brinquedos e marketing / campanhas / 22 de novembro de 2013

O incrível dia em que afoguei nos meus brinquedos

Texto de Claudia Souza*

Você também deve ter uma tia que, quando vem visitar a família, aperta as suas bochechas e te faz sufocar em intermináveis abraços de urso. E ainda por cima te traz presentes pra lá de inconvenientes. Foi dela que eu estava fugindo quando aconteceu.

Eram exatos dois dias depois do Natal. A montanha de brinquedos que eu tinha no meu quarto nunca tinha sido tão alta (você também deve ter uma montanha de brinquedos no seu quarto).

Ouvi a voz da tia e subi as escadas correndo. Bati a porta do quarto. A voz se aproximava. Ouvi também minha mãe que dizia:

– Ele está aqui assim, não vê a hora de encontrá-la!

Passos na escada. Olhei pra um lado, pro outro. Pulei bem dentro da montanha de brinquedos e fiquei imóvel, esperando o perigo passar.

Elas abriram a porta, minha mãe me chamou.

– Ué – ela disse. Será que esse menino saiu sem me avisar?

E lá se foram as duas tomar seu habitual chazinho no jardim. Ufa!

Tinha escapado – pensei. Agora era só sair devagarinho e… ops. Pulei mais alto. Não conseguia sair. E acabei ficando cada vez mais no fundo.

Olhei em torno. Ainda na caixa, um brinquedo que tinha sido meu sonho dourado por muito tempo. E outro que na TV parecia o cenário de um filme, mas que quando você ganha não parece tão maravilhoso assim.

Nunca tinha prestado atenção em quantas bolas diferentes eu tinha! Pra me distrair e não ficar ansioso comecei a contá-las.

Separadamente meus brinquedos podiam até ser interessantes, mas assim, em forma de montanha, eram assustadores.

Não sei quanto tempo já tinha passado, eu ali dentro da montanha dos meus brinquedos. Mas começava a me sufocar. Não podia gritar, com o risco de atrair a atenção das duas no jardim. Precisava pensar em um modo de sair dali.

Tentei pegar alguns brinquedos mais resistentes que pudessem servir-me de apoio. Todos juntinhos, coloco o pé aqui, ali e… desastre!

Neste movimento os brinquedos que estavam mais no alto caíram por cima de mim! E fiquei coberto por inteiro. Afogado. Eu tinha afogado nos meus brinquedos.

E quanto mais me movia, mais afundava naquilo que parecia uma areia movediça. Brinquedos que eu nem me lembrava que tinha parece que se organizavam numa vingança macabra contra mim. Era um pesadelo!

Até que enchi os pulmões e gritei com todas as minhas forças – nesse ponto já nem me importava com os apertões e os abraços da tia.

Fui salvo.

Confesso que daquele dia em diante passei a olhar meus brinquedos com certa desconfiança. Dei um jeito de acabar com a montanha de modo a não correr mais o risco de me afogar nela. Meu quarto ficou bem mais habitável.

Meu pai gostou da mudança e uma noite, antes de dormir, enquanto brincávamos deitados no tapete, me contou que em toda a sua infância tinha tido só uma bola e um carrinho de rolimã que ele mesmo construiu. Que na maior parte do tempo brincava sem brinquedos.

Dá pra imaginar?

Imagem da obra Small Moons de Sutton Beres Culler 

*Claudia é psicóloga, escritora e pesquisadora da Infância. Mineira, mora em Milão há sete anos, onde trabalha com projetos de intervenção cultural direcionados a crianças, entre eles o grupo ProgettoQualeGioco e o Istituto Callis Italia. Publica livros infantis em português, italiano e inglês e artigos em jornais e revistas no Brasil e na Itália.

 

v


Tags:  brinquedos consumismo infantil Natal natal sem consumismo publicidade de brinquedos

Bookmark and Share




Previous Post
20 de novembro - O verdadeiro Dia das Crianças
Next Post
O papel da escola na educação para o consumo



Mariana Sá




You might also like




0 Comment

Nov 23, 2013

Pois é Cláudia. Brinquedos é que não faltam. Outro dia não me afoguei, mas quis chorar sem saber o que fazer. Por quê tanto acúmulo. Afe… Inconveniência é que não falta pra ajudar nessa tortura…

Eu aprendo! Adorei o texto…
E ja dei um pulão no seu blog. Estou seguindo por e-mail. Pena que o outro que você participa está desativado.

Beijos querida!


    Nov 26, 2013

    Oi, Teresinha, obrigada viu. Quanto ao Quintarola, já estamos com vontade de reabrir. Aguarde! =)


Nov 24, 2013

Ah, dá pra imaginar, sim! 🙂 Quando era criança, vivia na periferia e todas as crianças tinham poucos brinquedos e volta e meia estávamos construindo casinhas, costurando roupinhas. Tínhamos sempre brinquedos novos pq qdo uma criança da rua ganhava algum vinha logo compartilhar (tinha tbm quem vinha se mostrar rrsrsrsrs mas qdo partíamos para uma brincadeira sem ela, logo entrava na roda). Bicicleta? Putz, alugávamos! Quando penso que andávamos de um bairro a outro só para alugar bicicletas velhíssimas e chegar na nossa rua, que mal tinha trânsito de veículos, e brincar de corrida para em 30 minutos sairmos feito loucos para devolvê-las e não pagar multa…que delícia! Conquanto que a criança sempre tenha liberdade para brincar ela sempre dará seu jeito, quanto menos o adulto interferir, melhor. Não penso que minha infância fi melhor do que a das crianças de hoje. Era, incontestavelmente, mais livre – e isso faz uma diferença!


    Nov 26, 2013

    Pois é, foi assim que eu fui criança também. Um abraço!



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
20 de novembro - O verdadeiro Dia das Crianças
  O mês de outubro é marcado pelo Dia das Crianças; quem comemora é o mercado de brinquedos e quem sofre uma infinidade...