publicidade de alimentos / 27 de junho de 2013

Mitos e verdade sobre alimentação

Texto especial para o Milc de Claudia Olsieski da Cruz e Ana Luísa Kremer Faller*

Como nutricionistas, já ouvimos um sem fim de bobagens a respeito de alimentação e nutrição. Leigos, outros profissionais que pouco estudam sobre o assunto, mas que se acham profundos conhecedores do tema, jornalistas desavisados, vendedores de produtos alimentícios, enfim. Mas a verdade é que ficamos estarrecidas com a entrevista concedida por uma nutricionista no dia 19/05/13, no Programa do Gugu/Rede Record. O que parecia uma boa oportunidade para uma profissional que estudou para isso falar de mitos e verdades acerca da alimentação foi aos poucos se mostrando um desserviço a anos de estudos sobre alimentos e alimentação. Informações parciais e outras tantas totalmente erradas que vão contra tudo o que se prega sobre alimentação saudável!

Em destaque, os mitos abordados e nossas observações sobre as colocações feitas no programa:

1) Ovos têm muito colesterol e fazem mal

Sim, os ovos possuem colesterol, inclusive uma unidade de ovo de galinha contém o equivalente à recomendação diária de colesterol, 300mg. No entanto, também possuem vitaminas como a vitamina D e minerais como o ferro, que são de vital importância para a saúde. Já vai algum tempo que este alimento deixou de o grande vilão. Mas afirmar que “tudo bem comer oito ovos por dia” ou “quanto mais melhor”, não é bem assim. Sobre o estudo de Harvard citado, onde vários estudantes teriam consumido 20 ovos por dia por um ano e não tiveram nenhum problema de saúde, levou-se em conta o nível atividade física dos participantes? Levou-se em consideração o resto do consumo alimentar desses alunos? Isso não foi dito, e é de fundamental importância para entender tais resultados.

2) Qualquer chocolate engorda e faz mal à saúde

Pelo menos acertou ao falar do benefício do cacau e que o chocolate ao leite e, em especial, o chocolate branco são os que têm menor teor de flavanois . Mas afirmar que “pode consumir tranquilo sem dor na consciência” não é verdade! O benefício do consumo do chocolate amargo pela presença destes flavanois não se sobrepõe aos malefícios e certamente não elimina o teor calórico do mesmo, sendo todos os tipos equivalentes em termos de calorias. Pareceu até que o chocolate amargo não engorda! Existe uma recomendação para o consumo de chocolate, sim, que é de 30g por dia.

3) Óleos são mais saudáveis do que banha de porco

O risco aqui está em não se dizer que usar banha de porco ou óleo de coco em excesso faz mal também! Ambas são gorduras saturadas e necessárias ao organismo, mas não podem representar mais do que 10% do consumo diário de calorias, mesmo a composição dos ácidos graxos saturados em questão sendo diferente entre os dois. Em acréscimo, o uso de gorduras saturadas para aquecimento – em especial fritura – é a última opção, uma vez que apresentam os mais baixos pontos de fumaça levando facilmente à formação de substâncias tóxicas como a acroleína. Outra coisa: parece que a fritura ficou liberada, não é? Ela fala diversas vezes em fritar nesse ponto da entrevista. Além disso, ao afirmar que antigamente se consumia essas gorduras em larga escala, mas “morria-se com 90 anos”, ignora que a vida era outra, em especial o nível de atividade física. Sobre o azeite, não pode ser consumido à vontade! Nenhuma gordura deve ser consumida à vontade! Só se salvaram as informações sobre elevar a manteiga a altas temperaturas e sobre o óleo de canola e a margarina.

4) Alimentos à base de soja são os mais recomendados para uma vida saudável

Por fim, ela até acerta sobre o “endeusamento” errôneo da soja. Citar e incentivar o consumo indiscriminado de soja é inadequado e pode causar diversos transtornos para o consumidor. Dentre os componentes da soja estão isoflavonas como genisteína, daidzeína e gliciteína, que podem agir beneficamente na modulação hormonal ou podem também agir como perturbadores endócrinos, em especial em crianças e adolescentes, interfererindo nos receptores de estrogênio. Além das isoflavonas, temos compostos bociogênicos que em algumas situações podem estar associados com hipotireoidismo por consumo excessivo de soja. A soja fermentada, em comparação ao grão, favorece a maior absorção das isoflavonas por remover a fração glicosídica (açúcares como glicose, arabinose etc.) da molécula, não só melhorando a absorção intestinal, mas também facilitando a interação da isoflavona com os receptores estrogênicos da célula. Se em alguns casos podemos ter uma alteração hormonal pelo consumo da soja, a forma fermentada seria ainda pior nestes casos.

