importante é encontrarmos equilibrio em tudo e fazermos o que faz sentido para nós. Receber o presente em mãos e agradecer já é muito legal, certamente não precisa abrir na hora (e dependendo da idade da criança é melhor mesmo). Um beijo grande, obrigada pela leitura, Camila Goytacaz


    Jun 24, 2013

    oi Renata, o importante é encontrarmos equilibrio em tudo. Receber o presente em mãos e agradecer já é muito legal, certamente não precisa abrir na hora (e dependendo da idade da criança é melhor mesmo). Um beijo grande, obrigada pela leitura, Camila Goytacaz


Jun 15, 2013

O texto é perfeito.
Não há nada mais frio do que depositar o presentinho dentro de uma caixa, já abarrotada de tantos outros presentes e que na maioria das vezes o presenteado nem vai saber quem deu cada um.
Adorei a ideia de presentear algum objeto, brinquedo que tenha em casa.
Essas festinhas de buffet não são nada atraentes.
No mês passado, fomos a uma festa piquenique, sem refrigerantes e sem consumos. Foi linda.
Parabéns pelo texto.
xeros


    Jun 24, 2013

    Obrigada, que bom que gostou! Também adoramos piquenique! Um beijo, Camila


Jun 16, 2013

Sou fornecedora de “porcaria” e digo com toda certeza que quando os pais me procuram tem a maior preocupação em agradar seus convidados e escolhem cada item com todo carinho do mundo,achei o texto mal educado e de extrema falta de consideração com as pessoas que convidam vc para uma festa,toda criança gosta de ganhar presente,seja o aniversariante ou o convidado,mas se não concorda simplesmente não vá as festas,mas comparecer para falar mal depois é feio,acho que vc não teve infância… Antes de lançar uma crítica tão pesada como “fornecedor de porcaria” leia mais,veja como essas pessoas trabalham duro,não conheço nenhuma que tenha ficado rica,eu por exemplo trabalho demais e ao contrário do que vc sugere não ganho fortunas,tb sou mãe e não preciso de “modinha” para educar meu filho.


    Jun 24, 2013

    oi Luciana, tudo bem? Cada um deve fazer do jeito que se sente melhor, não é mesmo? O importante é refletirmos – e pontuarmos – o que faz sentido para nós! Um beijo e obrigada pela leitura


Jun 17, 2013

Adorei o texto e concordo…odeio o kit carie! Tb não entendo isso! Meu filho, quando tinha dois anos voltava da escola com aquelas sacolinhas cheia de balas e chicletes!!!! Não me conformava!
Faço a festinha dele sempre em casa. Agora ele completa 4 anos. Vamos ter uma equipe de recreação com brincadeiras educativas: contação de história, música e oficinas com o tema da história contada. Acho muito mais válido que aquelas festas em buffets.
Na minha infância era assim: em casa, com os amigos e muita brincadeira. E as lembranças?? Ahh… as lembranças são as melhores!!!


Jun 22, 2013

Você “traduziu em palavras alguns dos aspectos que mais me deixam incomodada em relação a festas de aniversário. Principalmente de crianças. Ainda não sou mãe, mas minha família é grande e temos um grande circulos de conhecidos. Muitos aniversarios e quando vem aquela etiquetinha dizendo que A LISTA DE PRESENTES SE ENCONTRA NA LOJA “TAL”… E quando a gente vê a lista? Presentes simples, porém, caros… É de intimidar convidados, chegar na festa com uma “embalagem” de presente diferente das da Loja escolhida. Sendo que a gente sabe que a maioria dos presentes continuam nas suas respectivas caixas em cima do guarda roupa da crianca… Pois sao tantos brinquedos que a mae resolve deixar um estoque. Enquanto tantas criancas necessitam… Adorei a ideia das latas de leite, brinquedos usados, doacoes… Obrigada! Com certeza utilizaremos nos aniversarios dos nossos filhos e assim nos sentiremos beem melhores. Parabéns pelo texto.


