outros / 12 de maio de 2013

Mães

Texto de Aldo Masini*

– Pai. Fala que não é pra mãe ir no jogo de queimada da minha irmã? Por favor pai, não deixa ela ir.

– Como assim, Juninho?

– É, pai, não quero que ela vá jogar queimada na escola com a Rosaninha.

– Mas que mazela é essa agora filho? No Dia dos Pais eu não fui jogar futebol na escola com você, seus amigos e os pais deles?

– Foi.

– Então, querido. Agora é Dia das Mães e a escola faz a mesma homenagem às mães com o jogo de queimada de mães e filhas.

– Mas eu não quero que a minha mãe vá nesse.

– Está com ciúme da sua irmã, né?

– Não é nada disso, pai. Só não quero.

– Até onde me lembro, no ano passado você não criou caso. Ao contrário, me lembro de você torcendo pelo time delas e até ajudou a consolar sua irmã dizendo que este ano elas ganhariam.

– Ano passado eu tinha só sete anos, agora estou mais velho. Não deixa pai, por favor.

– Mas por que você está implicando com isso agora?

– Eu fico com vergonha.

– Que bobagem, filho. É só um jogo. Perder ou ganhar faz parte da brincadeira.

– Mas os meninos ficam me enchendo o saco depois.

– Ah, então é isso. Você ficou bravo porque fizeram gozação.

– É.

– Bobagem, querido, as outras mães eram tão ruins de queimada quanto a sua.

– A mãe não é ruim de queimada, ela joga até muito bem.

– Ah, é? Então o que te incomoda?

– Me incomodam os meninos do quinto ano falando que minha mãe tem o sorriso mais bonito, o perfume mais cheiroso e as pernas mais gostosas.

Feliz Dia das Mães.

Porque a beleza de vocês é de outra ordem.

Vai muito além do sorriso, do perfume ou das pernas.

dia das maes Lu Azevedo

Imagem de Luciana Azevedo

*Aldo Masini é funcionário público em São Paulo capital, tem especialização em Gestão Ambiental e Educação, é tio de três sobrinhos que constantemente lhe ensinam caminhos mais bonitos e se aproximou do MILC por ser um cara preocupado com nossa relação com o consumismo e a forma danosa com que isso invadiu o mundo de crianças e jovens. Escreve no blog My Thoughts.


Tags:  dia das mães homenagem

Bookmark and Share




Previous Post
Com a palavra, a nutricionista: tirando dúvidas sobre aditivos e conservantes alimentícios
Next Post
Sódio, vilão silencioso



Mariana Sá




You might also like




0 Comment

May 14, 2013

Muito bom o texto, Aldo! Gosto muito do que você escreve. Parabéns!

Mas não posso deixar de comentar que ao ler as linhas iniciais me incomodou um pouco a divisão meninos com meninos (pai e filho no dia dos pais), meninas com meninas (mãe e filha no dia das mães). Sou mãe e meu marido é pai de um menino e de uma menina. Ensinar liberdade de escolhas genuínas e que não existe divisão de gêneros para brincadeiras, cores e, porque não, companhia da mãe e do pai é uma das minhas preocupações. Enfim, não sei se o fato é verdadeiro ou não, mas gostaria de deixar esta reflexão para você e quem sabe inspirar novos textos menos separatistas no futuro?
Grande abraço!
Janine



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Com a palavra, a nutricionista: tirando dúvidas sobre aditivos e conservantes alimentícios
Em virtude do intenso debate acerca do post “A maçã do palhaço”, o Movimento Infância Livre de Consumismo saiu em busca...