Imagem da web.

(*) Claudia é nutricionista e docente nos cursos de Nutrição e Gastronomia da Universidade Estácio de Sá. Doutoranda em Alimentação, Nutrição e Saúde pela UERJ.

Ana Luísa é nutricionista e docente nos cursos de Nutrição e Gastronomia da Universidade Estácio de Sá. Doutora em Nutrição pela UFRJ, Ana toca a página Soul Nutrition de consultoria em nutrição.


Tags:  alimentação infantil alimentação saudável análise crítica mídia e alimentação Mitos e verdades sobre nutrição

Bookmark and Share




Previous Post
Hospitalização de crianças por obesidade quadruplica
Next Post
A TV e os bebês: Em defesa do faz-de-conta



Mariana Sá




You might also like




0 Comment

Jun 27, 2013

Ah, faça-me rir! Ela prestou sim, um favor a todos. Nunca vi ninguém dizer o que ela falou na tv ou em qualquer outra mídia. Óbvio demais que uma pessoa normal não vai conseguir consumir diarimente essa quantidade de ovos. Precisa ser muito imbecil para não entender o recado dela. Ninguém vive apenas de ingerir gordura e certamente o aumento da ingestão de gordura boa (banha, óleo de coco e manteiga) irão saciar a pessoa antes que ela queira mais do que necessita, sem contar que não vejo ninguém comendo manteiga ou qualquer outra gordura PURA. Quer criticar demais quem é melhor do que você, isso é o que me parece. Acredito que esteja na hora de fazer melhor seu dever de casa.


    Jun 28, 2013

    Ludmila, concordo contigo que foi importante o assunto ser abordado no programa do Gugu para derrubar diversos mitos. Entretanto, eu, como leiga (não sei se você é nutricionista) interessada na questão da alimentação e saúde, entendo que algumas generalizações que ela fez (pode comer quantos ovos quiser, quanto mais, melhor! ou fritura à vontade) podem ser perigosas, principalmente num programa exibido em rede nacional. Nem todo mundo saberá botar na balança e, de fato, chegar a um equilíbrio.

    Você não concorda?

    A minha primeira reação, quando vi o vídeo e a crítica das nutricionistas, foi “ué, mas ela falou umas verdades, legal ela ter abordado esse assunto”. E aí voltei a pensar com outro olhar, o olhar de um espectador que não se interessa tanto pelo assunto como eu (já venho lendo sobre isso há anos; para alguém que nunca pensou no assunto, talvez as informações devessem ter sido passadas de outra maneira).

    Já pensou se a pessoa resolve comer 3-4 ovos fritos por dia? Será que vai ser bom mesmo? Porque a verdade é que a nutricionista deu a entender que não há restrições, quando eu acho que a intenção dela (boa, por sinal) foi dizer “gente, com equilíbrio, vai fazer bem, não caia no conto da margarina ou da soja”.

    Enfim, meus dois centavos. 🙂


Jun 28, 2013

Silvia, não gostei do tom da resposta da carta, quando poderia ser apenas alguns acréscimos. Não vejo problema em comer 3 a 4 ovos por dia. Eventualmente até consumo essa quantidade mesmo! E as vezes até frito na manteiga (claro que antes do ponto de fumaça). Não vou comer 3 a 4 ovos por dia todos os dias, simplesmente porque temos uma variedade de alimentos que também tenho vontade de consumir, além do fato que uma hora enjôa, um sinal de que o próprio organismo sabe bem qual é a medida. Por isso não vi problema na afirmação dela. Tenho certeza que ela conhece a pesquisa a fundo e entende a questão do que tem em conjunto com os 20 ovos consumidos, mas não havia tempo para entrar em detalhes. Se um belo dia eu tiver vontade de comer 5 ovos em um dia vou comer sem peso na consciência, mas se por acaso me oferecerem produtos industrializados de qualquer tipo e eu aceitar certamente ficarei com peso na consciência. Não gosto do tom de certos nutricionistas quanto “ai muita gordura”… desde que seja gordura boa, seu próprio organismo vai rejeitar se estiver em excesso. O problema são os industrializados, comida inventada e vendida nos comerciais como excelentes, inclusives sucos 100% naturais. Não tenho como explicar aqui TUDO o que aprendi pesquisando e lendo diversos autores sobre o assunto alimentação, além da experiência de vida, observações e conhecimento do meu prórpio corpo. É um conjunto, por isso não critico a nutricionista da forma como feita na carta aberta. Não vejo cartas abertas assim criticando as diversas porcarias que a mídia divulga. Dou os parabéns a ela e se fosse colega de trabalho dela, certamente iria parabenizá-la e colaborar para o entendimento do fato e não diminuí-la. Sou bióloga e mãe, não nutricionista, mas após escutar muita abobrinha resolvi seguir o caminho da descoberta e não engulo qualquer coisa mais não.


