destaque_home / publicidade de alimentos / 26 de setembro de 2014

“Toma pelo menos a coca”

Texto publicado anteriormente na coluna Consumo&Infância do Mamatraca, de Mariana Sá*

Era uma fila de restaurante por quilo como outro qualquer. Eu e mais três amigas conversávamos animadamente e na nossa frente uma mulher e uma menininha faziam seus pratos. Saudosa da minha própria menininha pus-me a observar a interação das duas: 

– Um bifinho, por favor!

E a mulher enche uma colherona de mini-empanados de frango (português para nuget) e tasca no prato da menina. “Oxe! A menina chamou ‘isso’ de bifinho, lá de onde eu venho bife é outra coisa, eu hein!”. Pensei em como era “deseducativo” chamar um troço que nem alimento é com o nome de uma comida que – de fato – existe.

Observei os dois pratos: o da mulher tinha folhas verdes variadas e arroz integral com cenouras e ervilhas. Um bife de verdade acabara de pousar no prato naquele mesmo momento. A seguir, uma porção de brócolis e couve-flor cozidos no vapor recém chegados ao prato era regados com azeite de oliva (extra virgem, dizia o rótulo!).

– Também quero couve-flor! – ouvi a voz da menina vindo mais da frente e fiquei surpresa com uma porção de batata sorriso sendo esparramadas num prato com arroz branco e empanado de frango.

– Um pouquinho de feijão, pelo menos… – já dava para ouvir uma pontinha de sentimento na voz da menina. Mas pode ter sido minha imaginação, porque a minha vontade era de chorar mesmo.

Depois de uma porção generosa de batata frita servida no lugar do feijão a dupla se dirigiu rapidamente para a balança, me deixando para trás dividida entre a vontade de mandar a mulher “pensar no que ela acabara de fazer” ou preparar um prato de comida de verdade para a menininha.

Mas decidi cuidar da minha própria vida e servir a mim mesma de couve-flor, bife e um pouquinho de feijão em homenagem à menina. Fiquei fazendo a contabilidade dos carboidratos simples e das gorduras da pior qualidade: dois tipos de batata, ambos fritos, e o empanado faziam o arroz mesmo branco morrer de vergonha.

Avistei as duas numa mesa bem no caminho para a minha e pude ver a menina com o garfo a sequestrar uma couve-flor do prato da mulher. Andando lentamente consegui ouvir o que se seguiu da tentativa de rapto.

– Come a sua comida, amor! – pede a mulher com uma doçura suficiente para saber que ali havia amor.

– Mas eu não queria batatinha… – responde cruzando os braços.

– Seu prato tá cheio de comidinha de criança, meu amor, come…

– Ah, vovó, eu não queria essa comidinha, não… – quase chorando e partindo o meu coração.

– Tá bom, toma pelo menos a coca. – resigna-se a avó com a voz entristecida.

 

***

Pela primeira vez na história da humanidade, as crianças com dentição completa comem algo diferente dos adultos. Agora temos linhas enormes de produtos “marketados” para criança. São produtos elaborados especialmente para encantar: personagens nas embalagens, formatos diferentes, desenhos, brindes e toda uma sofisticada linguagem verbal e não verbal especialmente criada para fisgar crianças e adultos na tese de que produtos “marketados” para criança são mais adequados para crianças do que os produtos regulares, ou que a comida de verdade.

Tenho diversas hipóteses para tentar alcançar o raciocínio de uma adulta que decide não escutar uma criança, ignorar a sua vontade e oferecer um produto de pior qualidade do o desejado: ora, a menina queria bife, feijão e couve-flor e ganhou empanado e dois tipos de batatas fritas:
1. A avó gosta destas tranqueiras e não pode comer por causa do colesterol e decide que a neta deve comer enquanto pode?
2. A avó discorda da rotina alimentar saudável “imposta” pela mãe e pelo pai e decide ser importante “dar uma folga” a tanta saúde a mostrar o “labo bom” da comida?
3. A avó foi levada a acreditar que existe um tipo de comida especial e boa para criança?

Eu escolhi analisar o contexto e olhar para esta adulta com mais condescendência. Prefiro acreditar que ela está imersa num sistema que nos cega, que anula a boa informação que temos (e ela tem, vide a escolha das comidas no seu próprio prato) e o bom-senso, nos fazendo chafurdar na falta de reflexão e na repetição de pensamento que temos apenas por hábito.

Acredito comprou a tese defendida pelo marketing dos produtos feitos para crianças de que a comida que ela colocou no prato da neta deveria ser diferente da comida para adultos que ela colocou no próprio prato. Ela foi levada a acreditar que faria a sua neta feliz em poder comer coisas feitas especialmente para criança. Ela foi levada a acreditar que não havia mal maior em servir a uma criança aquele produtos. Ela fez uma conta e decidiu comprar a ilusão de estar fazendo a sua neta feliz.

***

– Mas eu não tomo coca, vovó!

