outros / 26 de julho de 2012

Ser criança aqui ou aí

Celi Oberding*

Com esse título vocês podem pensar que criança é criança, seja aqui na Alemanha ou onde moram. Estão completas de razão. Criança é criança quando pensamos no desenvolvimento, nos interesses de acordo com a faixa etária, na enorme vontade que as mesmas têm de brincarem.

No entanto, cada dia percebo que os pais favorecem mais ou menos o aproveitamento desse tempo, o tempo de ser criança em sua plenitude. Além do dia a dia, hábitos culturais e familiares, acredito que o local influência muito na conduta dos pais. O jeito de ser, como os pais foram criados também. Escrevo isso referindo-me em como foi a infância dos pais: Brincavam mais dentro de casa? Menina brincava somente com boneca? Exploravam o que a natureza oferece?

Tem os ideais dos pais, no qual desejam uma infância parecida, pois observam ganhos e uma infância “saudável”, seja ao ar livre, longe da televisão ou dos jogos nos computadores. Desejam que prevaleçam o universo simbólico e de movimento.

Porém, nem sempre é possível…

Os pais precisam ter em mente claramente a importância do ser criança, dos filhos viverem intensamente esse momento, caso contrário, o tempo passa e o que foi feito por eles? Quais serão as lembranças de uma infância saudável?

Observo uma grande diferença cultural, de possibilidades de uma criança que vive na Alemanha e outra no Brasil. Lógico que há exceções e que muitas mães se esforçam para garantirem uma infância saudável, longe do mundo tecnológico 100%, do consumo de jogos, mais jogos de computadores e outros equipamentos eletrônicos. Uma grande alternativa e que tenho visto são as inúmeras confecções de brinquedos com materiais recicláveis.

Considero importante brincarem ao ar livre, explorarem tudo que há de mais simples e que estão a sua volta. Fazerem uso de um simples graveto para transformarem, criarem uma brincadeira. Sabemos que a criança se diverte e muitas vezes há uma enorme preocupação com a diversidade, em oferecerem todos os tipos de brinquedos. Algo que não termina jamais….

Porém, nem sempre é possível…

Muitas vezes o desejado pelos pais pode não ser alcançado, por conseqüência da vida, das condições em termos de estrutura física, da sociedade, da necessidade de trabalhar fora e do tempo. Quantos pais gostariam de oferecer um passeio no parque, abrirem seus portões para as crianças brincarem na rua, sem se preocuparem com a falta de segurança e o medo do que possa acontecer.

Novamente fiquei pensando em tudo isso a partir de uma conversa que aconteceu com uma grande amiga, no qual atualmente me encontro na mesma situação que ela. Levantamos mais uma vez os prós e contras de morarmos na Europa.

Felizmente há muitos ganhos na infância dos nossos filhos. Uma maneira de viver muito mais simples, de aproveitar o que realmente tem em cada estação do ano. Pequenas coisas, uma enorme felicidade. Entendem?

Tivemos a oportunidade de passarmos uma tarde com nossos filhos no parque e foi um momento mágico, no qual brincaram tranqüilos, alegres, onde a areia e a água eram os objetos principais no momento. A infra estrutura já permitia total diversão. Ficaram sossegados, interagindo por um bom tempo.

Sabem um momento sem frescura, algo fácil de lidar, pois bem… As crianças brincaram com roupa, depois considerando o verão, o calor, acabaram somente de cueca. Ninguém acha ruim, não há um olhar pejorativo, tudo é possível e faz parte da cultura, do jeito que pensam… Crianças aproveitando o tempo de serem crianças! De fazerem o que está realmente dentro das possibilidades.

A impressão que tenho é que há maior interesse por tudo isso! Há um incentivo maior de toda sociedade e principalmente das escolas.

Vejam o Thomas quase esmagando a pequena joaninha. Ama qualquer bicho de jardim que aparece e logo quer pegar, brincar, guardar e levar para dentro de casa.

Enquanto conversávamos sempre questionávamos o que poderia ser diferente vivendo na Europa. Como seria nossas vidas, a rotina dos nossos filhos se morássemos no Brasil. A realidade é que nem sempre teremos tudo, porém essa fase em que nossos filhos se encontram é única e merece total atenção.

Acreditamos que fará uma enorme diferença no desenvolvimento, no jeito de ser dos nossos filhos terem vivido tudo isso e dessa maneira.

Na verdade, é minha aposta…rs Faço questão de priorizar essa fase, favorecer a felicidade dos meus filhos, pensando nesse tempo, nesse tempo de ser criança usufruindo do que há de mais simples para buscar o que há de mais belo na vida.

