publicidade de alimentos / 19 de agosto de 2016

Açúcar, o novo tabaco?

Texto especial para o Milc de Mariana Sá*

Sempre que vejo filmes e seriados ambientados na década de 1950 fico perplexa com as situações nas quais o cigarro está presente. Imagino que as cenas procurassem ser fiéis às características da época, e o cigarro, assim como as roupas e mobílias, fazia, de fato, parte da rotina das pessoas, seja em casa ou no ambiente de trabalho.

Considero muito revelador que as pessoas olhem estarrecidas para aquele médico legal do centro comunitário atendendo grávidas e bebês em Call The Midwife, fumando um cigarro atrás do outro, ou para os publicitários que fumam o dia inteiro dentro do escritório em Mad Men e digam: “olha que absurdo nesta cena”.

O tabaco é uma droga lícita que há 20 ou 30 anos começou a ser alvo de políticas públicas contundentes para redução de consumo. Políticas que foram capazes de enfrentar um lobby poderosíssimo para incluir em seu bojo a regulação de comunicação. Aos poucos, fomos ficando intolerantes com o cigarro, o número de fumantes tem reduzido a olhos vistos ao longo das décadas e, felizmente, só vemos gente fumando ao atender paciente em cenas de filme de época. Ótimo!

A experiência positiva com as políticas antitabagistas alimenta a minha esperança em relação à publicidade de alimentos ultraprocessados, especialmente as dirigidas às crianças: tenho grandes expectativas de estar viva para ver meus netos estarrecidos diante das cenas de lanche e almoço em filmes ambientados do fim do século 20 e início do 21.

*  *  *

Já imagino a mim mesma, velhinha, meio gagá e nostálgica, decifrando, os comentários dos meus filhos e netos no almoço de domingo, lá pelos 80 e poucos anos, sobre o novo seriado ambientado nos anos 2010:

“Vovó, a comida era assim mesmo como está naquela cena do supermercado?”

“Que absurdo, as crianças tomavam um suco feito com um pó misturado na água… para mim isso é coisa pra comer na guerra ou no espaço… que horror!”

E no seriado vai ter uma cena que mostra uma criança assistindo um anúncio feito com música infantil e mascotes dançantes:

“Jura, mamãe? Eles podiam anunciar direto para as crianças??? Podia fazer propaganda pra criança?”

Depois passariam a comentar a cena em que uma família feliz toma leite achocolatado de caixa café da manhã e:

“Vovô, e as empresas podiam fazer propaganda ‘disso’?”

E eu responderia que sim… e acrescentaria, saudosa, que eu fazia parte de um grande movimento que passou a questionar a publicidade mercadológica dirigida às crianças e que era uma das engrenagens que movem a mudança de paradigma… Que nunca aceitei a autorregulamentação e que quando se podia fazer publicidade para criança, eu fazia boicote… Especialmente em relação às empresas de produtos alimentícios.

*  *  *

Enfim… estou aqui com meus dedinhos cruzados torcendo para que, o mais breve possível, o mesmo sentimento de perplexidade que temos hoje em relação ao consumo de tabaco no início do século aconteça também em relação à burrice atual em relação ao que comemos e anunciamos.

Quero que meus netos fiquem perplexos ao saber como açúcar era consumido por bebês e crianças em grandes quantidades e em situações rotineiras com lanche na escola, festinhas e sobremesas. Meus filhos lembrarão das próprias infâncias quando a oferta de açúcar era abundantes e estimulada. Torço para que falem da nossa falta de informação ou irresponsabilidade – nossa, dos adultos de hoje – como falamos da ignorância dos nossos avós e bisavós que fumavam em avião e na sala de espera dos hospitais.

Ao meu turno, fico perplexa e indignada, já nos dias de hoje, com a possibilidade das empresas que produzem porcarias comestíveis ainda se dirigirem as crianças no intervalo do desenho ou na prateleira do supermercado. E vocês, como se sentem?

 

Imagem da web.
(*) Mariana é mãe de dois, publicitária e mestre em políticas públicas. É cofundadora do Milc e membro da Rebrinc. Mariana faz regulação de publicidade em casa desde que a mais velha nasceu e acredita que um país sério deve priorizar a infância, o que – entre outras coisas – significa disciplinar o mercado em relação aos direitos das crianças.

Tags:  açúcar autorregulamentação comida de verdade produtos alimentícios x comida de verdade regulação da publicidade regulamentação ultraprocessados

Bookmark and Share




Previous Post
Eu cedi, me julguem!
Next Post
“Lilás, uma menina diferente”, livro de Mary E. Whitcomb



Movimento Infância Livre de Consumismo




You might also like




0 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Eu cedi, me julguem!
Texto especial para o Milc recebido por inbox com solicitação de proteção de identidade para não expor a criança* Conseguimos...