legislação / publicidade infantil / 13 de agosto de 2014

A indústria de lesar consumidores

Texto de Gabriel Tomasete publicado no Jornal da Amazonia em 20 de Janeiro de 2011 e em outros sites

Dizem por aí que há uma “indústria” do dano moral. Pode até haver, mas não é, com toda certeza, maior do que a “indústria” de lesar os consumidores que se instalou no Brasil.

Esse assunto é polêmico e divide opiniões. Um jurista de Rondônia publicou artigo dizendo que os consumidores se aventuram em ações com o fim de enriquecerem sem causa; mas ele não abordou o outro lado da história! Na verdade, a ofensa de direitos de consumo no Brasil é a real fonte de enriquecimento sem causa.

O tema de minha monografia (Direito) foi “Dificuldades enfrentadas na aplicação das sanções civis previstas no CDC”. Estagiei como voluntário no Procon de Presidente Prudente-SP (lá o órgão fiscaliza e aplica multas; em Rondônia, não). Atuo em ONG de defesa do consumidor (ACV) desde 2004. Sinto-me bem à vontade para tratar do tema, em especial pela vivência no Procon, onde atendia consumidores lesados diariamente e via o descaso absoluto das empresas para resolver os problemas por elas impostos. Ficava indignado.

Não compreendia a razão daquela demanda, se o CDC prevê a “efetiva prevenção e reparação de danos patrimoniais e morais”.

Agora entendo! É que, financeiramente, compensa mais para as grandes empresas lesar de várias formas do que investir na melhoria de seus produtos, serviços e no atendimento. Sem falar em “roubos” propositais (cobranças indevidas) que praticam as empresas de telefonia, bancos, cartões de crédito etc. (esses compensam ainda mais).

Prova disso é que as demandas contra as mesmas grandes empresas entopem o Judiciário. A ilegalidade é praticada em escala, garantindo lucros fabulosos. Se não compensasse, certamente elas já teriam mudado as suas práticas comerciais.

A razão é simples: somente um percentual baixíssimo de prejudicados busca a Justiça. E, geralmente, o que conseguem é reaver os seus prejuízos patrimoniais. E, quando há condenação em dano moral, os valores aplicados são baixos. As grandes empresas pagam rindo e ainda ficam no lucro, por conta do montante de pessoas inertes, que não fizeram valer os seus direitos. Essas pessoas dificultam o avanço de uma sociedade que deseja ser respeitada. É a famosa turma do “deixa pra lá”.

A solução para inverter esse quadro?

A meu ver, somente por meio do efetivo controle social a ser imposto pelo Judiciário, com o foco no ilícito e na pedagogia da sanção (condenações altas). Em outros países isso funciona e os consumidores são respeitados em seus direitos. Em Rondônia, sinto que os juízes estão começando a atentar para essa problemática.

(*) Gabriel é Advogado, Pós-graduando em Direito do Consumidor, Conselheiro Estadual e Presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da OAB-RO, Membro do GT de Políticas Públicas da Rede Brasileira Infância e ConsumoAtuou no Procon de Presidente Prudente-SP. Advoga para ONG de defesa de consumidores desde 2004, em Porto Velho-RO. Facebook: Gabriel Tomasete. Twitter @gabrieltomaseteE-mail: gabriel@tomasete.com.br


Tags:  direito do consumidor Procon

Bookmark and Share




Previous Post
Aspectos atuais do controle da publicidade infantil no CDC
Next Post
O[s] valor[es] dessa vida



Mariana Sá




You might also like




0 Comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.



More Story
Aspectos atuais do controle da publicidade infantil no CDC
Texto de Renan Bueno Ferraciolli anteriormente publicado no blog Última Instância Instrumentos que funcionavam há cerca...