Jun 29, 2013

Olha, Ludmila, fico super feliz que você tenha noções sobre os exageros da alimentação e que por conta disso seja uma pessoa saudável. Mas infelizmente você e eu fazemos parte de uma pequena parcela da população, pois o restante sequer tem o conhecimento sobre diferença entre os tipos de gorduras, de açúcar, não faz a mínima ideia do que seja sódio, e precisa ser arduamente convencida que os alimentos industrializados tem um perfil nutricional péssimo. Não estou falando de pouca gente não. Os resultados de estudos populacionais mostram as consequências desses exageros: mais da metade da nossa população tem sobrepeso ou obesidade, estamos ficando cada vez mais hipertensos, diabéticos e com dislipidemias. Todo esse quadro são de doenças evitáveis, e que acabam sobrecarregando o já desmilinguido SUS. E foi pensando nessas pessoas que escrevemos a Carta. Como nutricionista recebo pacientes que, em sua maioria, tem seguinte linha de raciocínio: “Beber vinho é bom para o coração. Logo, vou beber a garrafa inteira para deixar meu coração bem protegido”. Essa é a lógica de quem tem pouco acesso à informação. E aí o que faço com aquele senhor que é hipertenso, teve 2 infartos, está com o colesterol nas alturas e vê que “pode comer 20 ovos”?

O tom da nossa Carta foi proporcional ao “pode comer à vontade” da nutricionista em questão. Certamente ela estudou que a alimentação deve ser individualizada, e que nada está liberado, especialmente para quem já tem algum patologia. Não questionamos os alimentos que ela colocou em questão, mas sim a falta de cuidado em colocar em cadeia nacional (sabe lá quantas pessoas viram, fora o Youtube depois) que existem limites para a alimentação.

Mas se você tiver estudos científicos que refutem tudo o que colocamos aqui, sinta-se à vontade para apresentá-los. Será uma boa discussão!


Jun 30, 2013

Profª Cláudia e Ana Luisa, parabéns pela carta!

Faço TV e mídias de internet, e infelizmente, o jornalista e o produtor seduz o profissional de saúde para polemizar, para fazer abordagens conflitantes com os saberes. Vocês foram sutis e científicas, aplicando os consensos que temos na vida real das pessoas. Fazer Nutrição é prescrever o dia a dia das pessoas, precisamos considerar os desejos, as preferências, e aplicar a promoção da saúde aí.

Beijos! Irei compartilhar com certeza, incrível!


    Jul 03, 2013

    Obrigada, Natália! Lidar com as reais necessidades dos pacientes e o desencontro de informações é muito complexo, o que redobra nossa responsabilidade.


