campanhas / 4 de outubro de 2013

Por que trocar brinquedos?

Texto especial para o Milc de Vanessa Anacleto*

Uma frase muito ouvida quando o assunto é feira de troca de brinquedos: “Pra que trocar se podemos doar?” A frase nos chama a um questionamento válido até certo ponto. Afinal, se existem tantas crianças que necessitam de um brinquedo e não têm acesso, por que estimular trocas entre os que têm muitos brinquedos? Não seria melhor uma campanha de arrecadação de brinquedos visando alcançar um maior número de crianças? Não e sim. Explico.

Vivemos num mundo onde a ordem é o acúmulo de coisas. Compramos coisas, ganhamos coisas muito mais do que precisamos. Para não deixar a máquina parar de girar, as empresas, nas datas comemorativas criteriosamente estabelecidas ao longo do ano, nos convidam a comprar e presentear mais e mais. É certo que faltará espaço para guardar, tempo e oportunidade para usar essas coisas. É certo que um dia não precisaremos mais de todas as coisas e precisaremos passá-las adiante. Doar qualquer bem material, por mais simples que seja, demanda um exercício de desapego. Algumas pessoas sequer cogitam doar um alfinete que seja. Outras o fazem com consciência e extrema facilidade assim que o objeto perde sua serventia. Para quem doa, saber que aquilo que não lhe serve mais poderá ser útil a outras pessoa é gratificante. Afinal, aquele casaco esquecido no armário passará a aquecer alguém, o bichinho de pelúcia acumulando poeira na prateleira será o companheiro de brincadeiras de um pequenino. Sim, doar o que nos sobra é essencial ao nosso crescimento como pessoas humanas. Mas quantas vezes doamos apenas para abrir espaço para novas aquisições?

A troca é tudo o que foi descrito acima e um pouco mais. Um pouco mais que faz muita diferença. Na troca, além da sensação de ter deixado alguém feliz com a coisa que não nos serve mais, passamos a enxergar a tal coisa como coisa que é. Algo cujo valor deve ser expresso não pela marca, pela grife, pelo nome, mas pela serventia que terá nas mãos do outro. Em contrapartida ( e que contrapartida), podemos escolher algo que não serve mais ao outro e que nos servirá como se novo fosse, pois novo será o destino que daremos a essa coisa. Ela não foi comprada, não esteve numa vitrine. A coisa simplesmente existe e nasce para nós no momento da troca. Se para um adulto isso já é uma experiência interessante, imagine para uma criança? Vivenciar a troca e aprender o real valor das coisas. Ver que é possível se alegrar e brincar com algo que não veio de uma loja, mas da casa de outra criança. Estas são experiências com as quais a visita à loja de brinquedos nunca será capaz de competir.

Quanto à campanha de doação de brinquedos para os mais carentes, a troca também acaba servindo a este propósito. Nas feiras de troca, todos os brinquedos que sobram, uma vez desapegados dos donos, vão para doação. E então, vamos nos permitir a experiência da troca?

Este ano deixamos mais uma vez o convite do Instituto Alana:

“As Feiras de Troca de Brinquedos são uma maneira engajada e divertida de repensar a forma como consumimos, envolvendo adultos e crianças na prática desta reflexão.

O Instituto Alana acredita nessa iniciativa e busca oferecer as ferramentas necessárias para que as pessoas realizem seus próprios eventos.

As feiras são organizadas por quem acredita na importância de refletir sobre o consumo. Não é preciso uma organização ou instituição, qualquer cidadão pode fazer uma feira de forma autônoma!”

Para saber como organizar sua feira ou participar de uma feira agendada, consulte http://feiradetrocas.com.br/: a página traz um kit com Guia Passo-a-passo com todas as informações.

Imagem de Iris Scuccato feitas em Salavdor

(*) Vanessa é mãe do Ernesto, blogueira no Mãe é tudo igual, escritora no Fio de Ariadne, opiniática e gosta do que faz.


Tags:  Dia das Crianças Dia das Crianças 2013 Dia das Crianças sem consumismo Feira de Troca de Brinquedos Trocar é mais divertido do que comprar

Bookmark and Share




Previous Post
Dia das Crianças Sem Consumismo. É de pequeno que se aprende.
Next Post
Michelle Obama faz discurso contundente sobre a publicidade de produtos alimentícios para crianças



Mariana Sá




You might also like




1 Comment

Jan 31, 2017

Gostaria de deixar uma super dica que é o site http://www.brincoutrocou.com.br Ele permite a troca de brinquedos em todo Brasil de maneira fácil e inovadora. Vale a pena conhecer e divulgar.



Deixe uma resposta para Daniel Pinho Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Dia das Crianças Sem Consumismo. É de pequeno que se aprende.
Criança Riso Som Carinho Beijo Pé no Chão Brincadeira Corda Bola Pipa Roda Pião Sol Chuva Dia Noite Medo Assombração Cantiga Abraço Embalo Aconchego Sonho Emoção Nesta...