criança e mídia / destaque_home / 18 de março de 2016

Protejam as crianças

Texto especial para o Milc de Debora Regina Magalhães Diniz, Mariana Sá e Vanessa Anacleto*

Por favor, protejam as crianças. Os tempos estão difíceis. E até quem não se liga em política anda ligado para tentar entender os rumos dos acontecimentos que se sucedem tão rapidamente no cenário político e social Brasil de hoje. Os ânimos estão exaltados, o que já vimos acontecer muitas vezes na história do nosso e de outros países. Muita coisa está em jogo e as disputas estão em várias esferas.

Nosso movimento tem um objetivo bem delimitado. Lutamos para que a publicidade infantil seja regulamentada e para que a infância seja preservada do consumismo desenfreado, que transforma coisas em valores e pessoas em mercadorias. Qual a relação disso com a situação política atual? Nenhuma e toda. Nenhuma, o movimento continuará independente do desfecho da crise atual. Toda, as crianças estão, como todos, no meio da crise e elas precisam ser preservadas da violência verbal contida nos discursos de ódio, das palavras de ordem e da violência física, venham de que lado vierem.

E claro que a conversa é mais ou menos a mesma quando tratamos meramente de publicidade infantil: não dá pra colocar a criança numa redoma, numa bolha onde ela ficará livre de todos os acontecimentos políticos que presenciamos. Não dá, mesmo. Elas estão observando o tumulto e muitas estão perguntando o que está acontecendo. Não são crianças da década de 60 sem televisão em casa, que eram colocadas pra fora quando os adultos iam conversar. São crianças das gerações Z e Alpha, hiperconectadas, hiper informadas. São as nossas crianças.

Por que temos filhos? Porque cremos que o futuro há de ser doce e belo como nossos bebês eram da primeira vez que os pegamos nos braços. Nossos filhos são nossos sonhos mais preciosos. Vamos proteger nossos sonhos de futuro com toda nossa força. Não podemos deixar nossos filhos à mercê da violência física e verbal que estamos presenciando.

São as nossas crianças que herdarão o que fizermos desses dias. Nossas crianças precisam ser preservadas, protegidas, não dos acontecimentos em si, mas dos embates violentos e do ódio. Elas precisam de paz para crescerem e se transformarem em adultos capazes de construírem um futuro melhor e um país melhor. Por favor, protejam as crianças.

keepcalm

 

(*) Debora é mãe de três, cofundadora do Milc, cursou Letras e Semiótica. É doula e educadora perinatal há 10 anos. Atualmente vive no Vale do Paraíba e é uma das coordenadoras da Roda Bebedubem. É ativista e implicante com a sociedade atual desde sempre. Co-fundadora do Milc e membro da Rebrinc.

Mariana é mãe de dois, publicitária e mestre em políticas públicas. É cofundadora do Milc e membro da Rebrinc. Mariana faz regulação de publicidade em casa desde que a mais velha nasceu e acredita que um país sério deve priorizar a infância, o que – entre outras coisas – significa disciplinar o mercado em relação aos direitos das crianças.

Vanessa Anacleto é mãe do Ernesto, blogueira e autora do livro Culpa de mãe. Por causa disso tudo, ajudou a fundar o Milc e luta por um futuro sem publicidade infantil. É autora do blog materno Mãe é Tudo Igual e membro da Rebrinc.

 

 



Bookmark and Share




Previous Post
Carta aberta aos publicitários e anunciantes
Next Post
Escola é lugar de política? Sim ou não? E como?



Vanessa Anacleto




0 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Carta aberta aos publicitários e anunciantes
Texto especial para o Milc de Ana Julia Portela* Caros publicitários e anunciantes, Soube recentemente – através...