criança e mídia / destaque_home / 16 de junho de 2014

Meu filho não sabe brincar sozinho

Texto de Mariana Sá*

Continuação do texto Meu filho só gosta da tevê e de mim.

Deve ser mesmo muito difícil não ter ajuda de ninguém, nem mesmo para se cuidar. Entendo que é muito pesado tentar adicionar a tela (aquilo que te dá sossego) à lista infinita das nossas preocupações como mãe, que dá tudo de si e parece que não é suficiente. Mas é incrível que depois da maternidade tudo passe a ser tão difícil e cada coisa pareça meio suspeito.

“Ensinar” um ser humano a brincar requer dedicação. Existem seres humanos que passam a vida inteira sem brincar, apenas dedicados a tarefas e atividades e penso que este seja um dos fatores que nos impede de evoluir mais rápido como sujeitos, como grupo e como espécie. Abundam os estudos que falam sobre a importância do brincar (para crianças e todos nós).

Ter um bebê em casa é uma oportunidade de reaprender a brincar e dedicar tempo a esta importante atividade, boa para o filho e para o adulto. Se dedicar a proporcionar que um bebê encontre o prazer de divertir-se e entreter-se sozinho é uma importante tarefa.

Inicialmente tendemos para o caminho mais fácil: fazer um bebê gostar de tevê é infinitamente mais fácil do que de ficar sozinho sem estímulo externo algum. Entendo quem faz esta opção: tenho dois filhos e ambos adoram uma tela desde bebê. Sei que a tevê é muito mais prática do que qualquer atividade que requer espaço limpo e seguro além da escolha e preparação. Sei bem que parece mais bacana ligar um botão e colocar a criança diante da tela, mas os prejuízos chegam mais na frente.

Com alguma dedicação diária, em pouco tempo, a capacidade e o prazer do bebê em brincar sozinho e de se concentrar numa mesma atividade por mais tempo vai crescendo; e se estiver diante de uma tela, nem a adulto, nem o bebê vão perceber isso. Carregará por muito tempo o estigma de ser uma criança que não sabe brincar e que não consegue se concentrar. E passará a infância sabendo se autocontrolar e manter-se quieto apenas diante de uma tela, alienando-se.

Em nove anos, e com diversas idades e condições de temperatura e pressão, testei muitas hipóteses: muita tela, pouca tela, zero tela e que hoje ainda não fechei a fórmula ideal do tempo de tela por idade, mas que sei que quanto menos melhor…

Existem técnicas para ensinar a brincar sozinho. Vou contar aqui sobre uma maneira que eu aprendi desde a mais velha e que funcionou lá em casa com ambos.

É assim:

– inicie uma brincadeira com ela, sentada ao lado, algo que o bebê goste.

– brinque com o bebê. Aproveite para se divertir.

– em seguida, ainda ao seu lado, observe-o brincar, interagindo cada vez menos, para que o bebê aprecie a própria capacidade criativa.

– com o tempo use o tempo de não interação para fazer algo para você, como passar mensagens, fotografar, tirar poeira em algum móvel próximo… uma coisa só por vez e volte a interagir.

– entre um e dois anos, tempo de concentração é mínimo, então a brincadeira precisa mudar, algo precisa entrar na roda para manter a concentração. Muda cacique!

– daí avise que vai pegar outro brinquedo e se afaste. Sempre verbalize o que estão fazendo e o que pretende fazer.

– volte em pouco tempo (30 segundos, 1 minuto) com algum brinquedo, sente de novo e brinque.

– a cada dia, pratique o afastamento mais vezes durante a brincadeira.

– a cada vez fique mais tempo (adicionando segundos a cada novo afastamento).

– peça que o bebê vá pegar algo e fique sentada esperando.

– sempre elogie e fique contente com a autonomia.

– óbvio que não vale deixar chorar. Nunca! Hora nenhuma!

– se ela chorar explique que o que foi fazer e enfatize que você sempre volta.

