publicidade de alimentos / 21 de fevereiro de 2013

Com a palavra, a nutricionista: Claudia Olsieski da Cruz fala sobre suplementos alimentares

Texto de Paloma Varón*

[Esta entrevista é a continuação deste texto, publicado na terça-feira, 19/2.]

Movimento Infância Livre de Consumismo (MILC) – O que a sra. acha de suplementos alimentares como o Sustagen Kids?

Claudia Olsieski da Cruz – Suplementos alimentares são, na maior parte das vezes, dispensáveis. Uma alimentação balanceada e equilibrada consegue fornecer, de maneira natural, todos os nutrientes de que necessitamos diariamente.

MILC – A sra. acha que produtos como estes, ainda mais da forma como são anunciados, podem contribuir para a “epidemia” de obesidade que começa a se alastrar pelo Brasil?

COC – Sem sombra de dúvidas! A própria Organização Mundial de Saúde (OMS) já vem apontando o marketing de alimentos como um dos fatores responsáveis pelo elevado número de casos no mundo inteiro desde 2002.

A publicidade se utiliza da fragmentação de ideias. É um pedacinho do cotidiano que é mostrado; por exemplo, um filho que não quer comer frutas e legumes e uma mãe desesperada com isso. Totalmente plausível. Qual a solução para o problema? Um produto que teoricamente substitui as frutas e legumes, e ainda por cima é mais gostoso. Simples assim. Só que nossas vidas estão mergulhadas em inúmeras redes, relações, sentimentos, preocupações e necessidades, e apenas aquele pedacinho mostrado na publicidade não representa nossa vida toda. Mas essa reflexão não interessa à publicidade. Não é à toa que os comerciais duram apenas 30 segundos. Quando você começar a pensar sobre o assunto, já estará sendo bombardeado pelo próximo anúncio.

Por outro lado, também não significa que o fato de você ter visto o anúncio de batata frita vai torná-lo necessariamente obeso. É nisso que o setor publicitário se pauta para justificar que não está fazendo nada errado. Segundo o ponto de vista deles, a função do anúncio é vender. Se você faz uso exagerado e errôneo do produto, o problema é seu, e apenas seu! Ou pior, o problema é da mãe, que deixa o filho comer errado. É uma justificativa simplista que não exime a publicidade do panorama que encontramos na Saúde com os casos de sobrepeso e obesidade subindo vertiginosamente. Especialmente porque não é somente o anúncio de um produto, ele vem revestido de uma (ou várias) camada(s) de sonhos, aventuras, perfeição e felicidade. Quem não gostaria de viver eternamente num comercial de margarina? Se essas estratégias de valorizar o “ter” em detrimento do “ser” nos pegam, imaginem as crianças?

Logo, se por um lado temos nossa responsabilidade como pais com relação ao que nossos filhos comem, a publicidade também não pode se eximir de responsabilidade ao anunciar seus produtos de forma a “munir” as crianças com argumentos de convencimento para as compras. A indústria de alimentos também tem uma boa parcela de culpa por produzir alimentos com qualidade nutricional ruim. E o governo, que conta com pouquíssimas iniciativas em favor do consumidor, também precisa tomar a rédea da regulamentação da publicidade de alimentos. A “liberdade de expressão comercial” alegada pelo setor publicitário jamais pode se sobrepor ao direito à saúde e à informação da população.

MILC – Analisando o rótulo do Sustagen Kids, mesmo com toda a adição de vitaminas, dá para dizer que é um produto saudável? Quais os efeitos a longo prazo desse produto?

COC – A lista de ingredientes é obrigatória segundo a Resolução nº 259/2002 da ANVISA, que estabelece a questão da rotulagem de alimentos. O artigo 6.2 diz que a lista dos ingredientes deve estar em ordem decrescente de quantidade, isto é, o primeiro ingrediente é o que está em maior quantidade, e o último tem a menor quantidade na porção. E adivinhem qual ingrediente encabeça a lista do Sustagen Kids? Sacarose. Sim, o bom e velho açúcar! Nos três sabores: morango, chocolate e baunilha. Em seguida, no sabor morango, vem o leite em pó desnatado instantâneo, a maltodextrina (outro tipo de carboidrato). Depois a lista prossegue com várias vitaminas e minerais adicionados quimicamente à fórmula, seguidos de um estabilizante. Você deve estar se perguntando: e o morango? O “corante artificial vermelho 40” e o “aromatizante” estão na fórmula para dar cor e sabor de morango.

