destaque_home / publicidade infantil / 10 de julho de 2015

Tem como prevenir que meu filho pegue consumismo?

Texto especial para o Milc de Anne Rammi*

Do dia em que nasce até os dez anos, a criança brasileira será vacinada pelo menos 50 vezes contra doenças desde benignas como a rubéola ou doenças ultra comprometedoras como a poliomielite, felizmente erradicada no Brasil graças às campanhas de vacinação. Repito: uma doença erradicada, um grupo vulnerável protegido, um ganho social em material humano, graças à uma política pública eficiente: vacinação.

Imaginem se o consumismo fosse uma doença*. Como um vírus que pega um corpo sadio e começa por dentro a agir por conta própria, causando danos que podem variar de manchinhas na pele à insatisfação crônica. Passando por obesidade, estresse familiar, comprometimento de renda, más práticas de consumo, falta de critério para fazer boas escolhas…Você não ia querer proteger o seu filho dessa doença?

Uma política pública que combate o consumismo na infância agiria como uma vacina**.
Para proteger a infância. De uma doença terrível, que compromete não só o indivíduo, como o bem estar global, de ambiente à sociedade. Hoje, o mercado de publicidade infantil se comporta como um vírus, amplamente espalhado por cada corredor de supermercado, cada anúncio na TV. Sem nenhuma vacina, ou seja, nenhuma regulação ou política pública que vise conter o vírus, tudo o que ele faz é espalhar. E pegar mais “consumidores”. E aumentar o “alvo”.

Agora, imagine que seu filho, junto com um grupo enorme de crianças, pegou uma doença para a qual não existia vacina.
Nenhum órgão público se mobilizou para criar algo que os protegesse. A ciência não se preocupou, a escola dele nunca te mandou um email para dizer que havia um surto. É culpa SUA que ele ficou doente? Você conseguiria protegê-lo, sozinha, de todo e qualquer vírus do ambiente para que jamais contraísse aquela doença?

Ele vai pegar.
Você pode fazer um bom trabalho. Um grande esforço com alimentação. Ser um primor de higiene e ainda, um modelo de disciplina, falando todos os nãos na hora certa, de modo a sempre favorecer o crescimento sadio da sua criança. Você jamais conseguiria proteger seu filho de um vírus que está em todos os lugares que ele circula. Ele vai pegar.

Pois hoje, nosso cenário é esse. Existem políticas públicas que protejam as crianças contra a doença do consumismo? Não. Até existem projetos, textos, leis e tal. Mas nada está efetivamente sendo aplicado para erradicar o vírus. Parece até que é assim que preferem que nossos filhos fiquem. Doentes.

 

* A comparação entre consumismo e doença não é um devaneio da minha cabeça. Oneomania é a doença dos compradores compulsivos, e já atinge 3% da população mundial.
** Se não olharmos para a possibilidade da doença no indivíduo (afinal, pode ser que meu filho não pegue) o consumismo pode ser também encarado como uma doença ambiental. Os oceanos, por exemplo, recebem anualmente 8 milhões de toneladas de lixo plástico ao ano. Fruto de? É tanto consumo, que os países não tem onde colocar o lixo.



Nota da editora: A analogia entre política pública de regulação da comunicação mercadológica dirigida à criança com a vacina tem apenas efeito didático. Não acreditamos – nem nós, nem a autora do texto – que a vacinação seja a única forma de prevenção de doenças. Poderíamos fazer uma nova analogia: se, como no debate sobre vacinação, outras medidas fossem tomadas, se o ambiente estivesse saneado poderíamos abrir mão das intensas campanhas de vacinação, da mesma forma que poderíamos abrir mão das leis de regulação da publicidade se estivéssemos livres de apelos abusivos por livre e espontânea vontade dos anunciantes.

 

(*) Anne Rammi é mãe de dois e especialista em nada. Artista plástica por formação, pinta, borda, canta e sapateia. Tudo mais ou menos. Divide sua experiência de mãe e curiosa dos assuntos que cercam a criação de filhos na internet desde que eles nasceram, com abordagem bem humorada e ranheta, como lhe é peculiar. É editora do Mamatraca, um portal de conteúdo materno independente.www.mamatraca.com.br


Tags:  políticas públicas proteção à criança proteção à infância regulação da publicidade

Bookmark and Share




Previous Post
Fidelização infantil não existe
Next Post
Comida na escola: inspirações para lancheiras, cantinas e refeitórios - caso 2



Mariana Sá




You might also like




0 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Fidelização infantil não existe
Texto especial para o Milc de Anne Rammi* NÃO? olhem ao seu redor e vejam a quantidade mulheres adultas caindo de amores...