destaque_home / livros e filmes / 1 de junho de 2016

Quem vai cuidar das crianças?

Texto especial para o Milc de Debora Regina Magalhães Diniz*

Quando assisti ao documentário: O Começo da Vida, minha vontade foi de encontrar a cineasta Estela Renner, abraçá-la e dizer “obrigada”.

Estou há anos atuando como ativista materna, repetindo exaustivamente a importância de um nascimento respeitoso, o estabelecimento do vínculo, a participação dos pais, a importância do brincar e tantas vezes fui ignorada… ufa! E estava tudo lá!

O filme desperta inúmeras sensações e, dentre elas, a culpa. Minha mente ficava repetindo, tal qual uma música dos Titãs: “devia ter escutado mais, brincado mais, abraçado mais”… É difícil lidar com essa culpa. Mas, conforme o documentário se desenrola, percebemos que a grande maioria das mães (e alguns pais) quer o melhor para os seus filhos, muitas vezes erram porque estão inseridos numa sociedade que não oferece nenhum suporte.

“É preciso uma vila para educar uma criança” e nós estamos sozinhas mesmo sendo privilegiadas dentro de um cenário mais amplo. Ficou claro que, a dificuldade dos pais se empenharem na criação de seus filhos é diretamente proporcional à ausência de políticas públicas de apoio a parentalidade. O capitalismo é cruel com os pais e cruel com as crianças. E, para completar, usa a culpa para vender seus produtos para que os pais tenham “mais tempo” ou consigam preencher vazios afetivos com “objetos”.

Mas ainda estamos no plano individual. Sim, porque a primeira metade do documentário faz a gente se questionar sobre nossas práticas com nossos próprios filhos, na segunda parte vem a porrada e faz a gente acordar e perceber nossos próprios privilégios. E se a gente percebe a importância de cuidar de nossos filhos, entendemos que não adianta fazer a mudança apenas no âmbito privado. Precisamos nos responsabilizar por todas as crianças do mundo, afinal elas são a humanidade.

E pegou um ponto que nós, do MILC, repetimos sempre: a culpa não é só das mães!!! Cuidar da infância é obrigação de todos!

E foi aí que chorei copiosamente, porque muitas vezes me peguei no dilema da ativista: precisei deixar meus filhos para lutar pelo direito de outras crianças. Me culpei tantas vezes e esse documentário foi redentor: estou no caminho certo! O documentário é essencial para todos que se importam com a infância.

Nota da editora: “O Começo da Vida” chegou hoje à Netflix e está disponível na plataforma Videocamp para exibições coletivas seguidas de debates e rodas de conversa.

(*) Debora é mãe de três, cofundadora do Milc, cursou Letras e Semiótica. É doula e educadora perinatal há 10 anos. Atualmente vive no Vale do Paraíba e é uma das coordenadoras da Roda Bebedubem. É ativista e implicante com a sociedade atual desde sempre. Co-fundadora do Milc e membro da Rebrinc


Tags:  educação o começo da vida pobreza políticas públicas primeira infância probreza extrema proteção proteção à criança proteção à infância

Bookmark and Share




Previous Post
Os esforços para criar uma criança numa sociedade de hiperconsumo
Next Post
Quem cuida das crianças, quando os pais faltam?



Mariana Sá




You might also like




0 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Os esforços para criar uma criança numa sociedade de hiperconsumo
Texto especial para o Milc Mariana Sá* Quem é mãe (ou pai) sabe a quantidade de esforço que precisamos fazer para cuidar...