– fundamentar legitimar os sentimentos do bebê: é legítimo não querer que a mãe se afaste (saiba disso!), não é bobagem, não é para irritar, não é dengo. É legítimo!

– legitime e verbalizar este sentimento: explique (a si mesmo) e ao bebê que é normal querer brincar com alguém e que com o tempo ele vai gostar de ter o tempo para brincar como quiser.

– com o tempo use o tempo do afastamento para fazer tarefas curtas como passar pano num móvel ou forrar a cama ou tirar o lixo do banheiro ou catar brinquedos no quarto.

– se funcionar bem para você, registre por escrito os progressos, mas não fique obsessiva com o relógio.

– o segredo é alternar tempos de interação com tempos de não interação: ela não vai te dar uma hora sem interrupção.

– ajuste a sua expectativa: óbvio que nunca nenhuma brincadeira vai render o tempo que a tela rende, a capacidade de concentração do brincar é menor. O ganho é em saúde mental a longo prazo, não em minutos.

Enfim, permita-se a sim mesmo e ao bebê testarem outras alternativas e promover a si mesma outras possibilidades.

Leia mais: aqui, aqui, aqui e aqui. Vale explorar este e outros blogs em busca de algo que funcione para você e seu bebê. Boa procura!

Eu disse neste texto:
– Bebês não precisam de tevê;
– Adultos precisam de tevê para que os bebês fiquem quietos;
– Bebês precisam de interação constante com gente para aprender a ser gente;
– Telas em geral, tevê em especial, causam prejuízos ao bebê a longo prazo;
– Adultos podem se divertir proporcionando uma vida sem telas.

Eu não disse neste texto:
– Que os bebês que assistem tevê vão morrer;
– Que assistir tevê uma vez ou outra vai prejudicar o bebê para sempre;
– Que eu acredito que serei capaz de salvar alguém;
– Que quem não consegue cuidar da casa sem recorrer a telas é uma mãe ruim;
– É melhor um adulto estressado gritando com o bebê do que o bebê estar diante da tela (na verdade é melhor um adulto que sente prazer ao interagir com o bebê, mas sei que nem sempre isso é possível);
– Adultos precisam sofrer para entreter o bebê.

Imagem da web.

(*) Mariana é mãe de dois, publicitária, mestre em políticas públicas e é cofundadora do Milc. Mariana faz regulação de publicidade em casa desde que a mais velha nasceu e acredita que um país sério deve priorizar a infância, o que – entre outras coisas – significa disciplinar o mercado em relação aos direitos das crianças. 


Tags:  bebê brincadeiras brincar relação mãe-bebê sem telas telas televisão

Bookmark and Share




Previous Post
Meu filho só gosta da tevê e de mim
Next Post
Por um São João em que se pula fogueira de gravetos e não de panfletos



Mariana Sá




You might also like




6 Comments

Jul 01, 2014

Muito bom texto. Eu recebi um link de uma amiga, que parece dar alguma orientação mais “científica” a respeito do tempo para cada criança estar exposta a telas, de acordo com a faixa etária. Lanço ele aqui >> http://antesqueelescrescam.com/2014/03/11/10-razoes-para-se-proibir-tecnologia-para-criancas/


Mar 13, 2016

Que bobagem o bebe é dependente e a mãe sempre tem que estar de olho no bebe.


Jun 19, 2017

esse blog viciados em colo precisa de convite p entrar…


Jun 20, 2017

Adorei o final ” o que eu não disse nesse texto”, As pessoas adoram julgar e destorcer. Eu tento fazer isso com meu baby de 1 ano, mas quando vejo ele vai atrás de mim e ja ta lá no meu pé. rsrsrs Talvez eu esteja demorando para voltar. Vou tentar mais vezes da forma como foi dita no texto.



Deixe uma resposta para Movimento Infância Livre de Consumismo Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Meu filho só gosta da tevê e de mim
Texto de Mariana Sá* Recentemente escrevi um texto sobre o uso de telas e bebês que rendeu uma boa conversa com uma mãe...