escola / 4 de Março de 2018

Formaturas infantis – Era uma vez a Educação

Imagine seu filho impedido de participar da festa de formatura da educação infantil porque a família não tem condições de arcar com os custos? Ele poderá apenas sentar como convidado e assistir aos coleguinhas festejando. Esta semana recebemos o relato da leitora Maria ( nome fictício). Leia a seguir .


Olá, na verdade eu nem sei o motivo pelo qual escrevo. Talvez desespero de causa ou até esperança de uma instrução talvez…

Minha filha estuda em uma escola particular desde os três anos de idade. Sempre preocupei com a alimentação e a escola foi um probleminha nas minhas metas. O refrigerante, o chips e o exagero de bala ofertada como prêmio era demais. Tentei junto a escola introduzir uma alimentação saudável, oferecendo de todas as formas ajuda até mesmo com profissionais da área. Como era grande minha insistência a diretora me respondeu que a escola é de região de periferia e não poderia ela escolher lanche dos alunos, pois estávamos falando de pessoas de classe média baixa, como se a alimentação estivesse ligada ao poder aquisitivo diretamente.

Sabemos que às vezes isso acontece, mas meu objetivo era unir pais e escola para entender que a barata de saquinho pode ser substituída pela in natura, que refrigerante é cancerígeno e o mesmo valor compra limão para fazer um suco natural. Nunca consegui. A diretora e proprietária nunca se importou e me confessou que queria ser igual a mim mas é viciada em refrigerante, faz o consumo de uma garrafa por dia em casa. Por fim desisti,  e passei a trabalhar muito com minha filha essa questão sem ajuda da escola.

Além dos problemas com a alimentação a escola volta todos os eventos para o consumo, permitindo até mesmo a divulgação de revistas de personagens e sua comercialização no espaço escolar. Até mesmo nas festas típicas para as famílias terem direito a sentar e assistir as apresentações e necessário “comprar” a mesa. A escola trabalha com lista de material abusivo mais da metade dos da lista são proibidos pelo Procon, o uniforme só é vendido na escola, além de taxas extras como xerox.

Como se não bastasse, o acontecimento dessa semana foi a gota d’água. A turma da minha filha concluirá o ensino infantil, segundo período.  Para participarem da formatura foi cobrado o valor de 900 reais para cada aluno. Aquele aluno que não pode arcar com esse valor é excluído da participação. Não participa dos ensaios e muito menos da apresentação no dia, uma vez que ao invés de realizar a formatura em um auditório e ser rateado apenas o valor de locação do espaço, a formatura é realizada em um buffet infantil. Ou seja, se você não pode pagar o valor seu filho assuste os amigos a ensaiarem sem poder participar e não terão nenhuma recordação do dia, pois o evento tomou outros rumos, o que era uma festa de teatrinhos e danças folclóricas se tornou evento luxuoso com direito a anel de formatura e tudo mais.

Eu, sinceramente, estou em estado de choque, pois segundo esclarecimentos que pedi a escola os pais não poderiam sequer participar ou sugerir uma formatura tradicional. Seremos apenas convidados, segundo a diretora. Estou tão chocada que não sei qual atitude tomar, só sei que a escola de periferia vai fazer festa em um dos buffets mais caros da cidade. Infelizmente as crianças serão massacradas por não fazerem parte do mesmo nível social, e passarão por esse processo todos os dias até dezembro, dentro e fora da escola, nos ensaios e nas frustrações dos pais…. Nem sei se cabe aqui uma orientação mas foi o primeiro caminho que encontrei. Obrigada, Maria.

A resposta do Milc

Maria, bom dia. Difícil digerir seu relato. É revoltante. A direção da escola parece lidar como se prestasse serviços comerciais, não educacionais. Em primeiro lugar, não existe “formatura” de educação infantil. Estas festas são tradicionais em escolas particulares justamente para arrecadação de dinheiro das famílias. Uma cerimônia simples para marcar um fim de ciclo seria o suficiente, se tanto. Eles passariam muito bem sem tudo isso. Porém, ao optar por uma festa de alto custo a escola não poderia excluir alunos por causa de pagamento de cota de formatura.  São crianças muito pequenas para entender os motivos de não estarem com os coleguinhas na cerimônia. Acrescente-se que, mesmo universidades particulares ( olha o exemplo que te dou) fazem uma colação para todos ( já que todos estudaram e estão se formando ) e a festa acontece em outro lugar e apenas para quem participou da comissão de formatura.  No nosso modesto entendimento a atitude da escola viola o Estatuto da Criança e do Adolescente no art. 232 ( Expor criança ou adolescente a vexame ou constrangimento) É apenas nosso entendimento, claro que vale uma consulta a um advogado, defensor público ou até promotor da infância.

Agora nosso conselho, Maria: Se puder tire dessa escola. Não é um espaço onde exista preocupação com a educação e formação de um ser humano íntegro, é um caça-níqueis. Não sabemos como anda a educação pública na sua cidade, mas se houver escola pública bem cuidada perto de você , vale mais que pagar para ser submetida a este tipo de situação. Se você precisar de alguma orientação por aí nós temos uma amiga de uma instituição parceira nossa que luta na sua cidade pelos direitos das crianças. Seu relato é um soco no estômago. Se você autorizar gostaríamos de publicar sem identificar você e a cidade , pode ajudar muitos outros pais a verificarem que a escola que optaram não é parceira, pelo contrário é inimiga da família. Um forte abraço, estamos sentindo muito por vocês,

Vanessa

*imagem pedline.org.br

 

 

 


Tags:  #refrinaescola alimentação consciente alimentação escolar alimentação infantil cartas dos leitores consumismo contratos com escolas formatura infantil

Bookmark and Share




Previous Post
7 pistas para entender a parceria Milc-Mercur
Next Post
Carta a uma jovem mulher que ainda não nasceu



Movimento Infância Livre de Consumismo




You might also like




1 Comment

Mar 19, 2018

Tirei as minhas filhas da escola particular quando a mais velha fez 5 anos.

Há uma falsa ideia de que escola particular é melhor.

Não é.

Entupir as crianças de matéria não é ensinar. E cada vez mais vejo que os únicos valores com que estas escolas se importam estão estampados no nosso contracheque.

Minhas filhas estão numa escola publica desde então. Há problemas mas, pelo menos, os paissão mais mobilizáveis e a direção mais consciente.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
7 pistas para entender a parceria Milc-Mercur
"Como pôde o Milc, um movimento de mães para mães contra o consumismo e a favor da regulamentação da publicidade infantil,...