destaque_home / escola / publicidade de alimentos / 2 de dezembro de 2015

Comida na escola: inspirações para lancheiras, cantinas e refeitórios – caso 6

Texto de Roberta Ferec*

Eu tenho recebido muitas mensagens e comentários no Instagram de pessoas lindas and queridas querendo saber mais sobre a tal da escola na qual você-deixa-as-quiança-e-volta-pra-casa-de-feira-pronta. Então vou tentar cobrir as perguntas por aqui, assim quem sabe ajudo todo mundo de uma vez só, né não? O mais bacana é que a grande maioria me pergunta coisas, porque quer levar ideias pra escola dos seus próprios filhos, eu acho essa troca fenomenal. Chama-se MUDAR O MUNDO, bêjo estalado, sociedadjee.

Então, a pedidos:

A escola é pequena, privada, inclusiva e segue a pedagogia Reggio Emilia.

Desde a minha primeira visita eu percebi que a porta da diretora estava sempre aberta e que, a toda hora, entrava um bocado de pai e mãe pra falar alguma coisa. Perguntar alguma coisa. Dar pitaco em alguma coisa. Chorei de emoção porque, né? Esse é o sonho do tipo de categoria de mãe na qual eu desavergonhadamente me encaixo.

Também percebi, caminhando pela escola e conhecendo os projetos dos alunos, que a criança era parte importante da comunidade. Projetos de agricultura urbana, projetos de venda de ovos na feira. VEJAM: TODO UM SER HUMANO DE IMPORTÂNCIA. Aquilo já encheu meu coração de alegria.

E os pais, por sua vez, eram parte importante da escola. Do latim: não bastas pagaris. Tem que voluntariaris. E muito.

Aliás, a respeito de voluntariado: a relação entre a escola x pais, aqui nos USA, é um pouco diferente da relação pais x escola no nosso querido Brasil. Aqui é esperado que cada pai e mãe voluntarie na escola por um determinado número de horas. Na nossa escola, por exemplo, cada pai, mãe ou responsável tem que voluntariar por 20 horas/ano. Independente de trabalhar fora ou não. Não tem desculpa, trânsito ou tempo ruim. Você pode organizar a biblioteca, arrumar as-bagunça-tudo, passar um vidrex rs rs, ajudar com os preparativos da festa, fazer massinha, costurar ou dar umas aulinhas de yoga.

Outra coisa que eu percebi em minhas primeiras visitas é que a comida tinha uma importância surreal. Além de figurar nos cardápios espalhados pela escola, ela também fazia parte das aulas de arte, música e matemática. Era aluno pintando abacate, aluno pesando abóbora pra aprender física, aluno contando framboesa. Vi uma garota de 3 anos conversando atentamente com uma melancia rs. Em um mundo esquisito, onde perdemos a conexão com a terra, e onde muita criança não sabe a diferença entre cebola e espinafre, ver aqueles alunos tendo intimidade com a comida de uma maneira que transcende o ato de comer me impressionou de verdade. Eu achei aquilo de uma boniteza incrível.

IMG-20151111-WA0014

 

Aliás, a alimentação foi um dos grandes motivadores iniciais na escolha dessa escola. Comida simples e saudável. Ingredientes vindos, na imensa maioria, de cooperativas locais. A escola tenta utilizar orgânicos. Quando não é possível, ela baseia suas escolhas e prioriza a listagem dos “12 dirty” e os “15 clean”, uma lista que elenca quais frutas e verduras são mais ou menos afetadas pela agricultura não orgânica.

E pra quem perguntou como funciona isso de eu ir buscar criança e voltar pra casa com a feira de orgânicos devidamente feita, funciona assim. A diretora, que assim como eu é mãe de três, percebeu que as pequenas cooperativas locais tinham muita vontade de vender seus produtos para os pais. Porém, não tinham condição logística de entregar de casa em casa. A escola, então, disponibilizou o espaço para a entrega, uma vez por semana.

Na prática, eu compro os produtos pela internet na terça e, na sexta feira, quando busco as crianças, já pego minhas caixas de orgânicos. Fora frutas e verduras, os pais também podem comprar queijo, leite cru, carnes, ovos caipiras. Tudo de primeira qualidade e com preço excelente. E ainda melhor: ajudando os pequenos comerciantes, sem aumentar os já gigantescos lucros das grandes redes de supermercado.Tão simples, tão GENIAL.

IMG-20151111-WA0015

Ainda sobre comida: a escola também ajuda pais empreendedores e outras pessoas da comunidade que vendem alimentos em pequena escala. Montou um diretório onde podemos comprar pão, leites vegetais, geléias e outras delícias feitas por pequenos empreendedores. A entrega é feita na escola (e a escola não ganha um puto com isso, é desejo genuíno de ajudar.)

A escola vai mudar para um terreno maior no próximo ano. E os pais voluntários vão ajudar muito na mudança. Quando? No final de semana, bêjo Netflix.

Na nova escola haverá espaço pra plantar, a idéia é enveredar no caminho da sustentabilidade. Há muitas outras coisas acontecendo no campo comida/empreendedorismo, a mais fofa sendo as crianças vendendo kombucha e os ovos das galinhas da escola. Nhóim, compro todos, num guento.

IMG-20151111-WA0013

É tão bom quando os valores da escola refletem os nossos próprios valores, não?

