denúncias e sentenças / legislação / 5 de Fevereiro de 2014

Propaganda do Conar ironiza reclamações dos consumidores

Texto de Vanessa Anacleto*

Em quase dois anos participando de debates sobre os rumos da comunicação mercadológica dirigida a crianças representando o MILC, já sabemos o que esperar de nossos interlocutores do lado de lá da questão. Representantes dos anunciantes e do Conar (Conselho de Autorregulamentação Publicitária) invariavelmente utilizam seu tempo nas discussões para tentar minimizar o problema, relativizar os prejuízos causados às crianças e descredenciar os pais que se posicionam contra os abusos da propaganda.

A nova campanha publicitária do Conar, que vem sendo veiculada nos grandes canais de tevê aberta e vimos também em peças para mídia impressa, traduz perfeitamente o pensamento dos defensores da publicidade para crianças. No filme “Palhaço”, o palhaço Peteleco é acusado de apologia à violência pelo uso do nome e desperdício de água por causa da flor com esguicho na lapela, entre outras reclamações exageradas. Já no filme “Feijoada”, um casal no restaurante reclama do que considera um cardápio machista (com mais ingredientes masculinos do que femininos) e de segregação (“Por que você separou o arroz do feijão?”). Os filmes terminam conclamando o público a confiar em quem entende. E quem entende, no caso, é o Conar (vai entender). Mais eficiente para mostrar o ânimo do Conar para com o público que assiste às peças publicitárias e que consome os produtos e serviços anunciados, impossível.

De acordo com o Conar, quem entende de publicidade são os publicitários e empresas representadas pelo Conselho (para saber mais leia Conar, regulamenta?). Do alto de sua sabedoria, o Conar julga, sem direito a apelação, uma opinião divergente. Afinal, quem julga o recurso das decisões é o mesmo órgão. Para o Conar, aquele que  reclama do abuso da publicidade é um chato da patrulha do politicamente correto, além de ignorante na matéria, e deveria ficar em casa assistindo aos filmes abusivos, consumindo os produtos e serviços – e de boca calada. Somos consumidores inconvenientes para um Conselho criado durante o governo João Figueiredo. Afinal, reclamar na época do “prendo e arrebento” não era comum.

Os tempos mudaram, as necessidades do consumidor cresceram, o nível de informação da população subiu e os mecanismos colocados a nossa disposição para coibir eventuais abusos estão mais sofisticados. Infelizmente, porém, os responsáveis pela regulação da publicidade estão demorando a perceber isso. O objetivo da campanha publicitária do Conar parece ser, além de reforçar sua alegada autoridade indiscutível, desmotivar aqueles que tenham ânimo de reclamar de alguma campanha publicitária abusiva. Desta maneira, fica fácil identificar o que a campanha deseja comunicar ao dizer que o Conselho “todos os dias recebe dezenas de reclamações. Muitas são justas, outras, nem tanto.” As denúncias justas são as feitas entre empresas. Afinal, quando um anunciante reclama de outro, o Conar age rápido como um raio. As denúncias injustas são as feitas pelos consumidores. Os chatos politicamente corretos, que vêem problema onde não existe, como esta que assina este texto.

*Vanessa é mãe do Ernesto, blogueira no Mãe é tudo igual, escritora no Fio de Ariadne, co-fundadora do Movimento Infância Livre de Consumismo, opiniática e gosta do que faz.

v


Tags:  #publicidadeinfantilNÃO autorregulamentação conar denúncias direitos do consumidor regulamentação

Bookmark and Share




Previous Post
Porque amamentar está na moda
Next Post
O que o Clarear tem a ver com consumo e infância?



Mariana Sá




You might also like




7 Comments

Feb 06, 2014

Quando eu vi a propaganda não acreditei… acho ridículo a forma como eles ironizaram…deprimente.


Feb 07, 2014

[…] Propaganda do Conar ironiza reclamações dos consumidoresConar, regulamenta? […]


Feb 07, 2014

[…] Propaganda do Conar ironiza reclamações dos consumidores Conar, regulamenta? […]


Feb 10, 2014

Eu gostei das propagandas =)


Feb 19, 2014

Você tem provas estatísticas de que “as denúncias justas são as feitas entre empresas […] e que as denúncias injustas são as feitas pelos consumidores”? Ou é apenas um dado deduzido?


    Feb 19, 2014

    Luciana, basta ver o teor das propagandas, que ironizam claramente as denúncias feitas pelos consumidores. E acompanhar o julgamento das denúncias através do site do Conar. Você verá que as denúncias feitas pelas empresas anunciantes são julgadas mais rapidamente, ao passo que as feitas pelos consumidores demoram meses para receber resposta.

    Infelizmente essa é a realidade, é o que mostra a experiência do movimento e dos nossos leitores. Se a sua experiência é diferente, compartilhe conosco!


      Feb 22, 2014

      É que empresas só denunciam quando tem algo sério acontecendo, em particular: elas não vão se dar ao trabalho de ficar reclamando de qualquer coisa tosca que vêm. Isto não quer dizer que elas sempre estejam certas ou que denunciem tudo que deve ser denunciado, porém a maior parte dos consumidores que denunciam são a turminha mimimi que vê pêlo em ovo.

      Imagina a quantidade de asneira que eles recebem diariamente de consumidores! Já empresas só falam de vez em quando disso ou aquilo então fica mais prominente. Totalmente entendível, mesmo que eu não goste dessa realidade.

      Culpe os mimimis que ficam reclamando, sejam eles machistas, feministas, racistas brancos, racistas negros, ou no geral todos aqueles que acham que o mundo deve se curvar ao seu enorme porém frágil ego de donzela que se ofende com cada coisa tosca que vê.

      P.S.: O objetivo não é educar as empresas a não falar bobagem, o objetivo é educar o povo a deixar de seguir tudo que ouvem. Liberdade de expressão não se defende só quando a gente concorda.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Porque amamentar está na moda
Texto de Daiane Pereira Rodrigues* Porque amamentar está na moda, a primeira coisa que meu filho tomou na vida foi leite...