livros e filmes / 23 de junho de 2014

O que você fez de mim? – “Tarja Branca – A revolução que faltava”

Texto especial para o Milc por Carol Guedes*

Meu primeiro contato com o filme Tarja Branca foi através desse trailer: http://youtu.be/dadvMzBqIdI. Logo que vi pensei: isso é maravilhoso, um filme que resgata a criança que existe em cada um de nós.

E é isso mesmo! Quero dizer, o filme é mais que isso, mas a sensação ao sair do cinema é uma necessidade absurda de pular corda, de pular amarelinha, elástico….de pegar minha filha e brincar até anoitecer e dormirmos cansadas de pé sujos de tanto correr descalças.

O filme deixa a gente mais bonita, mais remoçada, como diria minha avó….  Olhei para o lado e vi um menino aos prantos sendo amparado pela namorada…bonito de ver…à minha frente, três educadoras querendo colocar tudo em prática comentavam: É isso mesmo, mais tempo nos recreios!!! E eu vendo e ouvindo tudo isso fiquei feliz! O cinema tem essa função muitas vezes, de falar o que está engasgado, falar algo que é comum a todos nós, tem o poder da transformação.  Como uma música que fala exatamente o que você quer falar, com as palavras que você escolheria, mas é música de Chico Buarque, no caso,  de José Simão, Domingos Montagner, Wandi Doratiotto, Helder Vasconcellos, Alfredo Bello, Lydia  Hortélio, Antonio Nóbrega.

Brincar é um dos atos mais ancestrais desenvolvidos pelo homem, tanto para se conhecer melhor quanto para se relacionar com o mundo. Mas o que essa prática tão primordial pode revelar sobre nós e sobre o mundo em que vivemos?

É por meio de reflexões de adultos de gerações, origens e profissões diferentes que o documentário “Tarja Branca – A revolução que faltava”, produzido pela Maria Farinha Filmes e dirigido por Cacau Rhoden, discorre com pluralidade sobre a ideia de “espírito lúdico”, fundamental à natureza humana, e como o homem contemporâneo se relaciona com esse seu lado tão essencial, ainda que negligenciado.

A partir do lúdico e do brincar, com registros de brincadeiras populares na cultura brasileira, o filme propõe uma reflexão diferente sobre a sisudez da vida adulta, o embrutecimento da vida nas cidades, a medicalização da vida frente a sentimentos como medo, depressão, ansiedade, e sobre a forma como a ocupação do tempo é entendida hoje (racional, na linha da “produtividade”).

O material tem muito em comum com a proposta de coletivos, grupos e instituições que têm ocupado a cidade de forma diferente, com outra proposta de relação entre pessoas e com o espaço público.

“Tarja Branca” levanta  questões como: Cadê a minha criança? Em que momento estou presente brincando tão intensamente que até esqueço do próprio adulto que sou? Dessa maneira, o longa busca trazer à tona a ideia de que brincar é uma coisa séria, de que brincar é urgente.

A expressão “tarja branca”, definida no filme pelo artista plástico Hélio Leites como “um santo remédio”, é uma ironia aos medicamentos de “tarja preta”. Esse remédio seria o reencontro com a criança que mora dentro de todos nós, e, mais do que isso, a aceitação da presença e das manifestações do lúdico em nossas vidas adultas.

“Você tem que lembrar do menino que você foi, e perguntar: o que você fez de mim?”, afirma o poeta e escritor Marcelino Freire. “Tarja Branca” busca resgatar exatamente isso em seus espectadores.

Eu diria que é filme obrigatório! Mas obrigatório normalmente é uma palavra tão chata, que eu prefiro dizer: Assistam! Vale cada segundo!

E não por acaso, saí do cinema Itaú, na Augusta em São Paulo e dou de cara com uma manifestação que, de acordo com os jornais, começou de maneira pacífica, mas terminou bastante violenta.

Então, termino esse texto com a frase que escutei no filme: “Eu estou pela revolução que falta: a revolução das crianças.”

(*) Carol  é atriz, fundadora do Quintal de Trocas  e acredita que escolher e fazer o que ama é o primeiro passo para encontrar a sua criança.

tarjabranca

Trocar brinquedos é uma atitude #TarjaBranca! Participe desta campanha em parceria com o Quintal de Trocas e ganhe cupons da promoção 2 por 1* para ver o filme Tarja Branca  nos cinemas, em SÃO PAULO! * Cupons limitados. Na compra de um ingresso inteiro, o acompanhante entra de graça na mesma sessão. Promoção não cumulativa, válida em todo o território nacional, de segunda a quinta-feira, exceto feriados, e apenas nas compras na bilheteria do cinema. Sujeito à lotação da sala.

 



Bookmark and Share




Previous Post
Publicidade infantil: por que a resolução 163 ainda não saiu do papel?
Next Post
Um mundo de informações



Mariana Sá




1 Comment

Jun 24, 2014

que vontade louca de assistir esse documentário, vem de encontro com o que tenho pensado e pesquisado desde que notei em terapia, que tinha me fechado para a infância ainda muito pequena.
quando me vi com meu filho no colo resolvi que definitivamente iria fazer tudo diferente. obrigada pela dica, belo texto!



Deixe um comentário para Aline Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Publicidade infantil: por que a resolução 163 ainda não saiu do papel?
Texto de Desirée Ruas* Meses após a publicação da resolução que proibiu a publicidade infantil no Brasil, a dúvida...