Mas, olha. De tudo, se alguém me perguntasse hoje qual a coisa mais importante na escolha da escola, eu diria que é a tal da porta aberta da sala da diretora.

A abertura da escola para o envolvimento dos pais e o acolhimento das idéias deles. A escola deve evoluir, crescer, melhorar – seja por idéias próprias e transformadoras, seja por sugestões das crianças e dos pais. E acabou, dona escola. Vai ter pitaco, sim.

Neste mês, por exemplo, eu levei frutas e hortaliças pra escola, pra modo de fazer suco verde para os funcionários (porque eu sou a #loucadoliquidicador).

IMG-20151111-WA0016

Eu vinha estudando o poder das hortaliças de folhas verde escuras e estava DECIDIDA a fazer o mundo tomar mais suco verde rs. Desse encontro surgiu uma grande idéia: já que eu tenho todo o material pertinente, que é parte da minha grade de estudos, porque não organizar um workshop com os pais e professores? Suco de fruta todo mundo sabe fazer, mas e suco de hortaliças? E o que a ciência diz sobre eles? Tudo o que precisamos é de um bom liquidificador, frutas e verduras. Uma outra mãe ficou sabendo e se ofereceu a ensinar a fazer doces veganos. A escola nos deu carta branca e um super incentivo. E o workshop vai acontecer daqui um mês. Na escola, que é pra isso que ela serve, coreto?

Tenho pra mim que a questão da má alimentação na escola, principalmente na escola privada, passa muito mais pelo envolvimento dos pais e a disposição da escola em ouvir e acatar sugestões de quem a está contratando, do que qualquer outra coisa. Precisamos parar com a visão da escola apenas como prestação de serviço, onde pagou tá tudo certo. ´E preciso envolvimento real e irrestrito. Pais se reúnem. Material é pesquisado, impresso, distribuído. Sugestões são dadas, trocadas, pensadas, autorizadas. E mudanças são feitas. Não estou dizendo que mudanças acontecem da noite pro dia e nem que mudar paradigma é fácil. Mas também não deveria ser tão difícil.

IMG-20151111-WA0017

Nós vivemos em meio a uma epidemia mundial. De obesidade, câncer, doenças crônicas de toda sorte. Produtos alimentícios que estão nos adoecendo e alterando o nosso DNA. Isso não é pouca coisa. Precisamos de mudanças nas esferas que alcançamos, em nossas escolas, na nossa comunidade.

Temos que nos libertar desse pensamento de que “não adianta”.

“Não adianta falar com a diretora”.

“Não adianta conversar com outros pais”.

“Não adianta.”

“Não adianta.”

E investir em pensamentos de atitude:

“Vou imprimir isso aqui.”

“Vou imprimir isso ali.”

“Vou marcar uma reunião.”

“Eles vão ter que me engolir.”

 

Para ler outros caso, clique em #comidanaescola

Texto publicado anteriormente no perfil @piscardeolhos da autora, enriquecido com um debate pelo whatsapp, que teve a sua republicação autorizada. Imagens do acervo pessoal da autora. Apenas reproduzir mediante autorização.

(*) Roberta tem trinta e tantos, é mãe do fundão, daquelas que interrompem o pediatra quando ele está falando. Mãe de Noah, Luna e Gael, cada um nascido em um continente diferente. Em partos diferentes. De mães completamente metamorfoseadas, já que, na maternidade e na loucura, Raul Seixas tinha era razão. Hoje ela mora nos Estados Unidos e estuda nutrição, agricultura urbana e meditação transcedental. Fica sonhando em ter uns doze filhos, não porque a idéia de varar noites em claro lhe agrade. Mas porque a cada um deles que nasce, ela renasce. E se torna uma pessoa um cadinho melhor.


Tags:  #comidanaescola alimentação escolar alimentação saudável comida de verdade comida na escola publicidade de alimentos

Bookmark and Share




Previous Post
As crianças na mira da indústria do tabaco
Next Post
Quando perguntam se não é mais fácil educar que regular



Mariana Sá




You might also like




3 Comments

Dec 02, 2015

Achei lindo. Me motiva a bater na porta da diretora e mandar deixar aberta.
Mas me emocionou mesmo a pequena bio da Roberta. Com o tanto de filhos, com o tanto de mudanças e esse monte de amor


Dec 03, 2015

Estou emocionada! Meu bebe não vai para a escolinha, mas me arrepia pensar que em breve talvez tenha que coloca-lo. Seria ótimo se houvessem iniciativas assim por aqui. Enquanto isso, vamos seguir a ideia de “abrir a porta da diretora se ela não estiver aberta”.
E gostaria muito de saber mais sobre suco verde com hortaliças. Onde posso encontrar?
Obrigada


Mar 12, 2016

Oi Roberta. Também moro nos EUA e percebo esta noção de comunidade e ativismo por causas da saúde e direitos civis bem forte dentro da escola do meu filho. É uma escola primária pública que possui horta e também usa da agricultura local para abrir suas portas. Mas ainda assim vejo os péssimos hábitos do país refletidos nas lancheiras e aniversários. Certamente o exemplo dos pais no dia a dia é vital. Bem como a mídia tbem. É esta semana o Brasil tem um grande passo ao restringir a publicidade infantil. Torcemos que seja algo que chegue por aqui… um abraço…luciana



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
As crianças na mira da indústria do tabaco
Aconteceu dia 24/11 o evento de lançamento do relatório “As crianças na mira da indústria do tabaco” com palestra...