outros / 9 de maio de 2012

Expor uma criança a apelos de consumo cotidianamente é uma forma velada de coerção e abuso

por Dra. Telma Pileggi Vinha*

Sou favorável à restrição de propagandas dirigidas ao público infantil. Devido às características de desenvolvimento, as crianças não são capazes de compreender a complexidade envolvida nas decisões de consumo, isto é, não são capazes de compreender as relações de necessidade, ilusão, satisfações momentâneas, lucro, trabalho e remuneração, valor do dinheiro, ganhos e perdas. Também são incapazes de compreender a relação entre consumo e impacto ambiental. Justamente por tais características, não se pode afirmar que elas têm poder de escolha no que se refere ao consumo, pois isto implicaria em análise dos fatores envolvidos, das possibilidades e das consequências das decisões, o que começa a ocorrer na adolescência. Até então, as crianças possuem condições apenas de compreender que não podem ter determinado brinquedo, por exemplo, tão somente porque os pais não querem ou porque eles não possuem dinheiro. Como as crianças têm dificuldades de regular seus impulsos, exigem-no como se, aquilo que se trata apenas de um desejo, fosse uma necessidade! E os pais acuados, confundindo o atendimento as satisfações imediatas com atendimento às necessidades reais dos filhos, acabam por ceder a tais exigências, muitas vezes contrariados ou abrindo mão de prioridades. Considero que expor uma criança a tais apelos de consumo cotidianamente sem que ela tenha condições cognitivas e afetivas para compreender e lidar com as questões envolvidas é uma forma velada de coerção e abuso.

 

(*) Docente da Faculdade de Educação da Unicamp e doutora na área de psicologia, desenvolvimento humano e educação, deu este depoimento como forma de apoiar a Comunidade Infância Livre de Consumismo.


Tags:  #publicidadeinfantil #publicidadeinfantilNÃO consumismo educação infância

Bookmark and Share




Previous Post
O texto do último substitutivo
Next Post
Publicidade infantil: proibir ou não?



Mariana Sá




You might also like




0 Comment

May 10, 2012

Concordíssimo e adoraria escrever mais do que isso, mas vc já disse tudo!


May 24, 2012

Eu concordo que é uma forma de coerção e abuso e desejo que seja regulamentada a publicidade infantil, como forma de proteger aqueles que não têm como fazer decisões de compra, sem dúvida. Acho que publicidade dirigida a crianças tem que ser tratada como droga, cigarro, etc. É prejudicial e ponto!
Por outro lado, me pergunto: por que os pais ficam acuados? Por que se endividam, se abstêm de outras necessidades talvez mais importantes, para comprar algo que sabem que é só um desejo passageiro?



Deixe uma resposta para Sandra Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
O texto do último substitutivo
por Mariana Sá Entre os substitutivos do PL 9521/2010, este é o texto que "gostamos", gostamos entre aspas, pois sabemos...