outros / 17 de setembro de 2012

Resposta da Pais & Filhos à carta aberta

13 de setembro de 2012

Recebemos a sua carta aberta.

Vale alguns esclarecimentos, que, com prazer, faço aqui para vocês.

A matéria a que você (ou vocês) se referem foi publicada no site e também na revista. Ela é apenas parte de toda uma campanha, “Culpa não”, um conjunto de ações matérias de cunho exclusivamente jornalístico, da nossa responsabilidade e criação, que incluem a revista, a versão dela para tablets, o nosso site, nossa página no Facebook e também uma página nova, criada no Facebook, chamada é claro, “Culpa, não”!

Nossa intenção é, a cada mês, discutir temas complicados e justamente polêmicos, que geram na culpa e insegurança na mãe, como o uso das papinhas, e conversar com as mães sobre isso. Para isso, lançamos o tema com uma matéria grande na revista, uma outra seção visual, também identificada com o selo “Culpa, não”, que desenvolve o tema, seguido da republicação desta mesma matéria no site e Ipad. A partir daí, passamos o mês inteiro no debate, tanto no face quanto no site, e é onde para nós começa o que é realmente rico e interessante jornalisticamente: as mães conversam., contam suas histórias, publicamos matérias, entrevistamos especialistas de TODAS as opiniões e o espaço fica assim aberto para o DEBATE.

No final de cada mês, convidamos as mães que se inscrevem livremente para almoçar com a gente e bater um papo ao vivo. Fazemos um vídeo (que também fica a disposição na internet) com a conversa, onde eu atuo como mediadora e procuramos sempre chamar pessoas de opiniões e posturas diferentes para APRENDER, OUVIR e trocar opiniões. Desse almoço, escolhemos um das mães, vamos visitá-la, fazemos outro vídeo, e uma matéria para a revista onde mostramos a vida dela, como é a lida na educação, sempre na pegada de mostrar como mães de verdade, de carne e osso, com características diferentes, lidam com a criação dos filhos, seus medos e culpas.

O “Culpa, não” portanto não é uma matéria só, mas um conjunto delas. O Primeiro tema foi papinha. Depois já falamos de obesidade, de amamentação, no mês que vem vamos falar sobre trabalhar fora. Temas que provocam culpa, d[úvida, medo desinformação e muito, muito patrulhamento.

Nós da Pais e Filhos achamos injusto a cobrança de uma posição só. Existem muitas maneiras saudáveis de criar um filho. Uma mãe que não consegue amamentar, por exemplo, não merece ser patrulhada e julgada antes mesmo de ser ouvida. Muitas vezes, a amamentação se torna impossível, e a pessoa não é menos mãe por causa disso.

Defendemos sim, o direito da pessoa – a mãe , a família – conhecer o que existe, em todos os lados de uma mesma questão. As Começamos com as papinhas justamente por ser tão controverso. Vamos ver como é isso, ir mais fundo?

Não, não é publicidade. É editorial. E é o que acreditamos. Detestamos patrulha. Seja para que lado for.

A idéia, que se revelou ser uma idéia de sucesso, é justamente criar um espaço onde as pessoas possam colocar suas opiniões livremente.

Não queremos que ninguém concorde com a gente. Queremos é falar, ouvir, aprender, discutir.

Como você fez.

E com respeito. Que é como trabalhamos.

Você (ou vocês) estão convidados a vir aqui a hora que quiserem ver a informalidade com que são feitos nossos encontros, muito ricos, cheios de boas conversas. Vão ver os presentes que damos (este ultimo mês foram livros, por exemplo) que também varia conforme o tema do mês…

Não fazemos publicidade oculta, mas a Nestlé, a que você se refere é nossa anunciante, sim. E são nossos anunciantes justamente porque respeitam a nossa independência editorial.

Tudo o que colocamos na revista é muito claro. Quando tem patrocinio, é dito. Com selos, retrancas, etc. Inclusive não temos o menor problema de fazer projetos casados, como a campanha com a Fisher e Price, por exemplo.

O recado que queremos passar é: mãe, seja você. Cuide do seu filho com responsabilidade. E não tenha culpa demais, que só atrapalha.

Obrigada pela carta.

Monica Figueiredo


Tags:  culpa não Pais & Filhos

Bookmark and Share




Previous Post
Carta Aberta à Redação da Revista Pais & Filhos (Brasil)
Next Post
Um convite ao diálogo e à reflexão: tréplica à revista Pais & Filhos



Mariana Sá




You might also like




0 Comment

Sep 17, 2012

Falou, falou, falou… e pra mim ficou na mesma.

Simplesmente pq no jornalismo sério deles, eles colocaram a papa industrializada como opção à falta de tempo. Sem outras idéias, sem outros argumentos…
Se o objetivo era provocar a discussão, por que não apresentaram outras “alternativas” além dessa única?

Culpa é uma coisa. Irresponsabilidade é outra.


Sep 17, 2012

Essa carta não me convence de que a matéria não tenha sido paga e parte de uma grande campanha concebida para criar a ideia de que papinha industrializada deve ser utilizada como parte de uma rotina alimentar .O que não dá para engolir é a imprensa se prestar a um papel desses quando seria muito mais simples colocar o aviso de matéria paga , evitando o desconforto pelo qual passa neste momento, tendo que se explicar para o público. A indústria alimentícia tem todo o direito de fazer propaganda de seus produtos e até desejar criar um estilo de vida em torno deles, o que não pode é enganar o consumidor como práticas como esta com ajuda da imprensa, cujo papel em sociedade é o de informar .