Assim como já relatei, não precisam de muita coisa…. Vivem bem! Por exemplo, a diversão para meus filhos, para os amigos, e aqui incluo tanto a família da minha amiga como a maioria que vivem na Europa, é caminharem no bosque, fazerem um piquenique, empinarem pipa, jogarem pedra no lago, observarem os troncos caídos das árvores, comerem frutas do pé, compararem as cores das folhas das árvores e, assim vai… Coisas simples da vida!

Coisas simples da vida que fazem com que nos tornemos simples também.

Tem como não desejar que o pequeno Lucas participe de tudo isso aprendendo ao lado dos irmãos?

As questões continuam, o levantamento dos prós e contras de vivermos longe do país de origem, porém tenho certeza, certeza absoluta que o tempo de ser criança dos meus filhos está sendo muito bem aproveitado. Como é bom quando compactuamos da mesma opinião de outras brasileiras que moram fora. Afinal de contas, pensando nos filhos…

Para uma mãe, tem como isso não ser bom?

(*) Celi Oberding é pedagoga, mãe de três meninos: Felipe, 5 anos, Thomas, 2 anos e Lucas, 3 meses. Mora na Alemanha há 3 anos e meio e é autora do blog Nova Vida, Vida Nova. 


Tags:  consumismo educação educação infantil infância lazer

Bookmark and Share




Previous Post
Nós somos a Voz do Brasil
Next Post
Num mundo de diferenças



Mariana Sá




You might also like




0 Comment

Jul 27, 2012

Há mais de um mês confisquei os brinquedos da minha pequena, pois ela insistia que estava “cansaaaada” no exato momento de guardá-lo. Juntei tudo numa sacola e coloquei num local alto de impossível alcance. Ela nem ligou. Dias depois lembrou de uma não-sei-quê que estava guardado e perguntei se ela continuava cansada para guardar, disse que sim, não devolvi. O que estou percebendo é que não há prejuizo nenhum (aparente) com a falta dos brinquedos. Ela pega coisas da casa, inventa, cria histórias, finge que o rack é um forno, faz sons com a boca…enfim, estou prestando muita atenção a essa questão dos brinquedos e avaliando a verdadeira necessidade da existência deles (de tantos e quais) na vida da criança. Adorei o posto, que vem somar às minhas reflexões.


Jan 22, 2013

Vc cita essas brincadeiras ao ar livre nos meses de verao, né? 2 ou 3 na sorte… Pq no inverno nao vejo como ser criança feliz, brincando alegremente ao ar livre na Europa nao…


    Jan 22, 2013

    no inverno elas tb andam nos bosques, fazem guerra de neve, descem ladeiras nos trenos, tem as pequenininhas que ja sabem andar de Sky. Visitam os amiguinhos nas casas. Tudo é festa tb, pra mim e para os pequenos!!!


    Jan 22, 2013

    Débora obrigada pelo comentário! Sabe que apesar dos meses de inverno consigo ver as crianças felizes! Acredito que o ritmo de vida, os valores são outros. As crianças aproveitam muito o verão e o inverno também. Há inúmeras possibilidades de atividades para fazerem nesses meses frios, muitas vezes com neve. Para cada estação há atividades, espaços para brincarem. Sabe que você deu uma boa idéia de escrever como tudo acontece nesses meses, o que as crianças realmente fazem…
    Na verdade, tudo também é uma questão de hábito e costumes, nos quais as crianças não ficam na frente da televisão (muito raro), optam por convidar amigos para brincarem em casa, aproveitam tudo que dá para fazer na área externa. Criança gosta mais de inverno e neve do que os adultos. Isso garanto para você!
    Um beijo.


Nov 29, 2013

É tudo uma questão de mentalidade, né? As crianças do interiorzão do brasil ainda tem uma infancia simples e gostosa assim, Mas o povo da cidade é difícil de convencer a tirar os filhotes do esquela computador/tv/shopping. E pior: o brasileiro valoriza os jardins de infância que deixam tudo ser mais precoce e consumista! Tive já pelo menos 3 colegas e amigas de casais “teuto-brasileiros” que gostavam muito do brasil, era casados com brasileiros, mas na hora de educar os filhos decidiram ir/voltar pra alemanha. Faço o que posso pela minha pequena por aqui, mas, pra falar a verdade fico com uma invejinha das amigas. Se eu tivesse oportunidade de voltar a morar na alemanha pra dar uma infancia mais saudável e segura pra minha filha, não hesitaria. Mas somos uma família 100% brasileira e no momento não vejo a possibilidade de facilmente conseguir um visto de estadia/trabalho nesse país ou outro da europa que nos adaptassemos.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Nós somos a Voz do Brasil
A Voz do Brasil de 23/7/2012 deu informações sobre o andamento do projeto de lei que regulamenta a publicidade infantil,...