Lembro que necessitamos de carboidratos em nossa dieta para o bom funcionamento do organismo. Existem diversos tipos de carboidratos, dentre eles o açúcar refinado (a sacarose da fórmula), que deve ter seu consumo restringido. Logo, se consumo mais carboidratos do que realmente necessito e não incluo nenhuma atividade física para queimá-los, a tendência é que eu os armazene no organismo. A médio e longo prazo, pode significar sobrepeso e/ou obesidade.

As demais vitaminas e minerais acrescidos quimicamente na fórmula estão amplamente distribuídos na natureza. Uma alimentação que contenha alimentos variados fornece toda a necessidade diária.

A rotulagem ainda contém uma distorção à qual normalmente não prestamos atenção: o percentual de valores diários recomendados (% VDR) é baseado em uma dieta de 2000 calorias, que é a recomendação para um adulto! Logo, aquele percentual que você vê em todos os rótulos, inclusive de produtos infantis, não é a recomendação para crianças! Essa é uma brecha na legislação de rotulagem no Brasil, então as empresas encontram-se perfeitamente dentro da lei quando declaram o %VDR. A recomendação para crianças é variável, de acordo com o sexo e a idade.

Fonte: http://www.sustagenkids.com.br/?gclid=CJirgM3U6LMCFQeynQod4xcAnQ#/conheca-sustagen-kids/informacoes-nutricionais

MILC – Como ensinar a criança a comer bem, para que não precise deste tipo de suplemento?

COC – Essa é a pergunta que todo responsável por crianças se faz, não é mesmo? Como competir com a mídia, com o mau exemplo do coleguinha da escola? Não depende apenas dos pais. Mas sem dúvidas o exemplo que está em casa está sendo minuciosamente observado pela criança. Se você quer que ela coma brócolis, coma você também! Alguns pais enchem o prato dos filhos de legumes e verduras, enquanto estão comendo empanados e batata frita.

Muitas vezes, apesar de todas as tentativas, de você comer tudo o que é recomendado dando o exemplo para seu filho, não adianta, nada convence o pequeno a comer também. Falo por experiência própria, pois meu filho de 8 anos recusa legumes (especialmente os verdes), apesar de eu e meu marido comermos diariamente. Daí é a hora de partir para o plano B: oferecer as hortaliças e frutas através de outras preparações. A recomendação é sempre pela forma in natura, mas podemos recorrer aos purês, mingaus, suflês, pudins, picolés, bolos e um arsenal sem fim que temos disponível. Mesmo adicionando açúcar e gorduras, sem dúvida será em uma quantidade infinitamente menor do que a encontrada em um produto industrializado.

sustagen

MILC – Qual a quantidade de frutas e legumes (e carnes e laticínios) que uma criança a partir de 4 anos (idade para o qual o produto é indicado, embora muitos pais deem antes aos seus filhos) deveria comer diariamente para obter as vitaminas necessárias?

COC – Nesta fase a criança já deve estar totalmente adaptada aos hábitos da família, salvo nos casos em que as crianças tenham alguma doença crônica, como o diabetes ou alguma intolerância alimentar. As recomendações são individuais, pois levam em conta a idade, a atividade física e o consumo frequente de alimentos pela família. A avaliação nutricional a que nos referimos anteriormente é justamente para que a prescrição seja individual.

Mas podemos adiantar que uma estratégia para garantir o consumo de todas as vitaminas e minerais é montar refeições bem coloridas. Isso garante que estes nutrientes estejam presentes sempre na nossa dieta. A dica serve para crianças e adultos.

MILC – A sra. indicaria o uso de suplementos alimentares? Em que casos?

