livros e filmes / 14 de novembro de 2014

Boxtrolls

Textos especial para o Milc de Dani Brito e Vanessa Anacleto*

Não existe prazer maior para quem vai ao cinema do que entrar numa sala sem saber o que esperar e ser alegremente surpreendido. Foi assim no caso de Boxtrolls. Alertamos porém, que para desfrutar deste prazer, precisamos nos livrar um pouco da estética Disney, tão impregnada em nossas retinas – nada contra, mas que as vezes pode prejudicar a visão de algo diferente. Boxtrolls é o terceiro filme da produtora Laika, depois de Coraline e o Mundo Secreto e ParaNormal, em stop-motion*. Pode parecer sombrio. Provável até que seja. Então, vá lá:  Boxtrolls é uma animação sombria para crianças que merece ser assistido. Não é todo dia que um filme infantil, de uma produtora dirigida pelo filho do presidente da Nike, diz com todas as letras que coisas não nos definem.

No filme, A cidade de Ponte Queijo vivia aterrorizada pelos boxtrolls, criaturas do subterrâneo. Todos na cidade acreditam que os Boxtrolls   são muito perigosos, a ponto de roubar e devorar crianças. A crença da maldade dos Boxtrolss começou há anos com o sumiço de um bebê e mais tarde descobrimos como ele foi parar nos subterrâneos, ganhou o nome de Ovo e foi criado pelo Boxtroll Peixe. O personagem Surrupião – o exterminador de pragas- e Boxtrolls –  da cidade, se encarregou de impor um toque de recolher e espalhar o medo entre os cidadãos. Surrupião não é bonzinho e todos os seus atos tem motivação na conquista de status.

Em uma aventura humana e divertida, o filme discute valores e a verdadeira razão para as ações dos personagens. Surrupião deseja um chapéu branco que lhe conferirá a entrada num clube seleto, a pobre menina rica Winnie só quer ser amada e Ovo, está em busca da sua verdadeira história. Boxtrolls é uma crítica social muito refinada, com direito a diálogos filosóficos a partir das ações dos próprios personagens e sobre a dualidade entre o bem e mal que fariam Zaffaroni e Galeano aplaudir, somando-se a isso muita ação e humor. O protagonista nos dá uma aula de resistência para vencer a opressão. Ah! e não saiam da sala quando o filme parecer acabar. A última cena, que aparece durante os créditos, é fantasticamente incrível.

Clique aqui para informações e  fotos do making of em stop-motion ( link em inglês)

* Dani é mãe de dois. Graduanda no curso de Direito, prometeu não se deixar contaminar pela ala conservadora e fugir do senso comum. Aprendeu a encarar a maternidade como ato político, usando do pressuposto que tem de gerir e potencializar o seu bem-estar para fazer escolhas e responsabilizar-se por elas. Por isso, acredita numa maternagem com afeto, responsabilidade e ética. É autora do blog materno Balzaca Materna. www.balzacamaterna.com.br

* Vanessa é mãe do Ernesto, blogueira e autora do livro Culpa de mãe. Por causa disso tudo, ajudou a fundar o Milc e luta por um futuro sem publicidade infantil.é escritora, blogueira no Mãe é tudo igual. Além disso tudo adora cinema.

 


Tags:  #recomendamos cinema filme recomendamos

Bookmark and Share




Previous Post
Consumo, qualidade de vida e saúde
Next Post
Criança: cidadão ou consumidor



Mariana Sá




You might also like




0 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Consumo, qualidade de vida e saúde
Texto de Ana Claudia Bessa* Ligar vida moderna, consumo e doenças não é difícil. Muitos estudiosos, pesquisadores...