outros / 16 de julho de 2012

Com a palavra, as MÃES

Tais Vinha

Quando a internet surgiu como a nova janela onde as mães se debruçam para ver o mundo, não imaginávamos que o mundo também nos veria.

De um início sobre fraldas, cólicas, receitas e dúvidas sobre a maternidade (e quantas!), logo avançamos para assuntos mais transformadores, como nutrição, educação, sustentabilidade e, o mais tsunâmico de todos, a maternidade consciente.

Era natural que, neste cenário, acabassem surgindo movimentos mais organizados e maduros. As mães começaram a se unir em defesa do parto natural, amamentação, direito de brincar, alimentação saudável, consumo consciente etc.

A rede nos mostrou quer não éramos psicólogas com filhos. Empresárias com filhos. Advogadas com filhos. Jornalistas com filhos. Eramos mães. Num sentido mais amplo e profundo do que tudo o que imaginávamos ser possível.

A participação do Infância Livre de Consumismo na Audiência Pública da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara dos Deputados para discutir o Projeto de Lei 5921/01, que regulamenta a publicidade infantil, é fruto dessa movimentação que nasceu lá atrás, quando algumas mulheres, ainda tímidas e pioneiras, resolveram espiar pela janela.

O Infância Livre de Consumismo não tem dono nem pertence a um grupo específico. Todas as mães que blogam, tuitam, piquenicam e botam a boca no trombone via redes sociais contribuíram para que ele nascesse – de parto natural e no tempo certo.

Porque este Movimento surgiu da troca, do questionamento, da reflexão e do aprendizado que só foi possível graças a tudo que, juntas, vivemos na rede.

Conquistamos muito até aqui. Mas a maior conquista foi descobrir que podemos muito mais. Somos MÃES. Não apenas porque geramos uma nova vida, mas porque também podemos ajudar a gerar um novo planeta.

Nosso mais sincero agradecimento a todas as mães que escancararam suas janelas e a todas as outras que fazem uma diferença, a partir de seus lares. Se antes víamos o mundo, hoje é ele quem nos vê. E, cada vez mais, nos admira.

Acesse aqui o vídeo da audiência pública. Para ver a fala da representante do ILC, basta rolar a tela para baixo, procurar por Tais Pileggi Vinha e clicar em “Reproduzir”



Bookmark and Share




Previous Post
Autorregulamentação ou controle externo
Next Post
Ouça e compartilhe nossas vinhetas para rádio



Mariana Sá




0 Comment

Jul 17, 2012

Adorei e acabei de fazer um post desabafo sobre isso..

http://www.asdeliciasdodudu.com.br/2012/07/valores-invertidos.html


    Jul 17, 2012

    Identificação total de minha parte, Thais… Eu sou uma mãe chata, e também espero que minhas filhas me agradeçam no futuro. Já corri para o grupo do FB para conhecer. Hoje elas já estão maiorzinhas, então já têm suas vontades e eu tenho menos controle sobre o que comem, mas não deixo de explicar sempre por que regulo ou até veto algumas coisas em casa… Espero que um dia elas entendam. 🙂 Beijo da Silvia



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Autorregulamentação ou controle externo
Aconteceu nesta semana, um exemplo bastante didático que demonstra porque pais, mães, cidadãos e o movimento social...