Jun 26, 2013

Amiga,

Adorei o texto!
Concordo com quase tudo que escreveu…acho que as vezes oferecer um “kit” Shampoo e sabonete com o nome do aniversariante, é uma forma bonitinha de dizer (ponha na necesseire de viagem da cça), qdo ganho coisas assim, juro que adoro…e o Enzo tb!
Claro que há excessos!
Mas como vc disse nos comentários acima, sempre é bom ponderarmos…
O lance do presente depositado na caixa, tb acho frio, e mais frio ainda é a mãe que não agradece depois com um simples telefonema ou uma mensagem de texto.
Já cheguei a encontrar mãe na porta da escola, que fez festa um dia antes e nem sequer agradeceu pelo presente (que mtas vezes foi comprado com dificuldade pela família).
Como sempre, seus textos são muito bem escritos!
Adorei!
Amo vc!
bjos
Mia


    Jul 05, 2013

    oi Mia, que bom que gostou! Agradecimento pós-festa é mesmo essencial, poxa, valoriza quem presenteou! Sobre o kit para a viagem, pelo jeito é isso, agrada à mãe. Mas ainda acho que há um exagero e as pessoas se perdem nisso, muitas vezes oferecendo o que não tem ou não precisavam! Um beijo grande, obrigada por passar aqui também.


Jul 05, 2013

Gostei muito do texto, concordando ou não! refletir é sempre construtivo! Estou entrando nesse mundo agora! A festa do meu 1o filho é daqui há um mês, já havia decidido não distribuir o kit de doces! Vou distribuir desenhos do tema da festa com giz de cera para colorir!
otimo blog
Abraços


Aug 09, 2013

Adorei o texto!
Acabei de fazer a festa de 1 ano do meu filho!
Ele ganhou tanta coisa que estou zonza! Já separei roupas para doar, e deixei muitos brinquedos fechados e vou doar também! Ele ganhou tantos, alguns bem parecidos, que seria impossível brincar com tudo, sem contar q ele simplesmente não precisa de tantos brinquedos!

A lembrancinha foi biscoitos integrais, feitos no tema da festa! E uma semente, tipo de feijão, que vem escrito o nome do aniversariante. As crianças amaram, porque a maioria nunca havia plantado um feijão!!!


Sep 09, 2013

Olá. Conheci o site hoje e estou gostando.
Sobre este tema específico, eu recentemente fui convidado para uma festa de uma criança de 4 anos e junto do convite havía uma lista de presentes (como aquelas de casamento), disponível em uma loja de brinquedos. Ou seja, os pais da criança foram antes a uma loja, selecionaram todas as opções que gostariam que a filha ganhasse e informaram isso no convite.
Mesmo que eu quisesse comprar algo diferente, como por exemplo um brinquedos de madeira (brinquedo educativo) ou até mesmo um livro infantil (muitas crianças adoram) não poderia.
A lista estava repleta de Barbies, castelos da Barbie, carros, acessórios e por aí vai….
Respeito todas as opiniões, mas é difícil ver que até as festas infantis estejam sendo tratadas como uma troca de investimentos, assim como já ocorre em alguns casamentos em que os noivos gastam muito na festa, esperando um retorno a altura em presentes que encham suas casas.


Oct 16, 2013

Camila, super legal o que voce escreveu.
Penso igual…
Só gostaria da sua ajuda em duas questões para o aniversário dos meus filhos (Luísa – 4 anos e Pedro – 1 ano):

Eu gostaria que os convidados trouxessem cesta básica ao invés de presente. E como eu poderia escrever isso, de uma forma bacana?

E a segunda questão, eu vou colocar Piñata com aquelas bugigangas e alguns doces dentro (bala e pirulito jamais).
Comprei bugigangas (por falta de opção), bombons, saquinho de doce de leite e babaninha caseira sem açucar. O que será que eu posso colocar a mais, para ficar divertido mas tambem ao mesmo tempo mais saudavel…?
Obrigada, Isis.


