publicidade de alimentos / 9 de setembro de 2015

Kids-Graça: #chegounaredação

Texto especial para o Milc de  Anne Rammi *

Por favor liguem o modo ironia. Se não puderem lidar com escárnio, saibam apenas que biscoito recheado é uma opção ruim para a alimentação de crianças, e voltem outro dia! 🙂

***

Tem biscoitinho insalubre chegando nas mídias maternas de todo o país! #TodasComemora!

Se existisse uma escala de classificação de biscoitos, numerada de zero a dez sendo 0 uma boa opção e 10 uma opção medíocre, qualquer mãe ou pai fora de um estado de coma profundo poderia afirmar que os biscoitos de modelo recheado estão em algum lugar entre 11 e 45.

Você pode confirmar a veracidade dessa informação aqui, aqui e aqui, não vamos nos alongar discutindo o produto, para dar espaço à nossa mais nova e deliciosa especialidade: questionar as mecânicas da publicidade para produtos que não prestam.

Só a publicidade explica, como é que um produto com essa lista de ingredientes pode passar por “incentivo ao desenvolvimento infantil”. Veja o que levantamos do lançamento da velha receita com açúcar e sem afeto (nem vergonha) e fique de olho. #MilcAlerta #CiladaMamãe

Captura de Tela 2015-08-31-19.45.45

CRIAÇÃO DE CAMPANHA CHEIA DE BOAS INTENÇÕES

Já não é mais possível apenas criar uma fórmula cheia de açúcar, colocar um personagem licenciado e mandar brindes para as escolas para promover o lançamento. Maldito Conanda! Cada vez mais, as agências tentarão criar campanhas elaboradas, que aos olhos dos mais escaldados, são uma distorção absurda da realidade e das necessidades das crianças.

Mas para a maioria dos pais da nossa geração, que passaram a vida brincado de Stop, o biscoitinho é um resgate de um tempo feliz! Ou seja, comunicação publicitária direta com a criança que existe em cada pai e mãe. Batata!

Baseados então na premissa de que é importante construir amizades, vamos propagandear nosso novo produto como um grande aliado de pais e mães na educação dos filhos, para além de suas memórias de infância!

Nós aqui, gente mal humorada, chata e livres de corante caramelo, já vimos que a publicidade quer ser fonte de informação. Que a publicidade quer ser fonte de emoção. E aqui está a prova de que quer ser também fonte de educação.

ha-ha-ha

CELEBRIDADES PROFESSANDO O ARGUMENTO DA MARCA

Lá no instagram, Adriane Galisteu mostra uma atividade super lúdica com seu filho. Pegar um biscoito que tem uma letra estampada e pensar em nomes de frutas, tudo em nome do mote da campanha: estimular o desenvolvimento. Uau! Ainda bem que existe esse biscoito, como mais poderíamos fazer essa brincadeira? Notem que mãe e filho se divertem enquanto ingerem o Triestarato de Sorbitana de cada dia.

Na onda de transformar brincadeira em argumento de venda, queremos deixar nossa sugestão também, claro! E vamos da mesma forma que a indústria, distorcer conceitos, já que isso é tão divertido. Cada vez que eu comprar um Kids_graça pro meu filho, vamos juntos nomear as doenças!

_BISCUIT

Com “D”: Diabetes!
Com “H”: Hipertensão!
Com “C”: Cáries!

Vale lembrar que Adriane Galisteu está meio caidona no quesito potencial-celebridade-style-luxor, mas é mãezinha famosa. E quanto será que ela cobrou para fazer esse papelão com o filho em seu instagram, propagandeando a bolachinha? Porque tem mídia materna fazendo pelo preço do pacote: R$ 1,75.

PS: Nivea Stelman andou se instagramando com o filho também.