Sep 17, 2012

Deixa eu ver se entendi:

1- Existe uma campanha denominada “Culpa, Não!”, que vai abordar sobre vários temas. Sinceramente, acho a ideia ótima. Porque é um saco ficar recebendo comentários ofensivos e desagradáveis em seu blog, quando vc diz que fez parto cesárea ou amamentou pouco (seja qual for o motivo).

2 – Achei a matéria da papinha no site da revista, terminei de ler agora. Concordo com vários pontos que foram abordados: sobre a falta de tempo das mães, sobre as facilidades de ter sempre uma papinha da Nestlé perto de vc, sobre o caminhão de culpas que todas as mães carregam sobre vários aspectos e tal…

3 – Mas se aquele texto fala exclusivamente sobre as papinhas da Nestlé (e me desculpem, mas fala!), acho que isso deveria ter sido sinalizado de forma clara ao público.

E se a discussão é, no caso desse primeiro texto da campanha, sobre coisas que facilitam nossas vidas, que nos dão mais tempo, etc, acredito que teria sido muito útil a discussão sobre todos os tipos de comidas, como as congeladas, por exemplo.

Agora, se o texto foi sobre as papinhas da Nestlé, me desculpem, mas acho errado isso não ter sido devidamente sinalizado.


Sep 17, 2012

Vai ter alguma materia sobre as maes que se sentem culpadas por colocarem os filhos para dormir na propria cama? (ou a conhecida “cama compartilhada”). Ou sobre as pessoas que criticam maes que fazem cama compartilhada? Ou isso nao interessa ao patrocinador?

Seria um tema interessante e um pouco menos obvio.


    Sep 17, 2012

    Ou uma matéria sobre as mães que recebem tanta crítica por estarem amamentando mesmo depois de 1 aninho, e como evitar a culpa de não ter dado mamadeira na primeira choradinha do bebê, e do pq escolher o parto natural e não cesário…. Pois vou te contar que sempre que falo que tive PN as pessoas arregalam os olhos imensos e me chamam de louca!! E essa culpa, de ser a única no meu meio de amigas a ter tido PN vai ser discutida? Convenhamos….


Sep 17, 2012

A matéria se chama “Papinha, sim”, a campanha “culpa, não” e só existe uma marca de papinha industrializada no mercado. Precisa dizer mais para entender que esta réplica da revista, definitivamente, não convence?


Sep 18, 2012

Nem precisa comentar. Blá blá blá, mas pelo menos respondeu!


Sep 21, 2012

“Mãe, seja você. Cuide do seu filho com responsabilidade”. Tradução: “mãezinha, não pense demais.. siga o que é pregado na TV, nas conversas de salão de beleza, sem preocupação em se informar e, muito menos, em observar e cuidar atentamente do seu filho. Você precisa entender sua responsabilidade em garantir nossos números de venda, em manter o status quo. Revolte-se com qualquer um que queira te trazer informações/pesquisas que questionem o que quase todo mundo faz, porque isso só traz culpa e polêmica à nossa relação cor de rosa”


Sep 23, 2012

Tomei papinha e todos meus outros 3 irmãos também, somos saudáveis não tem ninguem obeso, hiper-tenso. Sabe o que eu acho que a papinha é muito útil para uma mãe trabalhadora que vivi nas ruas correndo para sustentar uma família e dar o mínimo de conforto para seus filhos.
Se a mamãe tem tempo de fazer comida em casa ótimo, agora, se não, a papinha é uma ótima alternativa. Agora o que é ridiculo é a intolerancia por parte de uma minoria. Que fica em casa o dia inteiro e quer criar caso e ver barulho onde não tem.
Só no Brasil temos:
5 milhões de crianças trabalhando.
E no mundo temos:
Cerca de 5 a 20 milhões de pessoas morrendo por ano por causa da fome – e muitas delas são crianças.
Agora a papinha é motivo de balburdia?
A revista fez uma ótima reportagem mostrando as vantagens de um produto industrializado…claro o natural é melhor! Mas o natural só convem para as mamães àtoas que ficam em casa vendo tv fama e fazendo papinha!


    Sep 25, 2012

    Hahahah muito bom este personagem criado para defender a empresa…


      Sep 26, 2012

      Não sou um avatar….amiga!
      Sou uma pessoa de verdade, não estou defendendo a industria.
      Só estou abrindo a mente de todos. A papinha tem beneficios e desvantagens (como eu mesmo falei aqui já!), não podemos é crucificar mães e entidades de uma forma tão brusca que faça parecer que a papinha seja uma bomba atômica!


        Sep 29, 2012

        ESSA PAPINHA É PARA MÃE PREGUIÇOSA E NÃO É SAUDÁVEL


          Nov 07, 2012

          “Essa papinha é para mãe preguiçosa”…
          Publicidade velada ou não, achei válida a iniciativa da revista de combater esse tipo de mentalidade preconceituosa. Acho muito mais perniciosa a postura judiciosa que certas pessoas adotam em relação às mães que, por alguma razão, fogem da cartilha da mãe perfeita. Tudo o que essa gente consegue é incutir culpa nas mães e tornar a maternidade um fardo pesado, pesadíssimo. Sonia M. e companhia, como mães zelosas que são, vocês deveriam passar mais tempo cuidando dos seus filhos e deixar os outros em paz!


    Nov 27, 2013

    Mães à toa que ficam em casa vendo TV fama e fazendo papinha. Realmente você é uma pessoa que entende muito de mães que abdicam da sua vida profissional para cuidar de seus filhos. Parabéns!



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



More Story
Carta Aberta à Redação da Revista Pais & Filhos (Brasil)
Foi com pesar e preocupação que lemos a matéria "É papinha, sim", no site da Revista Pais & Filhos. Revestida de uma campanha...