Jul 03, 2013

QUE O PROGRAMA E MUITO BOM QUE QUERO TER UM SONHO E ESSE SONHO VAI SE REALIZAR


Jul 03, 2013

Pois bem Claudia Cruz, se qualquer pessoa tem todos os problemas relatados, um deles ou outro qualquer o mais provável é que seja devido à alimentação moderna, com base em industrializados e produtos processados maciçamente recomendados por profissionais da saúde, como óleos vegetais polinsaturados, peito de peru, cremes vegetais, leites desnatados ou semidesnatados e desvitalizados, entre outros. Entretanto, vejo como solução a volta a uma alimentação tradicional com base em alimentos de verdade. Simples assim! Acaso se paciente não pratique atividades físicas regularmente, não será a dieta industrializada que o salvará. Dessa forma, não poderia haver recomendação mais simples para um leigo do que se alimentar como seus antepassados e se saciar com alimentos de verdade, quer sejam gorduras saturadas ou não, desde que sejam reconhecidamente produtos derivados de animais criados soltos à pasto com alimentação natural e não ração e vegetais, todos não processados e frescos, como ocorria num passado não tão distante. Assim como dito no programa, á vontade. Acaso a pessoa venha a ser um doente terá que procurar atendimento especializado e apenas lamento, pois a ciência tem, cada vez mais, se equivocado com suas recomendações. Fora isso seja livre, melhor do que comer barrinhas de cereais e produtos light, que não saciam e viciam. Acaso queira consumir 8 ovos, boa sorte! Faz bem para a saúde, sim! O difícil vai ser sentir fome depois disso… (rsrs). Apenas para acrescentar: Para mim ela se equivocou quando disse que o tofu é um alimento a base de soja fermentado e saudável, quando não citou o shoyo naturalmente fermentado sem glutamato como saudável. Quanto ao resto, completaria, apenas, já que perceptivelmente a moça não teve tempo de explanar além do que foi dito, como o azeite de melhor qualidade é o não filtrado e prefira os alimentos orgânicos. O resto é bom senso, que poucos têm. Mas é melhor falta de bom senso com alimentos de verdade do que com os industrializados pobres em gordura (OH!), que não saciam e viciam (repetidamente). E repito: ELA FEZ UMA FAVOR PARA A SOCIEDADE BITOLADA PELA MÍDIA e não um desserviço como citado por vocês, que como sempre ficaram presas à questão mais que batida e controversa atualmente: GORDURA ( ai que medo!!!).


    Jul 03, 2013

    Ludmila, só uma pergunta: onde foi, no texto, que as autoras falaram que é melhor o produto industrializado do que o natural?


    Jul 12, 2013

    Nossa, essa colocação da Ludmila é algo que eu mesma já havia refletido sozinha, é algo que não consigo entender: POR QUE os profissionais de saúde receitam/recomendam/indicam essa porcaria industrializada? Por que eles trabalham TANTO a favor do sistema? Não consigo entender. Não que seja o caso das nutris daqui, não posso afirmar porque “peguei o bonde andando” na discussão, mas, no geral, é o que ocorre! Sonho com o dia em que estes profissionais, juntamente com os demais que tratam diretamente ou de forma subjacente o tema alimentação, comecem a falar de alimentos orgânicos, de alimentos não processados, etc, etc.


Jul 04, 2013

Claúdia, não disseram, nem eu afirmei isso, mas com relação à carta aberta: se disseram “ESTARRECIDAS”!!!! Quais foram as “outras tantas informações totalmente erradas que vão contra tudo o que se prega sobre alimentação saudável” ????? “Parece que a fritura ficou liberada, não é?” Ué, estou enganada ou vocês também tiraram palavras da boca dela?????? Falaram que a nutricionista prestou um “DESSERVIÇO”!!! Porém, o que você recomenda para seus pacientes doentes; que não comam manteiga? E o que põe no lugar? E quanto aos diabéticos, qual o tratamento recomendado? E aquele obeso, não pode comer ovos? Por que, engorda? Continuam tolindo os leigos, com o: não pode comer gordura? Saturada, então nem pensar… Recomendam óleos vegetais refinados e insaturados?????? Estimulá-os a consumirem produtos light e barrinhas de cereal? Ou estimulá-os a se alimentarem com o natural e se sentirem saciados e não transformando a alimentação em matemática falsa. As verdades:

“A SAÚDE É SUBVERSIVA PORQUE NÃO DÁ LUCRO A NINGUÉM” Sonia Hirsch

“Tire a venda dos seus olhos e aproxime-se! Leia nas entrelinhas e procure ver através do brilho da ilusão, pois vivemos como mansas ovelhas agrupadas em um rebanho comandado por meia dúzia de pastores. Atreva-se a mudar sua posição, pois a Verdade não é aquela que nos mostram e obrigam a viver, através das mais variadas artimanhas e armadilhas. Faça diferente!” Vera Falcão


