criança e mídia / maternidade / 10 de junho de 2015

A lógica das crianças

Texto de Joyce Guerra Jobis*

A lógica da Mariles me impressiona.
Contava para eles aquela história do chefe de aldeia que sempre dizia “depende”, quando as pessoas diziam “azar” ou “sorte”. Vocês devem conhecer.

Era uma vez uma aldeia onde só havia um cavalo para uso geral… E esse cavalo fugiu. Os aldeões falaram: “que azar!” e o chefe falou: depende…
Então foram todos atrás do cavalo. Quando o encontraram, ele estava junto de mais outros dois cavalos selvagens. Então os aldeões trouxeram o cavalo fujão, mais ou outros que haviam encontrado. As pessoas disseram: “que sorte!” e o chefe da aldeia disse: “depende”… Então o filho do chefe da aldeia quebrou a perna, tentando domar os cavalos selvagens. Todos disseram: “que azar!!” e o chefe disse:depende…
Mais tarde, todos os homens saldáveis da aldeia foram convocados para a guerra, menos o filho do chefe da aldeia, que estava com a perna quebrada. “Mais que sorte!” disseram todos.. E o chefe disse: “depende!”

Terminada a história, fomos conversar sobre e a Mariles soltou:
– Tudo começou a dar errado quando eles levalo aqueles cavalos pa aldeia… Sabe puquê? Eu vou dizer: puque o cavalo não era deles. Dá tudo errado, se a pessoa tentar pegá aquilo que não é dela.

Diminuir o tempo de tela ao máximo foi a coisa mais maravilhosa e mais desafiadora que fizemos. Sempre foi pouco, mas agora é menos ainda…
Desde então, meus filhos passaram a ter algo que estavam perdendo: curiosidade.
É que essa história de ver tudo prontinho, na tv e nos jogos, estava roubando deles o sabor da expectativa, a doçura da descoberta do mundo a sua volta.
A moda agora é me pedir para colocá-los sobre a janela – e haja coluna para bancar!

Eles ficam de pé no parapeito e começam a se extasiar:
– Olha, eu estou vendo o outo lado do mulo!!!
– Eu tou gandão, do camanho do teto!
– mamãe!!! mamãe!!! eu estou vendo uma coluja!!! Mas uma coluja de vedadeeee!!!
– Mamãe, se eu fosse grande, sabe que que ue fazia? Pegava todas as cadeiras, todas as escadas do mundo, pa pegar a lua!
– Mamãe, bota eu da ota janela?
– Mamãe, precisamos visitar a casa dos nossos amigos pa pedir pa subir na janela deles, pa a gente poder ver que da pa ver dos quintais das casas deles!
– Se eu subir no telhado, posso queimar o dedo no sol?
– Mamãe, um dia, eu vou vilá estela.. E vou ficá mandando bebezinho pala todas as mamães que querem bebês. Elas vão dizer: “quelo um bebÊ!” e eu vo dizêr: você tem calinho? E vou mandar um bebezinho pa barriguinha delas. Por isso eu tenho que ficá aqui, bem no alto, pa sabê o que as mães tão pedindo.
– Mamãe, se a gente ficar bem quietinho, A gente vai ver quando Deus passar por aqui?
– Mamãe, por que todos os passarinhos do mundo estão naquelas avres?

Imagem da web

(*) Jobis é mãe de Estêvão, Mariles e Cristóvão. Cega total, é ativista pelos direitos das pessoas portadoras desta deficiência, bem como da criação baseada na não-violência e no consumo consciente.


Tags:  curiosidade educação imaginação proteção à infância telas

Bookmark and Share




Previous Post
Procura-se uma escola que saiba dizer não - a saga
Next Post
A liberdade de expressão: para anunciante, apenas não



Mariana Sá




You might also like




1 Comment

Jun 11, 2015

Puxa vida, excelente. Eu tenho tentado cortar telas aqui. Ipad já voou pela janela, graças a Deus. Outro dia fiz uma viagem de 5h (moro no México e sei que há muito pra aprender aqui) e meus filhos (10 e 6) ficaram 3h papeando comigo, jogando adivinhas e vendo o mundo pela estrada. Mas quando eu digo pras pessoas que vou tirar a televisão, muitas dizem que estou ficando louca. Obrigada por compartilhar o texto. Um abraço.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Procura-se uma escola que saiba dizer não - a saga
Texto especial para o Milc de Anne Rammi* Entro na quinta escola que fui visitar. Meu filho (que nasceu ontem) vai para...