***

A cena descrita acima é real. Aconteceu em meados de 2013, no restaurante que fica embaixo da marquise do Parque do Ibirapuera: eu tenho testemunhas. As companheiras do Milc que almoçaram comigo no intervalo de uma reunião sobre infância e consumo da Rebrinc.

 

Nota da editora: o Mamatraca tem diveros textos sobre Consumo&Infância. Confira: http://mamatraca.com.br/?theme=23 

(*) Mariana é mãe de dois, publicitária e mestre em políticas públicas. É autora do blog materno viciados em colo e é cofundadora do Milc. Mariana faz regulação de publicidade em casa desde que a mais velha nasceu e acredita que um país sério deve priorizar a infância, o que – entre outras coisas – significa disciplinar o mercado em relação aos direitos das crianças. viciadosemcolo.com


Tags:  alimentação infantil alimentação saudável alimento infantil

Bookmark and Share




Previous Post
Grifes e autoestima
Next Post
O enterro dos brinquedos ou o resgate da infância?



Mariana Sá




You might also like




6 Comments

Sep 26, 2014

Fiquei chocada!


Sep 27, 2014

Eu ficaria chocada…. se não passasse diariamente por esse tipo de sabotagem.


Sep 28, 2014

Sou nutricionista e já vi muitas cenas dessas. Principalmente no MC Donalds. Crianças ainda com dentinhos nascendo comendo MC lanche “FELIZ”. Fico arrasada e ao mesmo tempo preocupada com as escolhas que os pais, avós, têm feito para seus filhos, netos. Afinal, a nossa sociedade está cada dia mais obesa e doente. Parabéns pelo seu texto!


Oct 10, 2014

Nossa, to impressionada, não pelo absurdo da cena, mas por já ter presenciado. Uma vez estava no supermercado em uma parte que funcionava um café. Apareceu uma avó com um menininho, o menininho dizia: – Vó, quero um iogurte. E a avó prontamente: – Iogurte não, tu tem que lanchar comida de verdade. Pensei, que bom, ela vai comprar algo mais saudável que iogurte, já que a maioria dos iogurtes tem açúcar. Logo a avó sugere que o menino escolha algo entre os salgados, onde todas as opções eram fritas, TODAS! O menino contrariado escolhe alguns risoles e a avó compra, e ainda encerra dizendo: – E vê se tu come, se a comida voltar de novo na tua mochila eu não mando mais nada! O menino nem estava querendo algo muito saudável levando em conta a qualidade dos iogurtes de frutas oferecidos no mercado, porém, a opção considerada pela avó “comida de verdade” era uma opção tão ruim ou pior. E o pior é pensar que diariamente a avó compra aquele tipo de comida para mandar na lancheira da criança, que não come e ainda é repreendida. Eu era proibida de tomar refrigerante pelos meus pais, radicalmente proibida, e a minha avó nos oferecia coca escondida deles. Quando eu dormia lá, inclusive, ela me oferecia coca naquelas garrafinhas de 700ml nas quais ela encaixava um bico de mamadeira! E eu sempre podia ver os programas que passavam bem tarde na TV. Hoje em dia eu entendo porque na casa da avó eu ficava acordada até ver o Jô, a base de coca qualquer criança fica sem sono. A lembrança até não é ruim, era um tipo de aventura que eu vivia, porém, o vício da coca ficou! Acredito que o que falta é informação, ou o excesso de informações erradas que esses produtos “para crianças” passam.


Oct 14, 2014

Infelizmente ainda são poucas as pessoas que se preocupam com estas questões. Ainda não tenho filhos, mas, me preocupo muito com o consumismo que nos consome e o mercado que dita os hábitos “saudáveis” e ideais. Há pouco tempo presenciei uma cena onde a mãe almoçava um prato cheio de salada e o filho um MC lanche feliz. É revoltante e mais comum do que deveria ser.


Oct 21, 2014

Sem comentários… “Mato um leão a cada dia” porque tenho filha de cinco anos e as pessoas (familiares) não entendem porque ela não come as “comidas de crianças”. Minha filha ama comer no Delírio Tropical! E detalhe: um lugar que vende saúde, o prato de criança é bife, feijão, arroz branco (até aí tudo bem!), farofa e batata frita. Não consigo entender isto!!! Cadê a salada??? Delírio não é um restaurante de saladas?
Minha filha não come o prato de criança lá. Ela ama ir lá porque tem arroz integral (que não faz parte do prato infantil), salada de legumes in natura (sem molhos e sal), feijão delicioso e um bife de filé grelhado.
Conversando com o rapaz do caixa no restaurante do Rio Sul, ele disse que várias pessoas já questionaram este prato dito de criança, porém os sócios não chegaram a um consenso sobre o prato infantil, porque o que se chama de prato de criança vende mais pras crianças do que se fosse mais saudável e eles perderiam o público adulto (no caso os pais da criança) porque o filho não comeria lá.
É triste ver isto…



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Grifes e autoestima
Nota da editora: o texto a seguir fala do consumo de grifes por pessoas em geral, mas não é difícil traçar um paralelo...