Nov 11, 2013

Adorei o texto! Detesto ganhar os kits-cáries também, tenho horror e aqui no Brasil ainda fazem a tal mesa de guloseimas ao qual as crianças se servem à vontade das mais variadas porcarias. Nas festas que fiz para a nossa filha nunca quis a tal mesa e as lembrancinhas também não tem doces. A do primeiro ano foi um quebra-cabeça com a fotinho dela, de 2 aninhos chaveirinhos de sapo e coroa de feltro feitos pela minha mãe, de 3 anos foi jogo da memoria de eva com o tema da festa e somente nessa festa a prima do meu marido trouxe dos EUA uns mm’s com a foto dela impressa no mm’s como presente para dar junto com o jogo da memoria, acabei aceitando pq eram saquinhos de 20gramas, pouquíssimos mms, a de 4 anos foi boia de braço e a de 5 anos será uma bucha e um sabonete no tema da festa, simples. Beijosss!!!!


Jan 08, 2014

Nossa, lista de presente em loja para festa infantil? Realmente, Fred Soares, esta me chocou! Fico pensando na cabeça das crianças tentando entender isso. É bem provável que se sintam muito importantes, verdadeiras divas e deuses, e que, em função disso, se comportem acreditando que são o centro do mundo. Depois os pais então vão investir fortunas para tentar resolver os “problemas” comportamentais destas crianças, que eles mesmos criaram! Obrigada pelo comentário, um beijo!


Nov 25, 2014

Adorei o texto e me surgiram muitas ideias para festas daqui pra frente,, numa festa a gente pode ajudar quem precisa, reciclar e cuidar da saúde dos pequenos entre outras ideias. Mas não achei justo ir em uma festa pegar a lembrancinha nesse caso chamado de “kit-cárie” e jogar na lata do lixo, afinal quem fez a festa gastou tempo e dinheiro para fazer suas lembrancinhas eu quando não gosto simplesmente não pego é mais justo.


    Nov 26, 2014

    Muitas vezes não pegar pode ser inviável: ou porque deram diretamente à criança ou porque não temos suficiente intimidade para negar. Negar uma lembrança de aniversário pode ser visto como falta de educação, não?


Nov 29, 2014

Vamos realizar a festa de um ano de minha filha em fevereiro do próximo ano, cheguei a este texto pois já tínhamos a intenção em dispensar os presentes e solicitar a doação de uma lata de leite em pó que será revertida para uma instituição , estava buscando uma maneira de colocar isso no convite sem parecer indelicada.Enfim, gostei do texto, me identifico em relação aos kits balas, mas achei ofensivo e desnecessário os comentários em relação aos outros kits, consigo visualizar objetivos em ambos os kits citados por você, não seria preciso ir a uma floresta para usar a mochila citada, talvez uma excursão na escola ou um passeio no parque, já teria sua função alcançada . De qualquer maneira parabéns!


Feb 24, 2015

Cheguei a esse texto porque na escola da minha filha pode-se dar lembrancinha, mas sem nenhum doce, embora consiga ver olhinhos brilharem com os doces. Nunca privei meus filhos (2) disso. Acho que faz parte da infância sim! Comprei língua de sogra, nariz de palhaço…. bem contrariada! rsrsrsrs
Gostei de algumas colocações, mas achei outras bem exageradas. Equilíbrio é tudo.
Beijos


Sep 03, 2016

Na minha opinião quando fechamos uma festa em um buffet e compramos lembrancinhas e com muito carinho e o minimo queremos em troca a gratidão dos convidados por terem sido convidados. Acredito que se os pais investiram numa festa ( gastaram dinheiro) querem o minimo de respeito dos convidados. Começar sim pelos comentarios que e de muito mau gosto ir numa festa e depois falar mal. Toda criança espera os amigos pra brincar mas “SEMPRE” esperam ver os presentes que ganharam. Criança gosta de ganhar brinquedo. Ai vai o bom senso. Vc vai num buffet comer bem e aproveitar com a sua familia e dar um desenho pintado para o aniversariante de presente e ainda sair da festa falando mal. Me perdoe mas vc não deveria nem ter sido convidado! Achei legal dar sementinhas de lembrança!



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Feiras de doação e de trocas: novas formas de se pensar o “ter” e o “ser”
Texto de Desirée Ruas* No dia 11 de maio de 2013, em Belo Horizonte, aconteceu a Feira Grátis da Gratidão, um evento...