campanhas / 18 de julho de 2012

twitaço #infancialivre

Na segunda semana de julho, tivemos uma boa demonstração da omissão do Conar em relação aos direitos da infância: o caso da campanha do Parque da Xuxa que induzia crianças a se colocarem em situações de perigo. Julguemos a atuação do Conar em relação à causa da proteção à infância:

1. no dia 10 diversas mães usaram o caminho proposto pelo mercado e fizeram uma denúncia no site. Deixaram o feijão no fogo e o filho no carrinho, e foram ler atentamente no Código de Autorregulamentação Publicitária, se havia vedação àquele tipo de comunicação. Acharam não apenas um, mas dois artigos desobedecidos pelo Parque da Xuxa. E usando a regra em vigor, procederam a denúncia ao Conar.

2. no dia 12, segundo página do Conar, “o Conselho de Ética do Conar esteve reunido em sessão plenária na manhã de hoje, na sede da entidade, em São Paulo. Foram debatidas e votadas treze representações”, diz a notícia. Nenhuma delas teve relação com a denúncia feita pelas mães.

3. no dia 12, no entanto, segundo “a Fundação PROCON/SP notificou nesta quinta-feira (12/7) a empresa Lar’s Empreendimentos Ltda., responsável pelo Parque da Xuxa, para que retire do ar em 24 horas os filmes publicitários “Bate Bate”, “Montanha Russa”, “Splash” e “Parede de Escalada”, da Campanha “Diversão tem lugar Certo”, tendo em vista o seu potencial de induzir o público infantil a atitudes que gerem risco a segurança e saúde” (diz a notícia publicada na página do órgão).

Desde a indignação dos leitores na nossa fan page, até a suspensão do filme, passando por denúncias ao Conar e pela ação do Procon/SP, a campanha do Parque da Xuxa nos forneceu um exemplo bastante didático que explica porque pais, mães, cidadãos e o movimento social de defesa dos direitos da infância exigem que o Estado interfira na publicidade infantil.

Então quem você acha que é eficiente: a autorregulamentação ou o controle externo. Quem é mais rápido o mercado ou o Estado? Quem foi eficiente, o Conar ou o Procon? Quem tem interesse na proteção dos direitos dos cidadãos, as empresas, ou os órgãos públicos?

Para quem não sabe ou esqueceu o PROCON é o ESTADO!

Você, mãe, acha que o PROCON/SP invadiu o seu direito de educar seus filhos ou acha que a medida protegeu sua família?

Você, pai, acha que se os limites estivessem mais claros não seria mais viável para o Estado prover esta proteção?

Você acha adequado um órgão do mercado composto pelo mercado ser o responsável por promover proteção aos nossos direitos?

Será que o Estado é tão ruim ao ponto de preferirmos que a proteção da sociedade esteja sob responsabilidade dos que tem como missão lucrar?

Não foi ao Estado que delegamos o poder de fiscalizar e multar quem abusa da liberdade?

Nós achamos que as regras precisam mudar. E você o que acha?


Tags:  #infancialivre autorregulamentação conar twitaço

Bookmark and Share




Previous Post
Com a palavra, o responsável: Priscilla Perlatti
Next Post
Carta aberta aos organizadores do 16º Congresso Mundial de Ciência e Tecnologia de Alimentos



Mariana Sá




You might also like




0 Comment

Jul 18, 2012

Sou pai, não mãe, mas tenho o mesmo direito de opinar, não?
Acredito que seja um certo exagero nessa ação. é só uma peça publicitária, não está dizendo aos filhos para fazerem isso. quem tem que educar os filhos em relação ao que pode ou não fazer são os pais (e mães, né) e não vai ser um filminho publicitário q vá influenciar.


Jul 18, 2012

Quem diz que não é exagero é o Código de Defesa do Consumidor, tanto que a propagando foi rapidamente tirada do ar. O Código de Autorregulamentação Publicitária também veda este tipo de mensagem, mas a diferença entre o Procon e o Conar – quem tem competência para exigir obediência ao último – é que o Procon age e o Conar espera três meses para apreciar as denúncias. É disso que falamos aqui: da ineficiência de uma entidade. Portanto não é uma questão de opinião pessoal em relação aos fatos, mas de legislação sendo descumprida.

Concordo que podemos discordar das leis e é isso que estamos fazendo aqui. No caso, você acha que estamos exagerando, mas só estamos apontando como uma lei é descumprida, e como as entidades criadas para nos proteger funcionam (ou não!).

Outra coisa: o Estado e a Sociedade, não apenas os pais, têm deveres para com as crianças. Não basta o pai educar, não! É dever do Estado prover meios para que as relações onde existem fracos (nós!) e fortes (as empresas!) sejam equilibradas.

É um equívoco alimentado pela lógica individualista contemporânea achar que apenas os pais dão conta de toda a formação necessária para a cidadania. Outros atores precisam entrar nessa missão: escola, governos, empresas e, porque não?, publicitários.

Estamos atentos aos abusos e confiantes numa nova lógica de fazer comunicação, com mais compromisso com a cidadania!


    Jul 18, 2012

    Como diz o provérbio africano, “é preciso toda uma aldeia inteira para educar uma criança”. O processo tem que ser compartilhado. Sim, a palavra final deve ser dos pais e eles devem ser os principais responsáveis pelo processo, mas todos têm obrigação de respeitar a infância.


Jul 18, 2012

Debater é mostrar o ponto de vista dos dois lados. Vocês querem gerar um debate ou um multirão de comentários e twitts a favor da opinião do site?


    Jul 18, 2012

    Onde está o ponto de vista do outro lado? Quando não debatemos um ponto de vista do outro lado?



Deixe uma resposta para Silvia Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Com a palavra, o responsável: Priscilla Perlatti
Estamos amando um novo canal na tv a cabo - Disney Junior - e para ser mais perfeito, não tinha propagandas durante a programação....