Meninas custam caro (?!)

Texto especial para o Milc de Vanessa Anacleto*

Outro dia, minha vizinha me abordou na porta de casa. Ela e a filha adolescente discutiam ao sair de casa para uma festa e a menina demorou muito a se arrumar dada a quantidade de acessórios.

– Vizinha, ainda bem que o seu é menino.

– Por quê?

– É mais simplificado.

Dito isso cada uma foi viver o seu dia e fiquei pensando:

Isso significa que menina é complicada?

A mulher adulta já possui o rótulo de ser complicada. A mulher, segundo dizem, precisa de muito mais para viver, consome mais e, consequentemente, é mais assediada para o consumo. Poder-se-ia também dizer que a mulher é mais assediada para o consumo e por isso consome mais, necessitando de muito mais para viver. Mas será mesmo? Será mesmo que a mulher é complicada, será por isso que consome mais e ‘custa’ mais caro? Para pensar.

Mas, quando isso tudo começa? Será que já na infância o apelo ao consumo direcionado às meninas é maior? Para obter esta resposta, basta assistir a uma sequência de filmes publicitários infantis veiculados abusivamente nos canais infantis todos os dias.  Aproximadamente para cada cinco produtos anunciados, quatro são direcionados para meninas e um para meninos.  E enquanto os meninos são exortados pela propaganda à uma vida de aventuras (de herói, carros, bicicleta, avião ), as meninas brincam –precocemente – com maquiagem utilidades para o lar, roupas e acessórios, que quase desbancam as tradicionais bonecas. Aliás de tradicionais as bonecas não têm quase nada. Elas não são mais as filhas das meninas, mas reproduções de adolescentes ou mulheres adultas, com corpo e estilo de vida de mulher adulta. É a menina sendo programada para consumir mais e mais no futuro. Brincar? Bem, esta não é exatamente a proposta do brinquedo.

O que é complicado, então, a menina ou seu entorno?

Do que a menina precisa: brincar ou ser colocada precocemente na fase adolescente pela indústria ávida em formar consumidoras convencidas de que precisam de muitos detalhes para comporem sua identidade feminina? Conheço meninas descomplicadas. Elas existem e gostam de ler, desenhar, patinar, brincar com jogos e brinquedos de armar, ninam bonecas e pulam corda. As meninas sobem em árvore, andam de bicicleta do mesmo jeito que usam o colar de pérolas da mãe.

Não deixemos que nossas meninas cresçam achando que estão em dívida com o resto do mundo por terem nascido com dois cromossomos x. Ser mãe de menina é tão complicado e caro quanto ser mãe de menino. A complicação e o preço alto brotam do substantivo mãe, não do adjunto adnominal menina . Encerrados no termo mãe, vivem dúvidas, incertezas, temores e alegrias profundas. Nunca sabemos se o que fizemos era o melhor, era o certo. Sempre tememos o erro fatal que nos custe arrependimento e sensação de fracasso na única coisa que não nos imaginamos fracassando. Ser mãe é delicioso e enriquecedor assim como é dolorido. A dor da vida vivida sem medo nos aperta o peito todos os dias junto com a felicidade de poder testemunhar também todos os dias aquele sorriso e viver aquele abraço de filho e de filha que é o melhor de todos. Descomplicado e bom.

Imagem The Guardian

(*)  Vanessa é mãe de menino, escritora, blogueira e co-fundadora do Milc.

 

 

 



Bookmark and Share




Previous Post
Por que não aguentamos mais tantos manuais de instrução
Next Post
O preço e o valor do ovo zuado



Mariana Sá




5 Comments

Mar 25, 2015

Já escutei uma variação dessa frase também… que é “mais fácil” criar meninos. A implicação é a mesma: que mulher é mais cara, precisa de mais, gasta mais, tem mais pitis e frescuras. Na época nem pensei por esse viés do consumismo, fiquei mesmo chateada com todo o machismo implícito nessa visão.
Tenho 2 filhos, uma menina e um menino, e uma grande preocupação em não impor modelos, em deixá-los experimentar o que quiserem, em criar seres humanos independente do gênero. Mas é alarmante como a “modelização” começa cedo…. perdi a conta de quantas vezes a minha filha de apenas 5 anos me contou que os meninos não a deixavam brincar de bola com eles por ser brincadeira “de menino”. E ela, mesmo chateada, reproduz o modelo quando tira sarro do irmãozinho porque ele estava fazendo alguma coisa “de menina”. Percebo, conforme meus filhos crescem, como é difícil educar com igualdade de gêneros, como é remar contra a maré, e pior, lutar contra meus próprios preconceitos. É preciso um policiamento interno constante pra não repetir os padrões.
Pessoal do MILC, admiro profundamente as bandeiras que vcs levantam e como as levantam. Mesmo quando não concordo 100% com o posicionamento de vcs, admiro a forma de argumentação e a provocação. Porque sem provocação nunca vai haver mudança…


    Mar 25, 2015

    Agradecemos o comentário: não precisamos concordar 100% com tudo para aproveitar o que tem de bom.
    Quando vamos descascando as camadas das questões contemporâneas, vamos percebemos que o consumismo tem o dedinho dele em muitas (para não dizer todas).
    Continue com a gente e contribua sempre que desejar. Adoramos abrir espaço para contrapontos: visões diferentes sobre um mesmo tema só pode nos enriquecer…
    /mariana


Mar 25, 2015

Bom que eu também conheço meninas descomplicadas, que surpreendem muitos por serem apenas meninas-criança. Adorei teu texto, Mariana!


Jul 14, 2015

Concordo com quase tudo o que vc disse. Concordo com o apelo comercial direcionado ao publico infanto-juvenil-feminino. Agora é fato que ser mãe de menino é infinitamente e incalculavelmente mais simples e barato do que ser mãe de menina. Menina, é muito fricote, muito mimimi, é muito lacinho e babadinho. Menino não tem isso. O que mãe de menino precisa é de energia. Ser mãe de menino requer correr, andar de patins, bicicleta, jogar bola, subir em árvore.


    Aug 23, 2015

    Ana Carolina, nunca vi uma menininha de colo pedindo lacinhos e babadinhos, geralmente são as mães que colocam, pq querem que as filhas pareçam bibelôs para a sociedade. É disso que o texto fala!



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Por que não aguentamos mais tantos manuais de instrução
Texto especial para o Milc de Debora Regina Diniz, Mariana Sá, Vanessa Anacleto* O Milc completa 3 anos neste mês. A nossa...