maternidade / 24 de julho de 2017

Ensinemos as crianças a serem feministas

Texto especial para o Milc de Emanuela Carvalho*

Em tempos de discussões – por vezes calorosas e repletas de desinformações – sobre o feminismo, vale refletir sobre a importância de ensinar as nossas crianças a serem feministas. E quando digo “nossas crianças”, é porque quero falar sobre meninas e meninos.

A ideia de educar uma menina para que seja feminista já pode assustar a quem ainda desconhece a premissa básica do movimento, que defende a igualdade de direitos entre mulheres e homens. “Mas isso já existe!” Pode pensar você. Não, definitivamente, não existe. As mulheres vêm conquistando espaço no mercado de trabalho, ganhando visibilidade, conquistando e mantendo direitos, mas tudo isso é fruto de lutas históricas, que às vezes nos deixam esquecer que nós não tínhamos o direito de votar, ao divórcio, ao estudo e a tantas outras coisas que hoje fazem parte do nosso cotidiano. Mas se é difícil para alguns criar uma filha feminista, o que diremos dos filhos? Se há tantos que pensam que eles precisam ser educados para serem Homens, com h maiúsculo! Isso significa que não podem e nem devem demonstrar fragilidade, sentimentos, vergonhas, fraquezas. Homens e força são palavras feitas para caminharem juntas, enquanto a mulher é ainda hoje considerada por muitos como o sexo frágil.

Educar crianças feministas não é uma tarefa fácil, afinal, faz parte da dificuldade imensa que é o processo educativo dos nossos filhos, seja em casa, seja na escola. E é justamente nesses ambientes em que elas aprendem, sim… aprendem a ser machistas ou feministas. Aprendem através do exemplo, do comportamento dos adultos. Os pais seguem o padrão machista de comportamento? As tarefas são divididas de forma que o pai seja sempre o provedor, mesmo que a mãe trabalhe fora de casa, e a mulher seja a cuidadora? As brincadeiras são sempre direcionadas? Meninos brincam de luta, de carrinho, de bola; meninas brincam de boneca, de casinha? É bem provável que sim! E no ambiente escolar o sexismo só se repete e acentua.

Então, partindo da ideia de que é difícil para você deixar o seu filho brincar de boneca, fazer aula de ballet – se ele quiser e mostrar interesse pela dança, ou deixar a sua pequena princesa jogar futebol, pensemos em alternativas para ultrapassar as barreiras construídas e ampliadas ao longo da história para oportunizar as nossas crianças que valorizem o respeito às diferenças e a cresçam sob a perspectiva de encontrarem um mundo onde as desigualdades entre homens e mulheres sejam cada vez menores.

Uma dica é assistir com as crianças a série Anne with an E, que traz de forma leve discussões importantes sobre vários temas, como a igualdade de gênero. Anne, a personagem principal, é uma menina feminista e traz, para além dos seus muitos sonhos, a esperança de que podemos sim, a partir da educação dos nossos filhos, desejar que os direitos iguais sejam realidade para mulheres e homens.

Há livros e tantos filmes e séries que mostram, através da prática diária, como ser feminista não é nenhum “bicho de sete cabeças”. O principal é que estejamos, nós adultos, convictos do que queremos ensinar às nossas crianças, seja através do nosso discurso, ou da forma que eles mais aprendem, seguindo os nossos exemplos.

 

(*) Emanuela Carvalho é professora e escritora, autora do livro ‘Antes feliz do que mal acompanhada’ – que traz relatos de mulheres que viveram relacionamentos abusivos, mas conseguiram se libertar. Escreve para o Estadão sobre temas ligados ao feminismo. O seu próximo livro será sobre mulheres em situação de cárcere. Contatos: emanuela.carvalho@gmail.com, Instagram: @emanu.carvalho e Facebook: Emanuela Carvalho


Tags:  educação feminismo maternidade proteção à criança

Bookmark and Share




Previous Post
Childfree  - Sobre como deixamos de simpatizar com os filhotes de nossa espécie
Next Post
Escolhas



Movimento Infância Livre de Consumismo




You might also like




0 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Childfree  - Sobre como deixamos de simpatizar com os filhotes de nossa espécie
“Mosteiro de São Bento, Rio de Janeiro. Domingo, 10 da manhã. Eu, que gosto muito de estar naquele ambiente grandioso...