criança e mídia / destaque_home / maternidade / 9 de abril de 2020

Crianças em casa: 10 dicas para não cair sempre na tentação das telas digitais

Texto especial para o Milc de Daniela Teixeira*

Em época de Covid-19, quem pode ficar em casa está aprendendo que o isolamento social impõe grandes desafios. Afinal, conciliar o trabalho à distância, os cuidados com a casa e a atenção às crianças exige não apenas disciplina e criatividade mas muita serenidade. E é mais do que natural que em momentos como o que estamos vivendo, a televisão e as telas digitais acabem socorrendo as famílias para distrair e ocupar o tempo das crianças, para que os pais possam desempenhar outras atividades. E é aí que mora o perigo. Com as crianças em casa, sem previsão de voltar às aulas, e com muita energia para gastar, a oferta de TV e telas digitais precisa, de alguma forma, ser limitada ou “editada” pelos pais, sob o risco de haver uma overdose indesejada.

Pesquisas mostram que youtubers e televisão são grandes influenciadores do comportamento das crianças e canais eficientes de publicidade dirigida aos menores. A publicidade infantil, por sua vez, está ligada a problemas das mais diversas dimensões e afeta a saúde física e emocional das crianças, criando conflitos familiares, estimulando comportamentos agressivos e influenciando a valorização do materialismo como estilo de vida. Portanto, é importante criar estratégias para que o momento delicado que estamos vivendo não impacte negativamente nas crianças e não estimule hábitos e comportamentos que perdurem para além desse período restritivo. Não é fácil, mas aqui reúno algumas dicas que podem ajudar vocês a criarem uma estratégia para que os seus filhos não fiquem grudados o dia inteiro na televisão e no celular:

1- Tente estabelecer uma rotina diária junto com o seu filho. Especialistas ensinam que a rotina é importante para dar segurança às crianças e pode ser especialmente relevante em momentos de instabilidade como o que estamos atravessando. Crianças gostam de participar e certamente se sentirão mais comprometidas com aquilo que construírem juntas. Mesmo as muito pequenas muitas vezes já conseguem entender e seguir uma lista de atividades, mesmo que com horários flexíveis.

2- A rotina deve incluir atividades estruturadas e livres, como exercícios físicos, estudos, música, hora de brincar, conversa com amigos, soneca e, também, um momento para assistir TV, jogar videogame ou usar o celular para falar com os amigos.

3- Inclua o seu filho na rotina dos afazeres domésticos, assim, ele aprende a ter responsabilidade e desenvolver a cooperação, competências essenciais para a vida em sociedade. As crianças pequenas podem ajudar a tirar ou colocar a mesa, forrar a cama ou juntar a roupa suja, por exemplo. E as maiores podem ficar responsáveis por alguma atividade específica, como varrer a casa, lavar o banheiro, tirar o lixo, cuidar do irmão mais novo ou mesmo cozinhar.

4- Tire um tempo para o convívio familiar livre, um momento de diversão em família. Pode ser para fazer exercício, ver um filme, cozinhar, fazer uma refeição, limpar a casa, brincar ou jogar conversa fora. Este é um bom momento para escutar as crianças e pescar as emoções. Isso vai reforçar os vínculos afetivos e deixá-los mais unidos para encarar o desafio do isolamento. E não esqueça de manter as crianças em contato permanente com os mais velhos da família, com uma ligação diária, por áudio ou vídeo. Os avós certamente estão sentindo falta dos netos e isso vai ajudá-los a atravessar esse período.

5- Ressignifique o uso de telas. Com o confinamento, começam a surgir diversas iniciativas gratuitas que unem tecnologia com conteúdo lúdico e livre de publicidade, como contação de história, aula de dança, livros infantis gratuitos, shows de artistas, entre outros. Uma rápida busca na internet fará você encontrar o que mais se adequa ao gosto dos seus filhos.

6- Estimule seus filhos a praticarem a solidariedade e lance o desafio de como eles podem ajudar os menos favorecidos durante essa crise. Eles podem bolar iniciativas junto com os amigos que farão a diferença na vida de muitas pessoas e, de quebra, vão aprender a ser solidários.

7- Estimule o hábito da leitura em seus filhos. Os mais novos podem ter um momento de leitura junto com os pais ou irmãos mais velhos antes de dormir, enquanto os mais velhos podem escolher um livro para ler por semana e relatar a história para a família durante as refeições.

8- Se a escola do seu filho estiver enviando atividades ou tarefas de casa, cuide para que seu filho mantenha um horário de estudo respeitando seu interesse pelas propostas. Isso vale até para os que ainda estão em creches, onde as atividades ajudam no desenvolvimento cognitivo e ainda mais na manutenção do vínculo afetivo com professores e colegas.

9- Estimule o convívio social do seu filho com os amigos, pois os laços de amizade aquecem a alma e acalmam o coração, mas busque estipular um limite diário para uso do celular, sob o risco de eles passarem o dia todo trocando mensagens pela rede social.

10- Troque ideias de atividades com outros pais e mães, todos estão passando pelo mesmo desafio e podem ter ideias interessantes que vão funcionar para vocês.

E, o mais importante de tudo: mantenha a calma e cuide de sua saúde, física e emocional. Os tempos são duros e exigem da gente mais paciência e serenidade do que o normal. E quando tudo parecer perdido, respire, faça uma prece e lembre-se: isso também vai passar!


(*) Daniela Teixeira é mestre em consumo pela Bournemouth University, na Inglaterra, e pesquisadora de consumo infantil.


Tags:  corona virus covid-19 isolamento menos telas

Bookmark and Share




Previous Post
Tem MUITA coisa que a gente não pode fazer. E MUITA coisa que a gente pode
Next Post
Seu filho também ficou grudado nas telas durante o isolamento? O que isso pode nos ensinar.



Movimento Infância Livre de Consumismo




You might also like




0 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Tem MUITA coisa que a gente não pode fazer. E MUITA coisa que a gente pode
Texto especial para o Milc de Mariana Sá* Tem MUITA coisa que a gente não pode fazer. E MUITA coisa que a gente pode. Este...