COC – A Resolução nº 390/2006 do Conselho Federal de Nutricionistas diz que qualquer suplementação alimentar só deve ser prescrita após “avaliação nutricional sistematizada, envolvendo critérios objetivos e subjetivos”. Ela também não pode ser feita de forma isolada, devendo ser considerada a correção do padrão alimentar. Após todas essas considerações, se for verificada a real necessidade da prescrição de suplementos, ainda é necessário estabelecer por quanto tempo o mesmo será necessário, e a revisão constante do estado nutricional e do plano alimentar do paciente.

Resumindo, os suplementos alimentares só devem ser utilizados em casos onde a real necessidade seja estabelecida por um nutricionista ou um médico, não apenas para crianças, mas em qualquer faixa etária.

*Paloma Varón é mãe de duas, jornalista, blogueira, defensora dos direitos da infância e da mulher, entre outras tantas coisas que a definem. Baiana, idealista, curiosa, agitada, expatriada na Eslovênia.

Nota da editora: aqui uma receita saudável para fazer um engrossante http://bit.ly/duduengross


Tags:  olhar crítico publicidade de alimentos sugestão de pauta Sustagen Kids

Bookmark and Share




Previous Post
Sustagen Kids e a tentativa de parecer saudável. Comigo não, violão!
Next Post
A incrível ciência do vício em junk food



Mariana Sá




You might also like




12 Comments

Feb 24, 2013

[…] infancialivredeconsumismo.com/ Com a palavra, a nutricionista: Claudia Olsieski da Cruz fala sobre suplementos alimentares Há 3 dias […]


Nov 25, 2015

minha filha tem 1 aninho ela pode tomar leite com sustage kids em todas as mamadeiras do dia


    Nov 25, 2015

    Danilo,
    lendo o texto e sabendo da composição rica em açúcares deste produto, aconselhamos que converse com o pediatra da sua filha ou com o nutricionista para correta recomendação.
    Na consulta, o profissional deve avaliar se sua filha se alimenta de maneira variada, se está dentro do peso e com a saúde boa.
    Abraços,
    Mariana


Nov 29, 2015

MINHA NETINHA TEM UM ANO E TRÊS MESES, ESTÁ TOMANDO COM O LEITE E ESTÁ SE DANDO MUITO BEM, GOSTARIA DE SABER SE PODE TOMAR SEMPRE OU TEM UM TEMPO PARA PARAR DE TOMA? UM FORTE ABRAÇO A TODOS E ATÉ BREVE.


Nov 29, 2015

É UM COMPLEMENTO MUITO BOM! DEU OUTRA PRESENÇA A MINHA NETINHA APÓS ESSA ALIMENTAÇÃO, FICOU MAIS ANIMADA MAIS FORTE É TUDO DE BOM AMEI,UM ABRAÇO A TODOS QUE CRIARAM ESSE COMPLEMENTO ALIMENTAR TÃO IMPORTANTE, ATÉ BREVE.


Feb 04, 2016

[…] Milc – Movimento Infância Livre de Cosumismo […]


Sep 16, 2016

minha filha ñ gostou do sustagen kds so com o leite posso colocar no mucilon e na vitamina


May 17, 2017

Há uma forte publicidade em torno do SUSTAGEM nova fórmula. Em destaque Ferro, Cálcio e Vitamina B. Estranhamente, as publicações destacam que Ferro e Cálcio não devem ser consumidos na mesma refeição, pois o Cálcio atrapalha a absorção do Ferro . Então com a palavra as NUTRICIONISTAS já que a ANVISA parece ser só um detalhe burocrático.


May 17, 2017

correção “vitamina D”


Jul 14, 2017

Pode colocar nas frutas fazer uma vitamina c ele


Jun 14, 2019

Que bom se essa nutricionista tivesse um filho em casa que não come nada. Não aceita nada. Você vê seu filho magro, desnutrido, menor do que todas as crianças da idade, mas por uma questão de ideologia do que é certo você continua apenas assistindo e aguardando seu filho ter consciência do que o “in natura” é melhor para ele. Quiçá quando isso acontecer será tarde. Obrigada, sra. nutricionista.



Deixe uma resposta para Introduzindo os "verdinhos" - Merendaria Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Sustagen Kids e a tentativa de parecer saudável. Comigo não, violão!
Texto de Paloma Varón* No fim de 2012, recebi um release, uma “sugestão de pauta” para o meu blog pessoal – que não...