ENVIO DE BRINDES PARA GERADORES DE MÍDIA ESPONTÂNEA

Captura de Tela 2015-08-31-20.04.45

 

Aparentemente a Bauducco está muito preocupada com a qualidade das brincadeiras das crianças. Então as blogueiras receberam não só o produto, com o release repetido por todas “para aprender a dividir biscoitos e somar amigos”, mas uma cartilha e um CD que explicam melhor todo esse desafio. O desafio de…de… fingir que bolacha recheada é oportunidade de socialização.

Convenhamos, no mundo real amigos dividem abraços, momentos, espaços. Quem quer dividir gordura vegetal comigo não é meu amigo, não: obrigada, passo! Mas, se a Bauducco está nessa vibe de divisão mesmo, não me importarei em receber uma fatia dos seus lucros que tem previsão de triplicar nos próximos cinco anos, e chegar em 280milhões ao ano, vendendo-Biscoito-Que-Faz-Mal.

CRIAÇÃO DE CANAIS PARA A CAMPANHA

O biscoitinho surge como uma alternativa para o lanche das crianças. É nítido que quer invadir as escolas, que jamais questionaram uma bolacha recheada simples. Imagina se ousariam professar contra um recurso de aprendizado tão incrível “que vem com picote no meio para facilitar a divisão entre os amigos”.

Na estratégia de convencimento de mães, educadores e consumidores em geral do produto, o lançamento da porcarizainha contempla um canal no instagram. Surfando na viagem psicodélica de que estão de fato, não vendendo fermentos químicos com farinha, e sim criando um Movimento! Um movimento!

Para reforçar o movimento “Amigo K!DVID”, a Bauducco também criará um perfil no Instagram intitulado “@KIDVIDBauducco”, com conteúdo inédito para ajudar as mães a elaborar novas brincadeiras para os filhos. As dicas mostrarão como utilizar o biscoito nas atividades, contar histórias de consumidores em cartoons e exibir uma websérie exclusiva com personagens reais que mostram a importância da relação de amizade e aprendizado entre crianças de várias faixas etárias.

Nossa, imperdível!

***

Quando você oferece esse biscoito para seu filho, você não está estimulando a amizade, ensinado a dividir ou fazendo qualquer outra coisa lúdica pseudo pedagógica. Você está permitindo, e pagando por isso em dinheiro, que ele ingira as substâncias da composição. Com isso, existe a criação de um hábito alimentar não sadio. Além disso você gera lucro para a empresa e valida que produtos como esse continuem sendo lançados.

Se você é uma mídia materna relevante e está propagandeando o lançamento pelo custo do brinde, você está sendo enganada pela indústria. Simples assim. Se por outro lado, tem cachê rolando, esperamos que ele seja gordo como o cachê da Galisteu. Porque se for gordo como o biscoito, que é gordura hidrogenada, faz mal demais, entope as veias e prejudica a saúde de todo mundo. Não desejaríamos isso para ninguém.

Antes de postar pense nos perigos da gordura hidrogenada para a saúde das crianças.

(*) Anne é mãe de dois e especialista em nada. Artista plástica por formação, pinta, borda, canta e sapateia. Tudo mais ou menos. Divide sua experiência de mãe e curiosa dos assuntos que cercam a criação de filhos na internet desde que eles nasceram, com abordagem bem humorada e ranheta, como lhe é peculiar. É editora do Mamatraca, um portal de conteúdo materno independente.www.mamatraca.com.br


Tags:  #chegounaredação #ciladamamãe #MilcAlerta alimentação infantil mães-mídia marketing de alimentos mídia e blogueiros mídia e mães blogueiras presskit publicidade de alimentos

Bookmark and Share




Previous Post
A Mercantilização do Carinho
Next Post
Suco, não, por favor!



Mariana Sá




You might also like




0 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
A Mercantilização do Carinho
Texto especial para o Milc de Vanessa Anacleto* ca.ri.nho s.m. - manifestação de desvelo, estima, cuidado O uso do apelo...