brinquedos e marketing / campanhas / 14 de novembro de 2013

Natalização precoce

Texto especial para o Milc de Mariana Sá*

Dia desses fui tomada por uma ansiedade meio estranha: sabe como é? Aquela sensação de que o tempo está se esgotando e não terminamos de tomar alguma providência. Uma sensação de que estamos esquecendo de algo e não temos tempo de checar tudo para descobrir o que é. Uma sensação de que não teremos tempo de concluir uma tarefa ou obrigação. Uma vontade de começar a correr antes que o tempo acabe. Um sentimento de urgência, de não poder perder tempo, de que temos que reagir.

Olhei ao redor e vi que não havia motivo racional para esta sensação: tarefas em dia, projetos sob controle, providências tomadas, problemas encaminhados, a vida andando como deveria andar. Daí lembrei que fui ao shopping, uma atividade cada dia mais rara, e lembrei das renas, sinos, bolas e pisca-piscas instalados nos preenchendo com aquela sensação doce das festas de final de ano.

Isso! O final de ano começou e eu nem sei onde passarei a noite de Natal, não sei quem farei questão de ter ao meu lado, não sei se viajo no ano novo, não fiz a lista dos presentes, não iniciei nenhum preparativo, não comecei a fazer o balanço do ano, não projetei minhas metas para 2014. É isso, então!

Nada disso! O ano não começou a acabar, e começar a “vender” o fim do ano serve apenas para aumentar essa ansiedade, um sentimento de compulsão que pode nos levar a ir além da necessidade no que diz respeito ao consumo, afinal teremos quase 60 dias de apelo comercial. Mal começou novembro e os anunciantes começaram a dar cabo do ano: ainda temos dois meses para viver nossa vida, sem listas de presentes, sem providências festivas.

Eles dizem que temos que começar logo para evitar correrias e esquecimentos, mas será isso mesmo ou querem transformar um mês meio morto para o comércio num dezembro?

Ainda tem um feriadão para viver em novembro, ainda tenho as apresentações de final de ano dos meus filhos para aproveitar e lá para meados de dezembro terei tempo para lembrar que o Natal está chegando e que 2013 está acabando. Escolhi viver o presente porque – de fato – ainda não é Natal.

*Mariana é publicitária e mestra em políticas públicas. É mãe de dois e escreve no blog Viciados em colo. Co-fundadora do Movimento Infância Livre de Consumismo.

v


Tags:  Natal Natal em novembro natal sem consumismo natalização precisamos rever o Natal

Bookmark and Share




Previous Post
Estamos sendo envenenados?
Next Post
Furby: um jeito de diferente de ser – ou escolha um presente diferente para seu filho



Mariana Sá




You might also like




0 Comment

Nov 19, 2013

Vc não imagina o susto que eu tomei no dia de finados! Havia esquecido a data e logo após ter passado por uma avenida toda decorada para o Natal lá está um cemitério cheio de gente e flores na calçada. Foi quando lembrei que coisas mais sem lógica o Dia de Finados começando a comemorar o aniversário do Cristo. Também não vou nessa vibe não. Quando alguém diz que o tempo está passando depressa eu digo que é só parar de ver TV e de sair de casa, daí tudo volta ao normal. Melhor do que citar Einstein 🙂



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Estamos sendo envenenados?
Texto de Claudia Visoni* A matéria de capa da Revista Galileu de setembro, Envenenados, tem 14 páginas e fala da falta...