Já é Páscoa?

Texto especial para o Milc de Vanessa Anacleto e Mariana Sá*

Quarta-feira de cinzas.  A mãe entra na loja de departamentos para comprar pilhas. As crianças vem uma em cada mão. Olhos arregalados:

– Já é Páscoa? – perguntou o maior.

–Só daqui há 40 dias. – disse a mãe enquanto procurava as pilhas AAA.

– E por que já está tudo pendurado?

– Não sei. Acho que eles querem que a gente comece a comprar logo.

Os olhos não desarregalam, mas piscam enquanto fixam o corredor de ovos coloridos.

– Será que eles querem também que a gente tenha dor de barriga, isso tudo vai estragar até chegar a páscoa. Querem que a gente coma o ovo antes da hora?

O menor que ouvia tudo calado também piscando os olhinhos dispara:

– Aqui dentro da loja eles querem que a gente ache que já é páscoa. Mas a gente sabe que lá fora ainda não é.

***

Acaba o carnaval e precisamos viver quarenta dias até a páscoa. Se somos cristãos, é tempo de prestar nossos serviços religiosos. É um tempo de jejum, abstinência de carne, mortificações, caridade e orações. Se não somos religiosos, podíamos aproveitar este tempo de pausa também para nos preparar para o ano que chega de verdade, para nos recuperar das férias e das festas, dos preparativos para o reinício das aulas e, principalmente, para descansar o bolso que já teve tanta despesa.

Mas simplesmente não temos paz para dar esta pausa: já estamos passando por baixo de túneis de ovos em plena quarta de cinzas. Na quinta, as crianças que assistem TV e vão ao mercado já conhecem os lançamentos e começam a listar os pedidos. Elas não querem nem comemorar a ressurreição de Cristo, nem comer o chocolate, querem os brindes xexelentos que vêm dentro dos ovos ou querem ostentar o maior ovo entre os colegas. Algumas querem apenas possuir mais uma evidência de que gostam mesmo daquele herói ou daquela princesa!

pascoalivre

***

E pensar que tem quase um ano que todo este assédio foi proibido. E pensar que as empresas simplesmente ignoram a Constituição Federal, o Código de Defesa do Consumidor, o Estatuto da Criança e do Adolescente e a Resolução 163 do Conselho Nacional da Crianças e do Adolescente, que são taxativos na vedação deste tipo de produto – infantil, com personagem, com brinde…

Será que seria tão prejudicial para a infância dos nossos filhos comer ovos normais de chocolate? Será que não seria mais tranquilo e significativo para as famílias abrirem um ovo feito com bom chocolate para ser compartilhado entre crianças e adultos? Para quê cada crianças precisa “do seu próprio” ovo? Será que sem tanto personagem, sem tanto apelo, a páscoa não seria um momento de conexão, de reflexão e de estar junto? Não seria um momento em que cristãos poderiam vivê-la no seu significado original? E uma oportunidade para não-cristãos re-significarem este dia para além do consumismo?

***

Nossa proposta é que, junto com a páscoa, festejemos o respeito à infância e nos vejamos livre de tanto abuso publicitário. Em 13 de março de 2015, a Resolução 163, que é a pá de cal no assédio publicitário, faz um ano e as famílias precisam provar ao estado que temos interesse na efetivação da medida, que queremos os personagens no lugar deles e não servindo de propagandista vendedor de porcarias alimentícias. Vamos ao Procon denunciar a existência de ovos com personagem, algo que é proibido do Brasil.

Conheça exemplos de denuncias e a lista dos Procons que aceitam denúncias on line e nos ajude a completar: http://bit.ly/OvoZuado

Faça a denúncia e avise para a gente (estado, empresa, produto) e comentando aqui ou postando no twitter ou facebook com a hastag ‪#‎pascoalivre‬ ‪#‎pascoalivredeconsumismo‬

Imagem da web.

(*) Vanessa Anacleto é mãe do Ernesto, blogueira e autora do livro Culpa de mãe. Por causa disso tudo, ajudou a fundar o Milc e luta por um futuro sem publicidade infantil. É autora do blog materno maeetudoigual.com e membro da Rebrinc.

(*) Mariana Sá é mãe de dois, publicitária e mestre em políticas públicas. É cofundadora do Milc e membro da Rebrinc. Mariana faz regulação de publicidade em casa desde que a mais velha nasceu e acredita que um país sério deve priorizar a infância, o que – entre outras coisas – significa disciplinar o mercado em relação aos direitos das crianças.   


Tags:  #pascoalivre #pascoalivredeconsumismo Conanda denúncia Páscoa páscoa sem conusmismo Procon proteção à infância resolução 163

Bookmark and Share




Previous Post
Uma camiseta, uma criança e a infância ignorada
Next Post
O que publicitários podem aprender com o erro do Luciano Huck e a turma dele?



Mariana Sá




You might also like




8 Comments

Mar 05, 2015

Uma dúvida que eu fiquei, cada cidade deve receber uma denúncia no MP, ou quanto mais pais fizerem a denuncia, melhor?


    Mar 06, 2015

    Quanto mais pais fizerem a denúncia, melhor!
    Vale no Procon e no MP, o que for mais fácil para cada um.
    ~ Mariana


Mar 06, 2015

[…] possível denunciar as empresas que vendem ovos de páscoa com personagem. Clique aqui para acessar um exemplo de denúncia ao PROCON e ao Ministério Público para copiar, editar e […]


Mar 06, 2015

Ótimo texto e visão.. Reflexão perfeita sobre a partilha. Acho que criança nenhuma ficará traumatizada se ensinarmos o que é certo e pertinente a elas…
Se gostam de chocolate e querem um ovo pq é diferente ótimo. Mas a partilha de fato deve ser ensinada, mesmo pq é Páscoa.

Adorei, parabens e já estou aderindo à campanha.

Vou divulgar na página do Bolhinhas e colocar o banner no blog! Abração!


    Mar 06, 2015

    Por favor, também denuncie!
    Para o Estado entender que queremos mais respeito à infância vamos precisar de todo mundo.
    Abraços,
    Mariana
    (denuncie e manda pro milc)


Mar 16, 2015

[…] […]


Mar 10, 2016

Tem como denunciar o estabelecimento também?



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Uma camiseta, uma criança e a infância ignorada
Texto especial para o Milc de Mariana Sá* Ontem recebemos muitas mensagens e fomos marcadas em várias postagens sobre...