Jul 21, 2013

Prezada Sra. Ludmila,
A Sra. é que está equivocada. Sou diabético, obeso, hipertenso.
Pesava 140 KG até 45 dias atrás. Após muita pesquisa sobre dietas cetogênicas, Atkins, Dunkan, Protéica, optei pela dieta primal/paleolítica.
Passei a comer gorduras animais saturadas, nozes, ovos, presuntos, queijos gordos e amarelos, bacon, banha. Abandonei as farinhas (todas), principalmente o trigo, abandonei os óleos vegetais e a maioria dos industrializados. Como vegetais (3 porções diárias) e algumas poucas frutas (3 x por semana). Meu colesterol baixou de 400 para 210, meus triglicérides baixou de 350 para 120 e meu colesterol bom subiu de 27 para 60. Estou com 122 Kg, tendo perdido 18 em 45 dias. Minha glicemia chegou a 450 e está estabilizada em 120 (e vai baixar mais), sem remédios.
Tem certeza de que as informações da nutricionista estão erradas? Ou errado é aquilo que estão fazendo há décadas e matando as pessoas de infarto?


    Jul 21, 2013

    Em tempo: Me dirigi erradamente à Sra. Ludmila.Minha resposta é para:Claudia Olsieski da Cruz e Ana Luísa Kremer Faller


Jul 25, 2013

Bom, não sei se esse comentário vai ser aprovado, uma vez que os comentários são moderados, me levam a duvidar se vocês vão publicar meu comentário ou não. Em todo caso, seguem os fatos sobre isso:

http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2013/05/nutricionista-pollyanna-esteves-derruba.html

Mito No.1 – ovo faz mal (fato: não faz – http://primalbrasil.com.br/porque-voce-deveria-comer-mais-ovos/)
Mito No.2 – Chocolate engorda e faz mal (fato: o amargo não – http://primalbrasil.com.br/chocolate-mocinho-ou-vilao-da-pascoa/)
Mito No.3 – Óleos são mais saudáveis do que banha (fato: banha é mais saudável – http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2013/03/gordura-vegetal-versus-gordura-animal.html)
Fato – Óleo de coco é o melhor para frituras
Fato – Azeite de oliva é saudável, mas é melhor consumido na salada do que para frituras (http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2013/03/dieta-pobre-em-gorduras-mais-derrames.html)
Mito: Óleos de canola e soja são bons (fato: são péssimos – Canola: http://www.umaoutravisao.com.br/artigos/Alimentacao/canola.html / Soja: http://www.umaoutravisao.com.br/artigos/soja/sojaosegredosinistro.htm)
Mito: Margarina é melhor que manteiga (fato: manteiga é saudável, e margarina é uma abominação – http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2013/03/gordura-vegetal-versus-gordura-animal.html)
Alimentos de soja são saudáveis (fato: soja é ruim do ponto de vista hormonal e para a tireoide – http://www.umaoutravisao.com.br/artigos/soja/sojaosegredosinistro.htm)

Aprecio e acredito que vocês fazem um trabalho incrível que tem colaborado muito para alimentação de todas as crianças, porém, é preciso pesquisar muito antes de questionar. A nutricionista Pollyanna Esteves foi muito corajosa de derrubar esses mitos em rede nacional, e foi muito coerente nas suas explicações. Devo lembrá-os também que é necessário basear-se em estudos e pesquisas científicas, especialmente os estudos randômicos e as pesquisas que não são patrocinadas pelos laboratórios e/ou empresas interessadas em resultados que muitas vezes são manipulados a favor dos mesmos.

Sei que não é fácil mudar toda uma cultura enraizada, mas devido a visibilidade do blog e ao “trabalho de formiga” que vem sendo feito ao longo dos anos, o blog deveria ser utilizado para divulgar informações concretas e com bases científicas. Um dos grandes mitos que vocês pregam é o de que a gordura saturada faz mal. Como eu mencionei acima, não faz – desde que não esteja associada ao açúcar (todos os tipos dele). Enfim…

Att.
May


Feb 16, 2014

Você que quer emagrecer e melhorar de saúde…

NÃO vá atrás dessas nutricionistas convencionais…

Comece lendo sobre Low Carb High Fat

http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/

Estude, tem uma vasta biblioteca de estudos científicos sobre o assunto.

Esqueça essas profissionais de alimentação que são a causa da epidemia de obesidade e depressão no mundo.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Hospitalização de crianças por obesidade quadruplica
Texto de Renata K. Velloso* Resenha da reportagem Rise in child obesity-related hospital admissions, da BBC O problema...